Seja um voluntário

Um ano promissor pela frente para a publicação científica

2023 emergiu como um ano marcante para a publicação científica, caracterizado por apelos generalizados à reforma por parte de investigadores, editores de revistas, agências de financiamento, entidades governamentais e não governamentais. Ao reflectirmos sobre o ano, há mais vozes na comunidade académica a falar da necessidade de mudança nos sistemas existentes de publicação e avaliação de investigação.

Se você perdeu nosso resumo mensal de ciência aberta boletins, esta postagem do blog resume os principais eventos e iniciativas que definiram 2023 como um ano marcante para a ciência aberta e publicação científicae oferece insights sobre as principais tendências a seguir em 2024.

Críticas e Demissões

Pesquisadores e acadêmicos de todo o mundo têm compartilhado preocupações sobre a natureza restritiva e comercialmente orientada das práticas de publicação, levando a uma série de demissões pelos editores de periódicos em resposta a esses desafios. Em abril, o conselho editorial de 40 membros da NeuroImage renunciou para protestar contra as altas taxas de processamento de artigos. O conselho editorial fundou uma nova revista de acesso aberto, Neurociência de Imagem,  parceria com a MIT Press. A nova revista pretende ter uma taxa de processamento de artigos (APC) mais baixa e oferecerá publicação gratuita para autores de países de baixa ou média renda. 

Em maio, a maioria dos membros do conselho editorial da revista Saúde Pública Crítica de Taylor e Francisco desistir, protestando contra a imposição de uma APC de £ 2700 por artigo (US$ 3,400). Assim como o conselho anterior de NeuroImagem, este grupo também lançou um novo jornal, o Revista de Saúde Pública Crítica (JCPH), publicado pela Universidade de Calgary, no Canadá, e administrado pela entidade sem fins lucrativos Critical Public Health Network, com sede no Reino Unido. NeuroImage e Saúde Pública Crítica não são incidentes isolados – outras demissões ocorreram em periódicos administrados por editoras comerciais que cobravam APCs elevados.  

As APC elevadas representam uma barreira significativa à publicação equitativa e inclusiva, mas não são o único desafio para a publicação diversificada. A discriminação de género continua a ser uma questão persistente, destacando a necessidade de um ambiente académico mais inclusivo e mais justo. Jillian Goldfarb, professora associada de engenharia química na Universidade Cornell, renunciou ao cargo de coeditora-chefe da revista Elsevier, Combustível, citando a priorização dos lucros em detrimento da qualidade, o tratamento de questões éticas e o preconceito de gênero da Elsevier. Ela expressou sua decepção com a Elsevier em uma Postagem no LinkedIne anunciou seu compromisso em promover uma comunidade STEM inclusiva.  

Estas demissões serviram como uma declaração poderosa contra o status quo, destacando questões como taxas elevadas, falta de acesso aberto, questões de equidade e utilização de revistas como medidas substitutas da qualidade da ciência.

O crescente desafio da integridade na publicação acadêmica

2023 foi um ano desafiador para a publicação acadêmica, com foco significativo em questões de integridade, destacadas por casos de exclusão de periódicos, escândalos em fábricas de papel e um aumento notável nas retratações.

Alguns 50 periódicos foram removidos pelo banco de dados e site de indexação Web of Science por não atender aos padrões de qualidade. O resultado fará com que os periódicos excluídos percam seu Fator de impacto, uma métrica geralmente considerada uma marca registrada da qualidade da pesquisa científica.

Hindawi, uma editora de acesso aberto adquirida pela Wiley em 2021, teve 19 de seus periódicos retirados da lista como parte desse processo, incluindo títulos “predatórios” com histórico de The International Journal of Environmental Research and Public Health (JERPH), um assim- chamado megajornal de editora de acesso aberto MDPI, foi “um exemplo de periódico devido a questões relacionadas à qualidade.

JERPH teve um fator de impacto 4.6 e publicou 9,500 artigos em 2020 e 17,000 artigos em 2022. A exclusão não se limita a editoras de acesso aberto, mas inclui também editoras mais estabelecidas, com vários títulos de periódicos Elsevier e Springer Nature. O ano também testemunhou um número significativo de retratações, ultrapassando 10,000 mil artigos, em parte influenciados pela Incidente Hindawi. Isso marca uma tendência notável na comunidade acadêmica.

