Seja um voluntário

Biodiversidade como seguro: alinhando pacotes de estímulo econômico com objetivos de conservação da natureza de longo prazo. A Corona Sustainability Compass blog por Jasper Meya

A pandemia de corona nos lembra o quão vulneráveis ​​as sociedades modernas se tornaram através do tratamento da natureza. Ao mesmo tempo, muitas pessoas experimentaram a natureza como fonte de recreação durante o bloqueio.

Este blog é da Bússola de Sustentabilidade Corona iniciativa.

A Dia Internacional da Diversidade Biológica, comemorado em maio, nos lembra que 2020 é um marco crucial para a conservação da biodiversidade global. Para aproveitar esta oportunidade, os programas de recuperação econômica devem levar sistematicamente em consideração o valor da biodiversidade e iniciar um caminho de desenvolvimento compatível com a natureza.

O esvaziamento do mundo feito pelo homem

A humanidade está esvaziando o mundo natural. 25% de todas as espécies animais e vegetais estão ameaçadas de extinção (IPBES 2019). 75% das áreas úmidas globais já foram perdidas (IPBES 2019). Globalmente, os insetos em terra diminuíram 24% nos últimos 30 anos.Van Klink 2020). Na Alemanha, espécies de aves outrora difundidas na paisagem agrícola, como o abibe, diminuíram quase 90% nos últimos 24 anos (Gerlach ai. 2019).

O super ano da biodiversidade

2020 é um ano político decisivo para saber se a humanidade vai dobrar a curva da biodiversidade. No outono, os chefes de Estado e de governo em Kunmings, na China, quiseram estabelecer novas metas globais de biodiversidade para 2030, que devem preparar o terreno para atender à visão declarada da Convenção sobre Diversidade Biológica de viver em harmonia com a natureza em 2050 (CBD 2020). A Comissão da UE anunciou uma nova estratégia de biodiversidade da UE como um componente central do Green Deal.

No entanto, no passado, a conservação da natureza não careceu de bons objetivos políticos, mas sim de sua efetiva implementação e, em particular, dos recursos financeiros necessários. Apesar das ambiciosas metas globais de conservação da natureza para 2020 (as chamadas Alvos de Aichi), o estado geral da biodiversidade global continuou a se deteriorar. Na Alemanha e na UE, a conservação da natureza é “descaradamente subfinanciada” (SRU 2017). A mudança estrutural e transformadora de longo alcance necessária para reverter a tendência de declínio da biodiversidade (IPBES 2019) exige enormes gastos públicos. Assim, a minuta de ordem zero para metas globais de biodiversidade após 2020 lembra os estados a fornecer recursos financeiros adequados para implementação (CBD 2020).

A conservação da biodiversidade como um seguro

A mudança acelerada da biodiversidade é um risco econômico. Com a degradação dos ecossistemas, a grande maioria das contribuições da natureza para o bem-estar humano estão diminuindo (IPBES 2019). Embora o valor dos bens do mercado único, como os produtos agrícolas e florestais, tenha aumentado desde 1970, os bens públicos, como a qualidade do solo e a diversidade de insetos polinizadores, diminuíram. No Fórum Econômico Mundial 2020 em Davos, os participantes identificaram a perda da biodiversidade e a degradação dos ecossistemas como um dos cinco maiores riscos para a economia global na próxima década (WEF 2020).

A exploração massiva da natureza não é sustentável nem economicamente eficiente. Os ecossistemas representam ativos ('capital natural') que, dependendo de sua condição, contribuem para o bem-estar humano. Como resultado do crescimento econômico global, o capital natural em relação ao capital produzido tornou-se cada vez mais escasso nas últimas décadas. Muitos bens e serviços da natureza estão sendo consumidos mais rapidamente do que os ecossistemas se regeneram. Um novo relatório provisório encomendado pelo governo do Reino Unido mostra que a taxa de regeneração (ou equivalentemente: a própria taxa de retorno) do capital natural é maior do que a taxa de retorno do capital produzido (Revisão Dasgupta 2020). Do ponto de vista econômico, a acumulação contínua de capital produzido à custa do capital natural – impulsionado por mercados incompletos e lucros privados – marca uma forte má gestão social dos estoques de capital (Revisão Dasgupta 2020). Em outras palavras, investir em capital natural pela conservação da natureza é atualmente dinheiro bem gasto.

A biodiversidade contribui para a estabilidade dos ecossistemas e, assim, garante o fornecimento de bens e serviços a partir do capital natural. Gastar dinheiro na conservação da biodiversidade é, portanto, uma contribuição para um seguro natural (cf. Augeraud-Véron et ai. 2019;  Quaas et ai. 2019). As dramáticas consequências econômicas da pandemia de corona indicam o quanto a conservação da natureza pode valer a pena como prevenção de crises. O risco de transmissão de vírus de animais silvestres para humanos tende a aumentar à medida que a humanidade interfere na natureza, perturba o equilíbrio dos ecossistemas e faz com que vários indivíduos de uma espécie vivam em um espaço confinado.UMB 2020IPBES 2020). No contexto das mudanças climáticas, a biodiversidade dos ecossistemas se tornará ainda mais importante para sua estabilidade e desempenho.

Mudança transformadora e reforma fiscal

Os pacotes de estímulo econômico discutidos nos dias de hoje podem fornecer um trampolim para restaurar ecossistemas e biodiversidade, implementar a legislação de conservação da natureza existente e adaptar ecossistemas gerenciados às mudanças climáticas. A eficiência econômica requer considerar sistematicamente o valor que a biodiversidade tem para a sociedade e a economia ao tomar decisões de investimento público em outros setores (como o Aichi Ziele já exigem). Para atingir as metas globais de biodiversidade para 2030, será crucial vincular os investimentos de longo prazo de hoje aos critérios de conservação da natureza.

A alta adesão ao crédito público será seguida por um novo debate sobre impostos e gastos públicos. Isso poderia abrir uma janela de oportunidade para as reformas fiscais internalizarem sistematicamente os valores da biodiversidade na tomada de decisões privadas, precificando comportamentos prejudiciais à biodiversidade e recompensando financeiramente o fornecimento de bens públicos relacionados à biodiversidade. As pedras angulares de tal reforma fiscal da biodiversidade poderiam ser: (i) A precificação de pesticidas e fertilizantes químicos; (ii) Um esquema ecológico de transferências financeiras entre jurisdições; e (iii) A alocação de dinheiro público em setores relevantes para a conservação da natureza, como a política florestal e agrícola, exclusivamente para serviços públicos (ecossistêmicos).


Dr. é economista ambiental e trabalha como pesquisador sênior no Grupo de Economia da Biodiversidade, Centro Alemão de Pesquisa Integrativa em Biodiversidade (iDiv) e no Departamento de Economia da Universidade de Leipzig. Em sua pesquisa, ele estuda como explicar as desigualdades econômicas na formulação de políticas ambientais ou como medir o valor econômico da biodiversidade e do capital natural. Ele atua como autor colaborador da Plataforma Intergovernamental de Políticas Científicas sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES).


Foto por Ana Martinuzzi on Unsplash

Ir para o conteúdo