Seja um voluntário

Contextualizando a ciência aberta

Sujatha Raman compartilha insights e ideias de sua recente palestra na OCDE 2024 sobre como tornar a ciência aberta uma realidade para o benefício da sociedade.

A ciência aberta está rapidamente a tornar-se parte do léxico multilateral. O Recomendação da UNESCO sobre Ciência Aberta salienta a importância de abrir a ciência à sociedade, se quisermos ter a oportunidade de enfrentar desafios globais complexos e alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

Contudo, a Recomendação apela a muito mais do que a abertura dos dados e resultados da investigação à comunidade em geral. Espera-se que a abertura seja bidirecional, com as comunidades científicas abertas a diferentes formas de conhecimento e contribuições da sociedade para a produção de ciência.  

Uma questão crítica para esta nova era nas relações ciência-sociedade é a visão da ciência que trazemos para estes diálogos. Paradoxalmente, para olharmos para fora e ouvirmos outras vozes, a ciência aberta exige que olhemos para dentro e reflitamos sobre como entendemos e falamos sobre a própria ciência.  

Por exemplo, muitas partes interessadas manifestam preocupações sobre  um declínio da confiança do público na ciência e nas soluções tecnológicas baseadas na ciência aos desafios globais. A reconstrução da confiança é normalmente vista como uma questão de gestão de informação, onde os especialistas trabalham para comunicar mensagens simplificadas que captem ostensivamente o consenso científico.

Eu contribuí para um artigo recente liderado pelo Center for Science Futures do ISC em que nos baseamos em pesquisas sobre ciência, confiança pública e desinformação para mostrar por que esta estratégia é equivocada.

O Déficit de Contextualização: Reestruturando a Confiança na Ciência para a Política Multilateral

O Déficit de Contextualização: Reestruturando a Confiança na Ciência para a Política Multilateral

DOI: 10.24948 / 2023.10
'O Déficit de Contextualização: Reestruturando a Confiança na Ciência para
Política Multilateral'. O Centro para o Futuro da Ciência, Paris. 2023

Download do relatório

A pandemia da COVID-19 demonstrou sem sombra de dúvida que é possível que os cientistas discordem por boas razões, isto é, com bons fundamentos científicos.

Tendemos a ver o desacordo científico através das lentes dos debates científicos sobre o clima, onde pelo menos algumas das controvérsias mais públicas podem ser atribuídas ao preconceito e ao interesse próprio. Estamos familiarizados com controvérsias fabricadas em que intervenientes poderosos não gostam da mensagem que vem da ciência e por isso trabalham estrategicamente para a minar. Certamente precisamos estar atentos a esse padrão, mas antes de dividirmos rapidamente as vozes científicas entre certas e erradas, façamos uma pausa.

Em tantas questões-chave – a Covid-19 é transmitida pelo ar, devemos usar coberturas faciais, em que base deveríamos entrar, ou, de facto, sair do confinamento, ou que vacina deveria ser prescrita para que grupos etários – estávamos altamente empenhados cientistas com anos de experiência chegam a conclusões diferentes sobre qual era a coisa certa a fazer, tanto dentro dos países como internacionalmente. Estes debates muitas vezes abertos e apaixonados tipificaram o que Dan Sarewitz chamou de excesso de objetividade.

Olhar para dentro no espírito da ciência aberta pode ajudar a avançar na compreensão de que o desacordo científico não é uma anomalia. Na verdade, em desafios sociais e globais complexos, onde os riscos são elevados, é mais provável que a ciência seja pós-normal. O que significa que é menos receptivo a formas altamente simplificadas de mensagens sobre o que a ciência diz.

Em vez disso, temos de encontrar formas de negociar diferentes perspectivas científicas e encontrar outras pessoas a meio caminho de boa fé. Em outras palavras, não existe uma resposta científica perfeita para os desafios que enfrentamos. Em vez disso, existe um bom julgamento – ou o que chamamos 'verdades úteis', seguindo Sheila Jasanoff – e o trabalho necessário para chegar lá.

Armados com uma visão mais razoável e fundamentada da ciência, deveríamos estar em melhor posição para nos prepararmos para um envolvimento aberto com os públicos e a sociedade civil.

Primeiro, como descrevemos no nosso artigo, os públicos não são apenas recipientes vazios que devem ser preenchidos com ciência. Dependendo de onde se olha, alguns públicos podem ser altamente organizados, com o seu próprio conhecimento especializado de questões relacionadas, por exemplo, com a biotecnologia agrícola ou com a forma como deveríamos responder às alterações climáticas. Podem rejeitar inovações de alta tecnologia porque acreditam que existem melhores formas de abordar a segurança alimentar ou a saúde planetária. Isto também faz parte da condição pós-normal da ciência aberta.

Noutros contextos, as questões que interessam ao público podem por vezes ter pouco a ver com a ciência. Os antropólogos que estudaram a resistência às vacinas demonstraram que, muitas vezes, a resistência é mediada pela experiência que as pessoas têm do seu sistema de saúde, das instituições políticas ou de quem consideram ser um especialista de confiança. Estas coisas não podem simplesmente ser eliminadas tentando alimentar as pessoas com mais ciência – mesmo ciência pós-normal – quando as questões que precisam de ser abordadas são de natureza institucional ou cultural.

A ciência aberta é fundamental para os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável. Mas, em última análise, a confiança nesta ciência requer não apenas mensagens, mas atenção ao contexto. Abrir a ciência à sociedade para enfrentar os desafios globais exige um esforço dedicado para colocar formas específicas de conhecimento no contexto em que se destinam a informar a prática. A contextualização da ciência precisa ser levada tão a sério quanto o próprio fazer científico.


Aviso Legal: As informações, opiniões e recomendações apresentadas neste artigo são de responsabilidade dos colaboradores individuais e não refletem necessariamente os valores e crenças do Conselho Científico Internacional.

Sujatha Raman é professora do Centro para a Conscientização Pública da Ciência (CPAS), Universidade Nacional Australiana (ANU). Ela lidera a Cátedra UNESCO em Comunicação Científica para o Bem Público.


Ative o JavaScript em seu navegador para preencher este formulário.

Mantenha-se atualizado com nossos boletins

Ir para o conteúdo