Seja um voluntário

The World Pandemic Research Network - Abordando o impacto social e humano da pandemia COVID-19

O WPRN é um novo recurso para compartilhar e avançar o conhecimento sobre os impactos sociais e humanos do COVID-19. Soubemos mais de dois coordenadores da rede.

Entrevista com Saadi Lahlou, Diretor do Instituto de Estudos Avançados de Paris, e Olivier Bouin, Diretor da Fundação RFIEA, coordenadores principais da WPRN - a Rede Mundial de Pesquisa Pandêmica.

O que é a Rede Mundial de Pesquisa Pandêmica (WPRN)?

WPRN é um depósito editado que lista projetos de pesquisa e recursos que abordam o impacto social e humano da pandemia COVID-19. O WPRN é transdisciplinar, mas se dirige principalmente às ciências humanas e sociais, que estão na linha de frente em ajudar nossas sociedades a enfrentar o impacto socioeconômico da crise e a preparar “o mundo depois”.

Como surgiu a rede?

No início de março de 2020, alguns dias antes dos primeiros confinamentos nacionais, Xiaobo Zhang, professor de Economia na Universidade de Pequim e membro do EURICS, o Instituto Europeu de Pesquisa em Estudos Chineses incubado no Instituto de Estudos Avançados de Paris, deu uma conferência sobre os desafios que as empresas chinesas enfrentaram desde o início da pandemia e que enfrentariam em seu rescaldo, com base em uma pesquisa com 2,500 empresas conduzida nas semanas anteriores.

O benefício dessa troca de experiências era óbvio para antecipar e administrar a crise. No dia seguinte, organizamos uma reunião entre Zhang e a administração da cidade de Paris para que a cidade pudesse tirar lições da gestão chinesa e transferir as principais conclusões. Fizemos o mesmo com os assessores do presidente francês. Traduzimos o questionário de Zhang para o francês e o inglês para torná-lo disponível para estudos semelhantes em outras partes do mundo. Nossa ideia era ajudar a divulgar pesquisas pioneiras e estimular boas práticas colaborativas.

Ficou claro para nós como a pandemia revelou brutalmente até que ponto nosso destino se tornou globalizado e como uma resposta global se tornou essencial. Como poderíamos compartilhar experiências e recursos, como aprender a antecipar aproveitando o que está sendo feito em outras partes do planeta? Tivemos que agir rapidamente para nos preparar para o tsunami social e econômico que se seguiria à crise de saúde. A pesquisa e o feedback teriam que ser compartilhados, e o nacionalismo institucional e as fronteiras disciplinares teriam que ser superadas para que se pudesse fazer pleno uso da ciência aberta e da inteligência coletiva.

E isso teve que começar sabendo quem faz o quê, onde. Mas não existia tal instrumento para fazer isso. A ideia do WPRN nasceu. Havia uma necessidade urgente de criar um “repositório em tempo real” de projetos de pesquisa e recursos de pesquisa sobre a crise que seguiriam o COVID-19 em nível internacional. Havia necessidade de uma ferramenta simples de usar e que permitisse uma colaboração rápida. Em suma, impulsionados pela urgência da crise, construímos a ferramenta que preenche uma lacuna no atual ecossistema de pesquisa das ciências sociais e humanas, para permitir uma reação rápida, inteligência coletiva e colaboração.

Por que os pesquisadores individuais deveriam se inscrever?

O WPRN se destaca das demais iniciativas pela robustez de sua infraestrutura em nuvem e por mobilizar uma rede internacional e interdisciplinar de “referentes” que ordenam os projetos, proporcionando uma produção científica “editada” de primeira linha. Além disso, as instituições parceiras logo poderão destinar projetos que avaliaram e financiaram com o “brasão” de sua autoridade cognitiva. Um mecanismo de busca como o Google (ao contrário do WPRN) não possui uma indexação estruturada nem um sistema para separar o joio do trigo. Como exemplo, a maioria dos projetos parece ter palavras-chave semelhantes (coronavírus etc.) e, portanto, as solicitações de pesquisa com mecanismos de pesquisa padrão produzem uma avalanche de conteúdo, que é de qualidade e utilidade mescladas. Bancos de dados de publicações têm boa indexação e estrutura, e os documentos são editados, mas as publicações saem pelo menos vários meses (em muitos casos, anos) após a pesquisa, portanto, são de pouca ajuda para construir colaborações com colegas que estão trabalhando no tópico agora. No WPRN, todo projeto tem um botão de “contato” que conecta os líderes do projeto, o que torna o contato muito fácil.

