Seja um voluntário

Ciência preparada para crises: um quadro para um setor proativo e resiliente

Numa era marcada pela escalada de conflitos geopolíticos, a santidade e a resiliência da comunidade científica global nunca foram tão cruciais. Este relatório, "Protegendo a Ciência em Tempos de Crise: Como deixamos de ser reativos e nos tornamos mais proativos?" surge num momento crítico, abordando a necessidade urgente de proteger cientistas, académicos e instituições educativas cada vez mais visadas em diversas crises globais.

Imagem do Museu Nacional do Brasil

Esta Documento de discussão pelo think tank do Conselho Científico Internacional, o Centro para Futuros da Ciência, que foi informado pelo Conselho Comitê para Liberdade e Responsabilidade na Ciência, faz um balanço das lições aprendidas com os esforços anteriores, lançando luz sobre os sucessos e as deficiências dos nossos esforços coletivos.

“Com esta nova publicação, o Center for Science Futures ambiciona preencher uma lacuna importante nas discussões sobre a proteção dos cientistas e da ciência durante as crises. O estudo detalha opções para uma agenda política multilateral mais eficaz, bem como quadros de ação nos quais as instituições científicas podem começar a colaborar imediatamente”.

Mathieu Denis, chefe do Centro para o Futuro da Ciência do Conselho Internacional de Ciência

O documento sublinha a necessidade de uma estratégia unificada que não só reaja às crises, mas também as antecipe e prepare para elas. Ao examinar vários estudos de caso, pretendemos criar um quadro abrangente que fortaleça o sector científico contra os desafios multifacetados das crises modernas.

“Criticamente, o relatório surge num momento em que escolas, universidades, centros de investigação e hospitais, todos os locais que promovem o avanço da educação e da investigação científica, foram locais de conflito e destruídos ou danificados durante a Ucrânia, Sudão, Gaza e outros crises. Nós, na comunidade científica, devemos refletir sobre a criação de condições propícias para que a ciência sobreviva e prospere.”

Senhor Peter Gluckman, Presidente do Conselho Internacional de Ciência

Protegendo a ciência em tempos de crise

Este documento de trabalho faz um balanço do que aprendemos nos últimos anos com os nossos esforços coletivos para proteger cientistas e instituições científicas em tempos de crise. Ele detalha como as comunidades científicas em todo o mundo podem se preparar, responder e reconstruir melhor as crises.


Um dos principais temas que emergem do novo relatório é que o sector da ciência como um todo tem feito pouca reflexão sobre a sua própria resiliência face às crises, desde cientistas que se tornam refugiados até à destruição de infra-estruturas civis e à perda de conhecimento e investigação.

Nosso objetivo é claro: estabelecer uma comunidade científica global e resiliente capaz de resistir e recuperar das adversidades do nosso tempo. Este documento é um apelo à acção, apelando a uma abordagem colaborativa e estratégica para salvaguardar as contribuições inestimáveis ​​de cientistas e investigadores em todo o mundo, numa altura em que a ciência e o esforço científico são mais necessários. 

“Este novo relatório serve como um apelo à comunidade científica global para fazer a transição de uma postura reativa para uma postura proativa face à adversidade, garantindo a continuidade e a proteção dos esforços científicos. Nosso comitê que supervisiona a liberdade e a responsabilidade na ciência está vendo um número crescente de situações adversas para os cientistas e o direito de praticar a ciência num momento em que nossas comunidades buscam soluções para grandes desafios globais.”

Professora Anne Husebekk, vice-presidente do ISC para Liberdade e Responsabilidade na Ciência

Há muito que podemos fazer para reforçar o alcance da ciência na luta pela paz. Por exemplo, podemos promover e nutrir relações de colaboração entre cientistas entre nações e, ao melhorar as nossas relações com os meios de comunicação social, podemos gerar confiança e compreensão da ciência, ao mesmo tempo que promovemos a unidade face aos desafios globais partilhados. Ao mesmo tempo, podemos defender uma voz científica mais robusta no sistema multilateral, um objetivo no qual o ISC continua a trabalhar. 

No rescaldo imediato de uma crise, há lições a retirar sobre a forma de responder às necessidades imediatas, a importância da colaboração transfronteiriça e outras consequências, como a abordagem à desinformação. Professora Sayaka Oki da Escola de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Tóquio
contribuiu para o relatório com ensinamentos retirados do terramoto de Fukushima e do subsequente tsunami.

“No imediato rescaldo de uma catástrofe é difícil ter discussões inclusivas, abrangentes e fundamentadas, por isso tivemos um verdadeiro dilema. Uma sociedade democrática deveria ter debate livre, mas na realidade, especialmente durante vários dias após um incidente, pode ser muito difícil ter mensagens ponderadas e consistentes. Então é aí que uma voz única é necessária, mas ao mesmo tempo precisa ser transparente e clara”, explicou o professor Oki.

Professora Sayaka Oki da Escola de Pós-Graduação em Educação da Universidade de Tóquio

Um dos principais temas que emergem do novo relatório é que o sector da ciência como um todo tem tido pouca reflexão sobre a sua própria resiliência face às crises – desde cientistas que se tornam refugiados até à destruição de infra-estruturas civis, resultando na perda de conhecimento e investigação. projetos – a comunidade científica deve considerar as suas próprias práticas de mitigação e resiliência face às ameaças crescentes ao esforço científico.


Um Chamado à Ação

O ISC insta as instituições científicas internacionais, governos, academias, fundações e a comunidade científica em geral a adotarem as recomendações delineadas em Protegendo a Ciência em Tempos de Crise. Ao fazê-lo, podemos contribuir para um ecossistema científico mais resiliente, ágil e preparado, capaz de resistir aos desafios do século XXI.


Principais insights e recomendações

A publicação baseia-se nas lições aprendidas com as crises recentes e oferece um quadro estratégico para a comunidade científica global. Enfatiza a importância das fases de prevenção, protecção e reconstrução no ciclo humanitário, defendendo abordagens sistemáticas, eficientes e coordenadas para a gestão de crises no sector científico. As principais recomendações incluem:

  • Aprimorando a Resiliência: Desenvolver respostas sistémicas que aproveitem a experiência da comunidade científica global para minimizar o impacto das crises na investigação científica e nas infra-estruturas.
  • Construindo capacidade: Reforçar a capacidade dos cientistas e líderes na gestão de crises e riscos e promover uma relação de confiança entre a ciência e a sociedade.
  • Esforços de proteção coordenados: Melhorar os mecanismos de coordenação e partilha de informações entre os intervenientes científicos para proteger os investigadores e os ativos científicos durante as crises.
  • Defesa da ciência nos esforços de reconstrução: Garantir que a ciência, o ensino superior e a inovação tecnológica sejam priorizados nos esforços de recuperação e reconstrução pós-crise.

Recursos adicionais: comunicado de imprensa, infográficos e vídeo

Acompanha o documento um conjunto de infográficos e um vídeo animado para ilustrar as ações que podem ser tomadas pela comunidade científica e pelas partes interessadas relevantes durante cada uma das três fases da resposta humanitária.



reprodução de vídeo

Veja mais sobre o Centro para o Futuro da Ciência do ISC ➡️

Ative o JavaScript em seu navegador para preencher este formulário.

Mantenha-se atualizado com nossos boletins


Imagem do Museu Nacional do Brasil por Allison Ginadaio on Unsplash.

Ir para o conteúdo