Seja um voluntário

Da Antártica ao Espaço: atualizações de órgãos afiliados no terceiro dia da reunião intermediária do ISC

O Conselho Científico Internacional concluiu sua reunião intermediária de membros, “Capitalizando Sinergias na Ciência”, em Paris, com discussões sobre o futuro do ISC e atualizações de sua rede de órgãos afiliados trabalhando em uma série de iniciativas científicas conjuntas.

O último dia terminou com mensagens claras da patrona do ISC, Irina Bokova, e do presidente do ISC, Peter Gluckman – o mundo precisa de ciência mais do que nunca.

“A humanidade está em busca de um novo equilíbrio”, diz a patrona do ISC, Irina Bokova. “A ciência pode impulsionar uma nova onda de humanismo, enraizada no conhecimento, na diversidade cultural e em um senso genuíno de empatia, aproximando as pessoas e promovendo a compreensão em escala global.” 

O ISC Comissão Global de Missões Científicas para a Sustentabilidade, para o qual Bokova co-preside junto com Helen Clark, ex-primeira-ministra da Nova Zelândia e ex-administradora do Programa de Desenvolvimento das Nações Unidas, visa coordenar e obter apoio para soluções científicas lideradas por missões que enfrentarão os desafios da humanidade. A Comissão divulgará seu último relatório no Fórum Político de Alto Nível da ONU em julho de 2023. O evento anual, realizado em Nova York, é o principal fórum internacional para monitorar o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) globais.

Atualizações de Organismos Afiliados, “ansiosos para fortalecer redes” de cientistas globais

O dia começou com os Organismos Afiliados do ISC, que incluem cientistas trabalhando em dezenas de disciplinas ao redor do mundo – e no espaço – atualizando os Membros sobre trabalhos recentes, com o objetivo de abrir novas oportunidades de colaboração.

O Comitê de Pesquisa Espacial (Cospar), que assessora a ONU em proteção planetária, dinâmica de satélites e atividades no espaço que podem prejudicar o meio ambiente, está focada em promover a coesão entre cientistas e engenheiros que trabalham em pesquisas espaciais, diz o diretor associado Aaron Janofsky.

O Comitê Científico de Pesquisa Antártica (SCAR) está se preparando para o quinto Ano Polar Internacional, que reunirá cientistas de todo o mundo para pesquisas coordenadas em 2032-33. A SCAR fornece consultoria científica independente para organizações internacionais e tem sido “um colaborador valioso para discussões de políticas e também processos de tomada de decisão”, diz a oficial de projeto Johanna Grabow. 

“Estamos ansiosos para fortalecer as redes dentro da comunidade internacional de pesquisa”, diz Grabow. A SCAR está procurando por cientistas que trabalhem em tópicos relacionados à Antártica para participar de seus programas de pesquisa e grupos de trabalho – bem como para compartilhar ideias sobre sustentabilidade e redução das pegadas de carbono organizacionais. 

Longe das montanhas e do gelo da Antártica, membros do Comitê Científico de Alocação de Frequências para Radioastronomia e Ciência Espacial (IUCAF) estão continuando o trabalho crucial para manter as bandas de espectro de rádio abertas para a ciência. 

O presidente do comitê, Harvey Liszt, reconhece que “nosso trabalho é altamente especializado e muitas vezes considerado obscuro... O recrutamento é difícil”. Ele enfatiza que as tarefas podem ser trabalhosas, exigindo uma curva de aprendizado acentuada e oferecendo pouco reconhecimento. No entanto, Liszt continua esperançoso de que mais cientistas se juntem à causa, principalmente devido à frequência crescente de lançamentos de satélites na órbita baixa da Terra, intensificando a pressão sobre a pesquisa baseada em rádio. Liszt explicou que as constelações comerciais interferem involuntariamente na pesquisa científica, semelhante a um “bombardeio fotográfico” no reino da astronomia.

O que está em jogo é nada menos que a capacidade da humanidade de continuar a fazer radioastronomia, sensoriamento remoto e pesquisa meteorológica remota, além de medir importantes indicadores climáticos, como umidade do solo, vento na superfície e salinidade do oceano, enfatizou Liszt.

