Seja um voluntário

Um futuro para a pesquisa transdisciplinar?

Estamos gratos pelas excelentes e envolventes respostas e comentários recebidos. Gostaríamos de agradecer a todos aqueles que reservaram um tempo para ler, compartilhar opiniões e críticas. Este novo texto não é uma resposta; mais uma oportunidade para reformular alguns dos nossos pensamentos, considerando os comentários recebidos, e rearticular outros de forma mais clara.

As respostas recebidas confirmam a nossa mensagem inicial de que, para que a ciência contribua para as questões complexas e muitas vezes controversas do nosso mundo, nomeadamente aquelas associadas à Agenda 2030 da ONU, a investigação transdisciplinar precisa de uma mudança radical. Isto não visa minar a importância da descoberta e da investigação focada no modo 1, mas sim apontar a necessidade de integração de quadros de investigação adicionais. O relatório recente, Unleashing Science by the International Science Council, ISC, (2021) e o relatório subsequente da Comissão do ISC sobre Ciência Liderada por Missões para a Sustentabilidade (ISC, 2023) destacam a necessidade de aplicar abordagens transdisciplinares e a necessidade de o instituições de ciência a adoptarem novos modelos de financiamento e avaliação da investigação e dos investigadores, a fim de reduzir as barreiras estruturais à transdisciplinaridade. 

Um dos objetivos do nosso artigo foi esclarecer o que se entende por pesquisa transdisciplinar, visto que é um termo ainda frequentemente confundido com formas mais tradicionais de pesquisa interdisciplinar. Ao fazer isso, era importante discutir o que a ciência é e o que não é. A primeira parte do nosso artigo discute seus atributos e onde pode contribuir de forma única. Mas, como salientamos na segunda parte, a ciência tem os seus limites. É importante ressaltar que a ciência não evolui isolada de outras formas de sistemas de conhecimento. A ciência deve interagir com eles sem se comprometer. A terceira parte do nosso artigo argumenta que, embora o conceito de investigação transdisciplinar não seja novo, existem questões sistemáticas fundamentais e desincentivos que impedem os investigadores de o fazer. Existem em estruturas de financiamento, na criação de universidades, em silos disciplinares, currículos, etc.  

Apoiar cientistas que procuram investigação sobre DT 

Os comentários confirmam que existem de facto muitos académicos individuais (humanísticos, sociais e naturais) já envolvidos em investigação transdisciplinar, nomeadamente nos países do Sul Global. Achamos isso particularmente encorajador, embora estejamos nos perguntando por quê? É mais fácil ou mais tentador envolver-se na transdisciplinaridade no Sul Global porque as barreiras institucionais são menos firmes ou petrificadas do que no Norte Global; ou será que a urgência de algumas dessas questões exige simplesmente quadros de investigação novos e inovadores?  

Seja como for, o que lemos nos comentários e na literatura é que muitos cientistas individuais estão mais do que prontos, por vezes já experientes, para assumir o desafio da investigação transdisciplinar. Alguns deles podem utilizar outros termos como ciência da sustentabilidade, ciência cidadã, investigação participativa ou similares, mas essencialmente, tentam implementar os princípios da investigação transdisciplinar. Mas assim que isto for verificado, deve-se também notar como eles relatam os problemas e barreiras ao longo do caminho. 

Muitos cientistas transdisciplinares sentem-se limitados pelas fronteiras disciplinares e pelos “silos” que eles e os arranjos institucionais mantêm. Os acadêmicos são treinados em uma disciplina, ensinam nessa disciplina e seu avanço na carreira normalmente ocorre dentro dessa disciplina (Caplow 2017; Clark 1989; Stichweh 2003). As universidades e instituições de investigação raramente criam ou fornecem incentivos para se envolverem activamente com intervenientes não académicos e outras esferas do conhecimento. Os sindicatos e academias científicas reforçam frequentemente esta tendência.  