Avançando o modelo 'No Pay': A discussão em torno de periódicos de acesso aberto “diamantes”

Em maio de 2023, o Conselho de Ministros da União Europeia adotou um conjunto de recomendações destacando o seu apoio ao acesso aberto universal à publicação científica como padrão padrão e a necessidade de um modelo de publicação “sem remuneração”. Em outubro de 2023, a coAlition S, um consórcio de agências de financiamento, anunciaram seu próximo grande empurrão para Publicação de acesso aberto “liderada por acadêmicos” e “baseada na comunidade” no âmbito da iniciativa Plano S. Apelaram também a reformas no processo, adoptando a revisão aberta pelos pares, tornando todas as versões do registo publicamente acessíveis e garantindo que nem os autores nem os leitores incorram em quaisquer custos.

O alemão Ministério Federal de Educação e Pesquisa (BMBF) financiou um projeto, “Pensamento Diamante”, visando simplificar a publicação científica e melhorar o acesso à pesquisa. Esta iniciativa, que decorre de setembro de 2023 a agosto de 2025, centra-se no estabelecimento de revistas científicas de alta qualidade no Instituto de Tecnologia de Karlsruhe (KIT). A Deutsche Forschungsgemeinschaft (DFG) recentemente, em 11 de janeiro de 2024, lançou uma iniciativa melhorar e consolidar o cenário do Diamond Open Access na Alemanha, convidando propostas para estabelecer um Centro de Serviços que possa atender às necessidades dessas revistas.

O Cúpula Global sobre Acesso Aberto a Diamantes aconteceu entre 23 e 27 de outubro de 2023, no México com o objetivo de unir a comunidade Diamond Open Access. Este evento foi organizado por Redalyc, UAEMéx, AmeliCA, UNESCO, CLACSO, UÓR, ANR, coAlition S, OPERAS e Science Europe, e forneceu uma plataforma para editores de periódicos, organizações, especialistas e outras partes interessadas relevantes de todo o mundo colaborarem e se envolver em conversas significativas para promover Acesso Aberto Diamante.

Abraçando a abertura: afastando-se dos bancos de dados bibliométricos comerciais

O ecossistema de investigação académica observou outra transição significativa em 2023, com algumas instituições e organizações de investigação a afastarem-se de bases de dados comerciais tradicionais como Scopus e Web of Science. Esta mudança está a ser alimentada principalmente por uma aspiração colectiva de abraçar bases de dados abertamente acessíveis, juntamente com uma preocupação de que as bases de dados comerciais não garantem necessariamente qualidade.

Um exemplo notável desta tendência é Universidade Sorbonne, França, que encerrou a assinatura da base de dados Web of Science e das ferramentas bibliométricas da Clarivate. Outro desenvolvimento crucial vem do Centro de Estudos de Ciência e Tecnologia (CWTS) na Universidade de Leiden, Holanda, conhecida por seus rankings universitários baseados em dados bibliométricos. A CWTS pretende lançar um sistema de classificação de código aberto que utilizará dados do Banco de dados OpenAlex.


O Conselho Científico Internacional defendendo reformas na publicação científica

O Conselho Científico Internacional (ISC), com a participação global de mais de 245 sindicatos, associações e academias científicas, dedica-se a abordar questões críticas que afetam tanto a ciência como a sociedade.

Em resposta às crescentes preocupações sobre o cenário da publicação científica, o ISC embarcou em um projeto para redefinir os padrões deste aspecto crítico do sistema científico em 2021 e desenvolveu oito princípios fundamentais que a publicação científica deve aderir. Cada um destes princípios, ratificados na Assembleia Geral do ISC em 2021, procura enfrentar os desafios do sistema de publicação existente e aproveitar o potencial da era digital. Abrangem várias dimensões da publicação científica, incluindo: acesso aberto universal, licenças abertas, partilha de dados, promoção da equidade, inclusão e diversidade, revisão por pares rigorosa e aberta, inovação na publicação, bem como tornar o registo da ciência aberto às gerações futuras, onde a investigação científica comunidade governa o sistema de disseminação do conhecimento.

