Seja um voluntário

Ciclismo para o desenvolvimento sustentável

No Dia Mundial da Bicicleta, analisamos alguns estudos recentes sobre como o ciclismo pode contribuir para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e uma nova iniciativa das Nações Unidas para aumentar o uso de bicicletas para a saúde e o bem-estar humano e planetário.

A partir da sua primórdios em 19th século, a bicicleta tornou-se uma das invenções mais amplamente utilizadas e reconhecidas no mundo.

AROUND 42% de todos os lares em todo o mundo têm uma bicicleta – mais do que ter acesso a um carro ou moto. Embora existam grandes diferenças na posse de bicicletas entre os países, as bicicletas são mais comuns do que os carros em nível global e usadas para esportes e recreação, além de serem um meio de transporte acessível.

Andar de bicicleta não é apenas bom para a saúde e o bem-estar humano, mas também pode ajudar a reduzir a poluição e reduzir as emissões como um método de transporte sustentável.

É por isso que em março de 2022 os 193 membros da Assembleia Geral da ONU adotaram um resolução que promove o ciclismo para combater o aquecimento global. A resolução recomenda que todos os Estados-Membros integrem as bicicletas nos meios de transporte público em ambientes urbanos e rurais e tomem medidas para melhorar a segurança rodoviária e promover a utilização da bicicleta como meio de transporte.

Há evidências convincentes a favor do incentivo ao ciclismo como forma de reduzir o número de carros nas estradas e, assim, reduzir as emissões de gases de efeito estufa e a poluição. Melhorar a infraestrutura cicloviária vem fortemente em um comparação recente de diferentes métodos para reduzir o uso de carros nos centros das cidades. Baseado em um estudo de diferentes intervenções utilizadas em cidades europeias, métodos de controle de tráfego, como a criação de ruas sem carros e a substituição de vagas de estacionamento por ciclovias, reduziram o uso de carros nos centros das cidades em até 20%. O planejamento para a melhoria da infraestrutura de bicicletas em grandes locais de trabalho, como universidades, também contribuiu para a redução do uso do carro.

Na Cidade do México, o antigo Esquema de compartilhamento de bicicletas EcoBici foi encontrado para reduzir 8% do uso de táxi e 5% do uso de carros particulares, removendo 499 toneladas de CO2. Além disso, 82% dos usuários relataram mudanças positivas, como economizar dinheiro e ficar em forma. Em uma cidade em que o carro é um símbolo de status, o esquema EcoBici foi introduzido com uma campanha para promover o ciclismo como uma aspiração – a 'forma inteligente de viajar'.

No auge da pandemia do COVID-19, a rápida criação de novas infraestruturas para bicicletas e ruas sem carros em muitas cidades, como Paris, França e Bogotá, Colômbia, forneceu uma oportunidade de testar a hipótese de que a melhoria da infraestrutura levaria a um aumento no ciclismo. Os resultados sugerem que as políticas foram bem-sucedidas em criar um grande aumento no ciclismo urbano, levando algumas cidades a tornar sua nova infraestrutura um recurso permanente. Ainda não se sabe se o aumento do ciclismo pode ou não ser sustentado além do contexto excepcional da pandemia, mas esse experimento urbano provou que as sociedades podem transformar seus comportamentos rapidamente diante de uma crise.

A bicicleta como meio de transporte sustentável oferece uma oportunidade de dissociar o crescimento das emissões nas áreas urbanas. No entanto, muitos estudos sobre ciclismo são originários do Norte Global, de cidades como Copenhague e Amsterdã, onde a infraestrutura cicloviária é muito bem desenvolvida e há menos evidências disponíveis em cidades do Sul Global. Pesquisa aponta desafios para um maior desenvolvimento da infraestrutura ciclável no Sul Global, como falta de financiamento, oposição dos motoristas e marginalização daqueles que mais provavelmente se beneficiarão de uma infraestrutura ciclável melhorada – os pobres urbanos – nos processos políticos. Também pode haver percepções sobre o ciclismo que dificultam a aceitação e barreiras associadas ao acesso às bicicletas.

No entanto, com o aumento da urbanização, há uma necessidade urgente de pensar além do planejamento centrado no carro e construir sistemas de transporte sustentáveis ​​que integrem o ciclismo seguro e acessível. No Dia Mundial da Bicicleta, esperemos que a nova resolução da ONU para promover o ciclismo faça a diferença.

Você também pode estar interessado em

Repensando as soluções de energia

Caminhos para um mundo pós-COVID sustentável – relatórios da plataforma consultiva IIASA-ISC.

Imagem por Markus Spiske on Unsplash

Ir para o conteúdo