Na nossa opinião, as instituições de ensino superior e de investigação têm a responsabilidade de preparar o caminho para um compromisso mais positivo com atividades transdisciplinares dentro dos seus limites. Isto não deve apenas reflectir-se em estratégias abstractas, mas deve materializar-se em ofertas concretas de educação, intercâmbios interdisciplinares radicais, discussões em fóruns alargados e em apoio como financiamento e oportunidades de carreira.  

Avaliação e financiamento 

Isto leva-nos ao próximo ponto: Padrões inadequados de avaliação e estruturas de financiamento. Os cientistas adquirem capital simbólico na forma de publicações científicas revisadas por pares, citações e serviços em comitês acadêmicos de alto nível. Os actuais padrões de avaliação quantitativos (como na bibliometria) ou qualitativos (como na avaliação pelos pares) são ferramentas de avaliação insuficientes para a investigação transdisciplinar.  

Um desafio fundamental é a avaliação da investigação transdisciplinar e dos seus resultados. As barreiras são claras: a qualidade e o valor da investigação transdisciplinar dependem principalmente do processo de enquadramento da questão, do codesign e do envolvimento das partes interessadas. Estes componentes definem tanto o processo de investigação como a forma dos resultados; eles determinam se a pesquisa se tornará acionável ou não.  

A investigação transdisciplinar necessita de um esquema de financiamento diferente e gradual. Estabelecer parcerias com grupos sociais e indivíduos relevantes leva tempo (muitas vezes anos), e depois é necessário tempo para chegar a acordo sobre um enquadramento comum do problema a seguir e conceber um protocolo e um pedido de financiamento. Esta primeira fase é intensiva e difícil e tem um custo real. Não pode ser adequadamente avaliado por publicações. Sugerimos que os passos rumo ao co-design inclusivo com toda a gama de partes interessadas precisam ser avaliados primeiro. A próxima etapa inclui avaliações de como os parceiros de investigação produzem conhecimentos novos e relevantes, no devido reconhecimento da diversidade de sistemas de conhecimento potencialmente relevantes e da diversidade de valores. A etapa final é avaliar os resultados da pesquisa. Quem é o alvo e o alcance da investigação e que esquemas de governação são promovidos para melhorar a questão em questão? Quais são os objetivos de curto e longo prazo que podem ser alcançados através do projeto? As restrições éticas, políticas, legais e administrativas são devidamente consideradas? Os conflitos sociais baseados em valores são abordados de forma adequada? Todas essas considerações ampliam os padrões puramente acadêmicos comumente usados ​​atualmente. 

Sistemas de conhecimento para pesquisa de DT 

Uma das nossas principais preocupações no artigo é casar o respeito por todos os sistemas de conhecimento e valorizar as paisagens, sem comprometer os princípios que norteiam a ciência. Os nossos comentadores parecem concordar que os sistemas de conhecimento locais e indígenas são frequentemente ignorados pelos cientistas, mas também estão conscientes das dificuldades de combinar a ciência e outras formas de conhecimento na prática. A complexidade das questões em jogo exige a colaboração respeitosa de todos os parceiros. A virtude um tanto antiquada do diálogo científico aberto poderia abrir a porta para essa colaboração entre a academia e a sociedade civil. Mas nos nossos tempos de elevada especialização e de cenário de investigação competitivo, até os princípios básicos de um bom diálogo podem ser desafiantes! A formação científica e os interesses profissionais funcionam muitas vezes como barreiras. Todos nós somos propensos a preconceitos baseados em valores e todos agimos com alguns interesses como impulsionadores. Não podemos evitar totalmente esse preconceito, mas podemos tentar colocar-nos no lugar de outros com uma perspectiva diferente e, então, possivelmente modificar os nossos preconceitos. Envolver-se em pesquisas transdisciplinares significa fazer deste esforço um ponto central e uma base para o trabalho colaborativo 

