Seja um voluntário

Para uma tomada de decisão baseada na ciência sobre a emergência climática: 10 novos insights na ciência climática

Todos os anos, os Organismos Afiliados ao ISC Future Earth e o Programa Mundial de Pesquisa Climática (WCRP), em parceria com a Earth League, reúnem os principais estudiosos globais para revisar as descobertas mais críticas na pesquisa climática. Através de um processo científico rigoroso, estas conclusões são resumidas em 10 ideias, oferecendo orientações valiosas para os decisores políticos e a sociedade.

???? O Conselho Científico Internacional na COP28
O Conselho Científico Internacional (ISC), os seus membros e parceiros estão envolvidos em vários eventos paralelos oficiais da COP28 e reuniões paralelas. Explore a profundidade do nosso envolvimento, incluindo uma lista detalhada de eventos e leituras recomendadas SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

Revelado na COP28, o insights científicos apresentados no relatório fornecem evidências indispensáveis ​​para os tomadores de decisão nos negócios e nas políticas, equipando-os com a mais recente ciência climática para facilitar a tomada de decisões informadas e eficazes sobre soluções holísticas para o clima e a natureza. Isto é especialmente oportuno no contexto do Balanço Global inaugural na COP28, que sublinha a necessidade premente de ações transformadoras para cumprir as ambições do Acordo de Paris.

As perspectivas para 2023-2024 são claras: caminhamos inevitavelmente para ultrapassar a meta de aquecimento global de 1.5°C do Acordo de Paris. Minimizar este excesso é fundamental se quisermos reduzir os riscos globais, e isso não pode ser alcançado sem uma eliminação rápida e gerida dos combustíveis fósseis.

10 novos insights em ciência climática 2023/2024

Todos os anos, a Future Earth, a Earth League e a WCRP convidam cientistas de renome de todo o mundo para rever as descobertas mais prementes na investigação relacionada com as alterações climáticas. Resumido em 10 insights concisos, o resultado sempre foi uma síntese rica e valiosa para a política e a sociedade em geral.


Resumo dos principais insights

  1. Ultrapassar os 1.5°C está a tornar-se rapidamente inevitável. Minimizar a magnitude e a duração do overshoot é essencial. Múltiplas linhas de evidência indicam que, devido à mitigação insuficiente dos gases com efeito de estufa (GEE), não existe qualquer caminho que evite o aquecimento global superior a 1.5°C durante pelo menos algumas décadas, exceto no caso de transformações verdadeiramente radicais. Minimizar a magnitude e a duração do período de ultrapassagem é fundamental para reduzir perdas e danos e o risco de alterações irreversíveis.
  2. É necessária uma eliminação rápida e gerida dos combustíveis fósseis para permanecer dentro da meta do Acordo de Paris. A rápida redução do orçamento de carbono significa que os governos e o sector privado devem parar de permitir novos projectos de combustíveis fósseis, acelerar a desactivação antecipada das infra-estruturas existentes e aumentar rapidamente o ritmo de implantação de energias renováveis. Os países de rendimento elevado devem liderar a transição e prestar apoio aos países de baixo rendimento. Todos os países devem prosseguir uma transição equitativa e justa, minimizando os impactos socioeconómicos nos segmentos mais vulneráveis ​​da população.
  3. Políticas robustas são essenciais para atingir a escala necessária para uma remoção eficaz de dióxido de carbono (CDR). Embora não seja um substituto para reduções rápidas e profundas de emissões, o CDR será necessário para lidar com emissões difíceis de eliminar e, eventualmente, para reduzir a temperatura global. A CDR atual baseia-se predominantemente na floresta, mas é necessária uma rápida aceleração e implantação em escala de outros métodos de CDR com remoção permanente de CO2, apoiada por uma governação mais forte e uma melhor monitorização.
  4. A dependência excessiva de sumidouros naturais de carbono é uma estratégia arriscada: a sua contribuição futura é incerta. Até agora, os sumidouros de carbono terrestres e oceânicos têm crescido em paralelo com o aumento das emissões de CO2, mas a investigação revela incerteza sobre a forma como responderão a alterações climáticas adicionais. Os sumidouros de carbono poderão absorver menos carbono no futuro do que se presume nas avaliações existentes. Portanto, os esforços de redução de emissões têm prioridade imediata, com soluções baseadas na natureza servindo para aumentar os sumidouros de carbono num papel complementar para compensar emissões difíceis de reduzir. 
  5. A governação conjunta é necessária para enfrentar as emergências interligadas em matéria de clima e biodiversidade. As convenções internacionais sobre alterações climáticas e biodiversidade (Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas e Convenção sobre Diversidade Biológica, respetivamente) devem encontrar um melhor alinhamento. Garantir que a atribuição de financiamento climático tenha salvaguardas positivas para a natureza e reforçar a colaboração concreta entre convenções são exemplos de ações-chave na direção certa.
  6. Os eventos compostos amplificam os riscos climáticos e aumentam a sua incerteza. “Eventos compostos” referem-se a uma combinação de múltiplos factores e/ou perigos (simultaneamente ou sequencialmente), e os seus impactos podem ser maiores do que a soma de eventos individuais. Identificar e preparar-se para eventos complexos específicos é crucial para uma gestão robusta dos riscos e para fornecer apoio em situações de emergência.
  7. A perda de geleiras nas montanhas está se acelerando. A deglaciação em resposta às alterações climáticas é ainda mais rápida nas zonas de alta montanha, incluindo o Himalaia Hindu Kush e as regiões polares. Isto ameaça as populações a jusante com escassez de água a longo prazo (incluindo aproximadamente 2 mil milhões para os Himalaias) e expõe os habitantes das montanhas a perigos acrescidos, como inundações repentinas.
  8. A imobilidade humana em áreas expostas aos riscos climáticos está a aumentar. As pessoas que enfrentam riscos climáticos podem não conseguir ou não querer deslocar-se, e os quadros institucionais existentes não têm em conta a imobilidade e são insuficientes para antecipar ou apoiar as necessidades destas populações.
  9. Novas ferramentas para operacionalizar a justiça permitem uma adaptação climática mais eficaz. A monitorização das diferentes dimensões da justiça e a sua incorporação como parte do planeamento estratégico e da avaliação da adaptação climática pode criar resiliência às alterações climáticas e diminuir o risco de má adaptação.
  10. A reforma dos sistemas alimentares pode contribuir para uma ação climática justa. Os sistemas alimentares têm um papel fundamental a desempenhar na ação climática, com opções de mitigação viáveis ​​que vão desde a produção até ao consumo. No entanto, as intervenções devem ser concebidas com e para a equidade e a justiça como resultados interligados, e a implementação de medidas de mitigação deve ser feita de forma inclusiva com diversas partes interessadas em múltiplas escalas.

Explore os 2023 novos insights completos sobre ciência climática de 2024-10 SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA. Os insights também estão disponíveis em francês SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.


Ative o JavaScript em seu navegador para preencher este formulário.

Mantenha-se atualizado com nossos boletins


Foto por Joel Vodel on Unsplash.

Ir para o conteúdo