Seja um voluntário

Pesquisadores em início de carreira respondem ao Plano S: Entrevista com Sabina Leonelli da Global Young Academy

Quando o Plano S foi lançado em setembro de 2018, imediatamente surgiram preocupações sobre as perspectivas para pesquisadores jovens e em início de carreira, que dependem de registros de publicação para desenvolvimento futuro de carreira.

Ouvimos Sabina Leonelli, Professora de Filosofia e História da Ciência da Universidade de Exeter, Reino Unido, e uma das coautoras do Declaração da Global Young Academy sobre Oportunidades e Desafios para a Implementação do PLAN S.

A Declaração GYA estabelece dois cenários muito diferentes para um futuro pós-Plano S: um cenário negativo, no qual pesquisadores e disciplinas com financiamento limitado são marginalizados, enquanto alguns editores aumentam sua participação de mercado; e um positivo, no qual os periódicos de acesso aberto de diamantes de alta qualidade florescem e os editores existem essencialmente para fornecer serviços aos acadêmicos, que concordam em quais periódicos financiar. Após a publicação das diretrizes de implementação, onde está o Plano S agora no espectro entre esses dois extremos? Quais são as prioridades de esclarecimento?

Houve progresso: há um maior reconhecimento de que as Taxas de Processamento de Artigos (APCs) precisarão ser limitadas, há mais sensibilidade à diversidade de resultados na pesquisa e há um reconhecimento claro de que as monografias precisam ser consideradas separadamente. Ao mesmo tempo, os cenários que propusemos ainda são válidos. Ainda há grandes questões a serem feitas sobre o modelo de negócios por trás do Plano S e quais jogadores o apoiarão.

Estamos felizes que o Plano tenha impulsionado o acesso aberto (OA) em todo o mundo, mas, ao mesmo tempo, estamos preocupados que a opção de subsidiar a mudança para OA por meio de taxas de autor ainda esteja na mesa. Isso não desafia o modelo de negócios existente na indústria editorial e é insustentável. Pode afetar negativamente pesquisadores que não estão em áreas muito em voga, ou estão em locais geográficos ou institucionais que não atraem muito financiamento, ou operam sem necessidade de financiamento externo (como muitos de meus colegas de filosofia). Criar barreiras para quem pode publicar é tão injusto quanto fechar publicações para leitores.

Gostaríamos de ver um movimento em direção a um sistema que seja gratuito para autores e leitores, mas onde as instituições que estão produzindo e consumindo a pesquisa sejam obrigadas a apoiar e pagar pelo sistema. Reconhecemos que há custos associados à publicação de alta qualidade e houve experimentos interessantes em pensar de forma diferente sobre como subsidiar esses custos. Gostaríamos de ver um movimento ainda mais decisivo dos arquitetos do Plano S.

Ao redigir a declaração, que preocupações você ouviu especificamente de jovens pesquisadores?

A principal preocupação continua sendo que, se formos para um sistema de 'autor paga', um número muito grande de pessoas será excluído do mundo da publicação de pesquisa. Muitos de nossos membros vêm de países com baixos subsídios à pesquisa, mas também temos representantes de disciplinas como humanidades e ciências sociais qualitativas, que não são as mais bem financiadas (muitas vezes porque a realização de pesquisas nessas áreas não exige um muito financiamento). Manter essas disciplinas reféns de um sistema em que as pessoas só podem publicar se tiverem financiamento externo prejudicará irreparavelmente o cenário da pesquisa e criará ainda mais desigualdades entre países, entre instituições e entre disciplinas. Essa é uma grande preocupação.

Os jovens cientistas foram suficientemente consultados?

Nos últimos meses, tivemos conversas construtivas com os atores por trás do Plano S, e foi ótimo ver a ampla consulta trazendo mais interessados ​​para a mesa. Eles provavelmente estão completamente sobrecarregados por evidências agora, então haverá escolhas a serem feitas sobre quais dessas vozes muito discordantes eles vão ouvir.

Do ponto de vista do jovem pesquisador, nosso argumento é dizer que organizações como a nossa representam indivíduos e grupos na vanguarda de seus campos, que serão muito ativos nos próximos vinte anos ou mais. De muitas maneiras, somos o público-alvo e o usuário-alvo do Plano S, por isso seria bom prestar atenção especial ao que os jovens pesquisadores pensam.

Você acha que o Plano S será fácil de implementar? Há necessidade de mais orientação ou maior reconhecimento de suas implicações para a carga de trabalho de pesquisadores individuais?

A implementação será muito difícil. Em primeiro lugar, devemos nos concentrar em um modelo de negócios para o acesso aberto sustentável, fornecendo alguns fundos para publicação, mas ao mesmo tempo garantindo que esses custos não recaiam sobre os pesquisadores. Sistemas como o proposto pelo Biblioteca Aberta das Humanidades são muito bons, mas ainda precisam ser implementados em uma escala mais ampla. Espero que o Plano S faça um gesto mais forte de apoio a esse tipo de iniciativa.

Em segundo lugar, não acho que o Plano S possa ser implementado sem também implementar mudanças sérias nas formas como as instituições de pesquisa e os financiadores avaliam a pesquisa científica: os dois andam de mãos dadas. O uso de métricas como fator de impacto do periódico e contagem de citações como os únicos indicadores de excelência em pesquisa é incompatível com a tentativa de implementar OA.