Com o objetivo de orientar o debate sobre a necessidade de redefinir o sistema de publicação, o ISC publicou um documento de discussão em 2023, “O caso das reformas na publicação científica” refletindo sobre as prioridades da reforma. Este artigo destaca a necessidade de abordar a cultura “Publicar ou Perecer” que surgiu devido à pressão de “publicar a todo custo”. Como resultado, a comunidade científica enfrenta atualmente o desafio de gerir um elevado volume de artigos publicados, alguns dos quais podem ter impacto limitado. Esta cultura pode, por vezes, contribuir inadvertidamente para questões como o plágio e a falsificação de resultados, impulsionadas pelas pressões associadas à publicação para progressão na carreira.

O Caso para a Reforma do Relatório de Publicação Científica

O caso da reforma da publicação científica

Este documento de discussão foi desenvolvido pelo Conselho Científico Internacional como parte do projeto Futuro da Publicação do Conselho e é um complemento do documento “Princípios Chave para Publicação Científica”.

Revise nossa proposta

Há também uma necessidade premente de garantir que o processo de revisão pelos pares, que é a espinha dorsal da publicação científica, se baseie numa cultura de eficiência, transparência, inovação e justiça para com os colaboradores. A dependência excessiva de métricas como o Fator de Impacto do Jornal (JFI) e a contagem de citações não consegue capturar totalmente o impacto multifacetado de qualquer pesquisa, resultando em uma necessidade urgente de reavaliar o processo de avaliação da pesquisa. A revolução digital oferece oportunidades para transformar a publicação científica, mas muito do seu potencial permanece por concretizar. Além disso, a sub-representação dos académicos do Sul Global no processo científico precisa de ser abordada, conforme observado durante crises globais como a pandemia da COVID-19.

A iniciativa do ISC para reformar a publicação científica não visa, portanto, apenas mudar a forma como partilhamos conhecimento; trata-se de redefinir o valor da ciência na sociedade. É um apelo para abraçarmos a ciência aberta como um meio de garantir que a publicação científica sirva de ponte, e não de barreira, na nossa busca colectiva pelo conhecimento.


2024: Quatro tendências para publicação científica

  1. Dando continuidade ao impulso de 2023, prevê-se um aumento nos esforços no sentido do acesso aberto à literatura científica e aos dados de investigação em 2024. A ênfase será possivelmente no desenvolvimento de modelos financeiros sustentáveis ​​para o acesso aberto, a fim de proporcionar uma participação mais equitativa aos investigadores do Sul Global. .
  2. Espera-se que mais países e agências de financiamento adoptem a ciência aberta como posição padrão para promover maior transparência e reprodutibilidade na investigação, promovendo um ambiente onde a partilha de dados se torne a norma e não a excepção.
  3. É provável que surja uma discussão mais madura sobre a avaliação do impacto da pesquisa além das métricas de citação tradicionais. Prevemos uma tendência crescente para a adoção de bases de dados de acesso aberto como Lens e OpenAlex, que podem complementar ou oferecer alternativas às bases comerciais como Scopus e Web of Science.
  4. Uma área chave de curiosidade e potencial em 2024 gira em torno do papel da inteligência artificial na publicação científica. As possibilidades são vastas e variadas, desde a simplificação dos processos de revisão por pares até ao aumento da descoberta da investigação.

O ISC espera fazer parte da conversa sobre o futuro da publicação científica que responde a um sistema que poderia ser mais aberto, transparente e equitativo, pronto para abraçar a inovação necessária para enfrentar os desafios globais de hoje.


Participe da conversa: os comentários serão encerrados em 1º de março de 2024

Os membros do ISC e a comunidade em geral são convidados a fornecer respostas institucionais ao projeto do ISC sobre o Futuro da Publicação Científica. Geoffrey Boulton, membro do Conselho de Administração e presidente do projeto apresentou recentemente um novo documento de discussão, O caso para a reforma da publicação científica, junto com os Oito Princípios de Publicação do ISC que foram endossados ​​na Assembleia Geral do ISC em 2021.

Para contribuir, preencha o breve questionário: https://council.science/publications/reform-of-scientific-publishing/


Ative o JavaScript em seu navegador para preencher este formulário.

Mantenha-se atualizado com nossos boletins


Imagens por U.Lucas Dubé-Cantin on Pexels.


Aviso Legal
As informações, opiniões e recomendações apresentadas neste artigo são de responsabilidade do(s) colaborador(es) individual(is) e não refletem necessariamente os valores e crenças do Conselho Científico Internacional.

Ir para o conteúdo