O Comitê Científico de Física Solar-Terrestre (ESCOPO) se concentra na educação sobre as conexões Terra-Sol e no apoio à pesquisa interdisciplinar global. O presidente Kazuo Shiokawa atualizou os membros do ISC sobre o programa de bolsas do Comitê para estudantes de pós-graduação e trabalho de capacitação na Espanha, Bulgária, Costa do Marfim e Argentina. 

O Programa Mundial de Pesquisa Climática (WCRP) coordena pesquisas climáticas globais e fornece evidências ao Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), que é usado para orientar ações sobre mudanças climáticas. Seu trabalho contínuo inclui modelagem climática, coleta de dados sobre padrões e mudanças climáticas e incentivo à colaboração entre cientistas em todo o mundo.

Veja todos os órgãos afiliados do ISC

O ISC co-patrocina várias iniciativas ou programas científicos e dá seu apoio a iniciativas conjuntas que têm vários patrocinadores e/ou parceiros.

A Future Earth está procurando candidatos para seu programa em andamento para apoiar pesquisadores em início de carreira realizando trabalhos relacionados à sustentabilidade. O amplo programa visa “aprofundar nossa compreensão do sistema terrestre e da dinâmica humana”, explica Xiao Lu, vice-diretor do Global Secretariat Hub China. 

Cientistas do Urban Health and Wellbeing (UHWB) estão ansiosos para reiniciar mais de suas redes de colaboração, que foram interrompidas pela pandemia do COVID-19. O programa também está em busca de indicações para seus comitês de especialistas e para um diretor executivo permanente. 

“Queremos construir redes internacionais em conjunto para saúde urbana e ciência da sustentabilidade”, diz o diretor executivo Yupeng Liu. “Temos muita sorte de ter tantos cientistas e especialistas importantes em nossa comunidade científica para nos guiar e ajudar a alcançar nossa missão.” 

Os membros do ISC também ouviram do Sistema Global de Observação do Oceano (GOOS) e Sistema Global de Observação do Clima (GCOS), que coordenam a coleta de dados e colaboram com organizações internacionais. Seu trabalho ajuda a medir a biodiversidade, informar a política climática e a preparação para desastres e medir o impacto das medidas de mudança climática. 

“Temos um oceano e precisamos colaborar em muitos países”, diz a diretora interina do GOOS, Emma Heslop. “O oceano está absorvendo 90% do excesso de calor produzido pelas atividades humanas e 25% do carbono antropogênico por ano, e ainda não temos os modelos ou todas as observações para entender completamente a ciência do carbono no oceano.”

O papel crítico da ciência na formulação de políticas

No final do dia, os membros do ISC ouviram Terrence Forrester, presidente do ISC Fellowship Program Foundation Council, que fez uma atualização sobre o crescimento futuro e os objetivos da bolsa, que adicionou mais 57 membros em dezembro de 2022 elevando o total para 123 bolsistas. O programa reconhece cientistas de todo o mundo que estão comprometidos com o avanço da ciência como um bem público global por meio do envolvimento de seus públicos e formuladores de políticas para construir sociedades abertas e baseadas no conhecimento.

Afiliados e bolsistas são uma parte essencial da missão do ISC de fornecer dados e análises cruciais para informar os formuladores de políticas – um papel vital para a ciência, diz o presidente do ISC, Peter Gluckman: “É fundamental para o mundo que a voz da ciência seja ouvida em todos os momentos. nível de tomada de decisão, de forma honesta e confiável.” 

“A ciência, sejam ciências naturais, humanas ou sociais, tem um objetivo: entender melhor o mundo ao nosso redor, dentro de nós, a sociedade em que vivemos, o planeta em que vivemos e o universo. Ao fornecer informações sobre o que sabemos, o que não sabemos e as implicações, podemos ajudar o mundo a fazer melhores escolhas”, afirma. 


As próximas grandes reuniões do ISC incluirão os Diálogos Globais de Conhecimento na Malásia para a região da Ásia e Pacífico, América Latina e Caribe em 2024 e o Assembleia Geral em Omã em Janeiro 2025.

Os delegados que participarem da reunião intermediária, Capitalizing on Synergies in Science, podem fornecer suas retornos ao secretariado do ISC até 26 de maio de 2023.

Ir para o conteúdo