Eu sou um membro do Plataforma de Política de Ciência Aberta e estamos trabalhando duro em indicadores para ciência aberta. O trabalho realizado sobre as alternativas para contagem de fatores de impacto e citações indica que a melhor alternativa possível é ter indicadores qualitativos e avaliações que não sejam baseadas em captura numérica. Ao mesmo tempo, sabemos que sua implementação é cara e difícil para muitas instituições. Existem alguns sinais de que os sistemas de avaliação podem estar mudando, por exemplo, a Universidade de Ghent iniciou um novo sistema para avaliar promoções e contratações, mas isso ainda não aconteceu sistemicamente. Mas se não mudarmos o sistema de pesquisa em termos de avaliação e avaliação, será extremamente difícil mudar os incentivos de publicação. Essa discussão precisa acontecer ao mesmo tempo que a discussão sobre o acesso aberto.

Estamos preocupados que, se essas tensões não forem resolvidas, as pessoas que mais sofrerão serão os pesquisadores em início de carreira, que precisam de certos tipos de publicações para progredir e não têm o tipo de reputação que lhes permitiria obter seu trabalho reconhecido de outra forma. Estamos em um momento muito delicado, principalmente para as pessoas que estão saindo de seus doutorados e pós-doutorados.

O Plano S 'encoraja fortemente' o acesso aberto aos dados de pesquisa, mas sem entrar em muitos detalhes sobre como fazer isso. São necessárias diretrizes mais específicas?

Especialistas em dados abertos reconheceram claramente que, por mais que gostaríamos de ter o maior número possível de dados compartilhados abertamente, há sérias preocupações éticas e científicas em torno de quais dados devem ser compartilhados, quais dados são mais úteis, quais são menos úteis , e como fazemos essas escolhas. Em muitas situações, você precisa de uma avaliação caso a caso de quais dados compartilhar e quais não compartilhar. Nesse sentido, acho que seria difícil e equivocado adicionar diretrizes rígidas sobre dados abertos ao Plano S.

O que provavelmente poderia ser feito para ajudar a criar uma mudança cultural seria pedir aos pesquisadores que publicam para explicar suas escolhas sobre quais dados estão compartilhando, se houver. Parte da mudança cultural que precisamos é fazer com que os pesquisadores sejam mais reflexivos em relação às suas práticas de dados e sejam capazes de explicar mais claramente suas escolhas. Muitas vezes, existem razões muito específicas por que as pessoas optam por selecionar ou compartilhar dados, ou não fazê-lo. Seria interessante ver o Plano S tomar uma posição mais forte, sendo agnóstico sobre qual deveria ser o resultado. Os pesquisadores que são especialistas em seus próprios dados devem decidir se é possível torná-los abertos e em quais condições.

Há também uma forte relação com o sistema de avaliação. No momento, quase não há reconhecimento de atividades como processamento de dados ou curadoria de dados, que são cruciais para tornar os dados abertos. Enquanto o sistema de avaliação da ciência não fornecer incentivos, qualquer pessoa que se envolva nessas práticas é automaticamente penalizada. Dados Abertos são um problema ainda mais preocupante do que o Acesso Aberto.

Como você acha que serão os próximos dez anos para o acesso aberto e o que você espera ver?

Espero ver todos os esforços e pensamentos que aconteceram nos últimos 10-20 anos em ciência aberta se concretizarem. Eu gostaria de ver isso acontecer por meio de uma transformação da indústria editorial para que ela se torne mais obviamente uma indústria de serviços, atendendo às necessidades de qualquer consumidor de conhecimento. A publicação é um ofício importante, exigindo um conjunto de habilidades importantes, mas espero ver uma mudança nas formas de financiamento do sistema de publicação para que seja possível, por exemplo, reunir recursos que agora são usados ​​para assinaturas para subsidiar todo o sistema, tornando-o gratuito para os pesquisadores submeterem-se aos periódicos e gratuito para leitores de todo o mundo acessarem os resultados da pesquisa. Continuamos ouvindo que há dinheiro suficiente no sistema para que isso seja possível; o que é preciso é a vontade de fazer acontecer. Espero que veremos isso realizado nos próximos dez anos.

Quando se trata de outros aspectos da ciência aberta, acho que muitas mudanças levarão mais de dez anos. A questão dos Livros Abertos – monografias – vai demorar mais. Daqui a dez anos seria ótimo ver uma diversidade de opções ali. No caso dos dados, o maior desafio é como disseminar e armazenar os dados. No momento, há muitos movimentos para tornar o armazenamento, a curadoria e a recuperação de dados muito mais fáceis e acessíveis, mas estamos no início desse processo. Penso que vai demorar mais tempo do que o actualmente previsto para o Ciência Nuvem European Open para realmente funcionar como pretendido. É provavelmente a iniciativa mais importante já tomada para tentar coordenar um sistema federado em toda a Europa, não importa de que disciplina você seja – mas o processo para colocar isso em prática realmente demonstra como isso é difícil. Eu adoraria ver isso funcionando corretamente dentro de dez anos.

[IDs dos itens relacionados=”7411,7470,7500,7532,7593″]

Ir para o conteúdo