A reatividade é crucial: o rápido estabelecimento de colaborações internacionais entre laboratórios de diferentes culturas e naturezas exige saber quem está pronto para colaborar e quem tem a competência necessária agora.

O WPRN possibilita tudo isso: compartilhamento de dados, questionários, hipóteses em tempo real, tudo ao mesmo tempo em que mantém o sistema de rastreamento e responsabilização da propriedade intelectual (autoria). Ele cria as condições para acelerar a “boa” pesquisa e o surgimento de novos formatos de pesquisa colaborativa. 

Também fornecerá conteúdo direcionado a outros públicos, como formuladores de políticas?

Até agora, mais de 400 projetos e iniciativas estão registrados no banco de dados wprn.org. Esse número está crescendo a cada dia. O WPRN não apenas dá uma visão às comunidades de pesquisa sobre o que está acontecendo e sendo feito no mundo; é também uma ótima ferramenta para tomadores de decisão, jornalistas e muitos outros atores da sociedade civil que precisam ter uma visão atualizada, internacional e prospectiva dos problemas sociais e econômicos relacionados à crise. Funcionários eleitos e grandes administrações, por exemplo, podem usar o WPRN para construir políticas inovadoras, inspirando-se no que está sendo feito em outros lugares.

Precisamos fazer mais para aumentar a conscientização sobre os desdobramentos dos impactos sociais, humanos e econômicos da COVID (além dos impactos na saúde) entre o público em geral e na imprensa?

Lembra de Fukushima? Houve um terremoto, depois um tsunami e suas consequências. Temos o equivalente aqui: a crise da saúde se desdobrará em uma segunda crise, econômica, que por sua vez terá consequências sociais significativas. Muitos dos quais são terríveis, pois aprofundam as desigualdades sociais existentes, mas também podem incluir maior conscientização, melhor resiliência e mudanças positivas. Existem questões ocultas imediatas, por exemplo, todas as disputas comerciais que se desdobram sobre contratos quebrados, seguros, rupturas nas cadeias de abastecimento; dentro das famílias, divórcios e as consequências de abusos ou outros traumas, que podem obstruir tribunais e serviços de aconselhamento. Haverá também um grande impulso ao uso da tecnologia digital (automação, gerenciamento remoto, educação online, videoconferência etc.). Isso traz o perigo de nossa dependência acumulada da Internet e das redes em geral, que na verdade poderia ser um recurso importante interrompido no caso de uma catástrofe climática ou ataque cibernético.

Quais são os planos futuros para a rede?

Em certo sentido, a pandemia nos oferece a oportunidade de estender a mão e mostrar que, neste jogo global, inovação, abertura e cooperação compensam, e muito mais rápido do que o nacionalismo institucional predominante e protetor. Na verdade, esta é uma lição que, em outras áreas, até mesmo os industriais que operam em um ambiente altamente competitivo compreenderam - veja as noções de inovação horizontal, ciência aberta, pesquisa pré-competitiva. Estamos agora expandindo a plataforma WPRN para adaptá-la a serviço de outras questões urgentes como as mudanças climáticas, que estão na origem das próximas - infelizmente, inevitáveis ​​- crises. Se pudéssemos antecipar um pouco mais neste caso a construção da cooperação intersetorial global e implantar inteligência coletiva antes durante a crise, e não durante ela, seria um grande progresso.

O trabalho em rede e o compartilhamento de informações e recursos são os vetores reais para superar a epidemia, mas também em muitas outras questões globais. Estamos trabalhando para isso. Apelamos a todas as pessoas de boa vontade, que compreenderam que desta vez não podemos esperar, que se juntem a nós. O registro de um projeto no WPRN leva cinco minutos, e esta ação simples contribui para construir os bens comuns globais de que precisamos para o avanço científico nos Estados Unidos.st século.


Foto por José Martín Ramírez C on Unsplash

Ir para o conteúdo