Princípios orientadores na pesquisa de DT 

Além disso, a investigação transdisciplinar enfrenta desafios éticos maiores do que os normalmente incluídos nas directrizes éticas para a ciência. O passo ético significativo é passar de sujeitos humanos como objectos de investigação para torná-los parceiros iguais. Formas simples de consentimento informado simplesmente não são suficientes. Outras questões estão em discussão, sobre quem lidera o projecto, quem é o proprietário dos seus resultados, quem é o proprietário dos dados gerados, quem tem uma palavra a dizer sobre os canais de comunicação para o público em geral, como serão partilhados os benefícios e como serão os conflitos que surgirão no decorrer da pesquisa será resolvido? A ética da pesquisa transdisciplinar não é atendida com caixas de seleção em um questionário; precisa ser um recurso recorrente integrado à estrutura do projeto. Por exemplo, a reciprocidade, a equidade, a diversidade ou a aprendizagem partilhada podem ter de ser explicitamente adotadas como princípios orientadores (Reed et al 2023; Horcea-Milcu et al 2019). 

Reforma para o futuro da investigação em DT 

Estas são questões fundamentais. Sem mudanças institucionais a vários níveis, a promessa de abordagens transdisciplinares permanecerá à margem do empreendimento de investigação. Perguntamos inicialmente se há futuro para a pesquisa transdisciplinar. Nós e os comentadores identificamos obstáculos institucionais e barreiras ideológicas significativos. Mas também indicamos que existem soluções possíveis se fizermos um esforço. No entanto, a necessidade de acelerar a produção e a adoção de conhecimentos acionáveis ​​é crítica.  

E aqui está o ponto crucial: não existe solução rápida! Mas os sistemas científicos mudaram ao longo do tempo e agora é o momento de uma maior evolução, à medida que enfrentamos múltiplos desafios em escalas que vão do local ao global. Estas são demasiado importantes para que deixemos esta arena para o discurso às vozes da irracionalidade, da pós-verdade ou da retórica barata. Preocupamo-nos que as instituições científicas não estejam no caminho certo para assumir plenamente esse papel.  

O sistema da ciência pode mudar e adaptar-se às nossas atuais necessidades sociais e globais, mesmo que pareçam desanimadoramente complexas e “perversas”. O nosso argumento é que esta mudança para uma prática transdisciplinar mais ampla precisa de ocorrer se quisermos que o nosso conhecimento seja utilizado para mudanças e políticas. A ciência é uma prática demasiado importante para ser marginalizada pelas suas próprias barreiras. 

Referências

  • Caplow, T. (2017). O mercado acadêmico. Routledge. 
  • Clark, BR (1989). A vida acadêmica: mundos pequenos, mundos diferentes. Pesquisador Educacional, 18(5), 4-8. 
  • Horcea-Milcu, AI et al 2019. Valores na ciência da sustentabilidade transformacional: quatro perspectivas para a mudança. Ciência da Sustentabilidade. 14: 1425-1437. 
  • Conselho Científico Internacional (2021). Liberando a Ciência: Entregando Missões para a Sustentabilidade, Paris, França. Conselho Internacional de Ciência. DOI: 10.24948/2021.04. 
  • Conselho Científico Internacional (2023) Invertendo o Modelo Científico: um roteiro para missões científicas para a sustentabilidade. https://council.science/wp-content/uploads/2020/06/Flipping-the-Science-Model.pdf 
  • Reed, MG et al 2023. Princípios orientadores para pesquisa e prática transdisciplinar de sustentabilidade. Pessoas e Natureza, 00: 1-16. 
  • Stichweh, R. (1992). A sociologia das disciplinas científicas: Sobre a génese e a estabilidade da estrutura disciplinar da ciência moderna. Ciência em contexto, 5(1), 3-15 
  • Stichweh, R. (2003). Diferenciação de disciplinas científicas: causas e consequências. 
Ir para o conteúdo