Seja um voluntário

“O que nos impede?”: como economistas e cientistas sociais podem deter a chave para a ação climática

A ciência é clara: a vida sustentável dentro dos limites do planeta não pode ser alcançada sem uma rápida eliminação progressiva dos combustíveis fósseis. À medida que as negociações da COP28 parecem estar a ser concluídas sem um consenso claro para uma acção climática urgente e eficaz, o Conselho Científico Internacional (ISC) pergunta: “O que nos está a impedir?” A resposta, ao que parece, está no domínio das ciências sociais.

Negociações em COP28 cristalizaram no Debate sobre “redução gradual” versus “eliminação gradual” dos combustíveis fósseis – sem consenso claro. Mas a ciência é clara e, citando o Secretário-Geral da ONU, Guterres: “O limite de 1.5ºC só será possível se, em última análise, pararmos de queimar todos os combustíveis fósseis. Não reduzir, não diminuir. Eliminação gradual, com um prazo claro.”

Agora é o momento de romper o impasse político e impulsionar soluções políticas sustentáveis ​​e baseadas na ciência para enfrentar a ameaça climática existencial. Poderiam os conhecimentos das ciências sociais ser a chave para deslocar todos os interesses para uma acção urgente e significativa na abordagem da questão dos combustíveis fósseis?

“Pensar sobre como funcionam os nossos modos de governação, as nossas economias e sistemas financeiros é absolutamente vital nesta fase do jogo”, explica Cameron Hepburn, Diretor do Programa de Economia da Sustentabilidade em Oxford, Professor de Economia Ambiental e membro do painel no recente Painel de discussão COP28 do ISC/Royal Society.

Um futuro livre de combustíveis fósseis é viável e o argumento económico a favor acelerando a mudança para energias renováveis é forte e está melhorando constantemente, argumenta ele. “Os cientistas e engenheiros fizeram o trabalho”, diz Hepburn. “Então o que está nos impedindo? Essa é a questão – e as respostas estão dentro da esfera sócio-política.”

Virando a maré

“Estamos num ponto em que dizer às pessoas com cada vez mais detalhes que estamos condenados não altera em nada as atitudes públicas ou as políticas”, observa Hepburn. 

O caminho para ultrapassar o impasse político, argumenta o economista, dependerá de políticas baseadas na ciência que tornem um futuro livre de combustíveis fósseis uma inevitabilidade financeira. 

“Não estou dizendo que exista uma espécie de abordagem Pollyanna, um conjunto realmente rápido e fácil de pequenas coisas que nos ajudarão a resolver o problema. Este é um enorme desafio, e enfrentá-lo exigirá o fim dos combustíveis fósseis, de forma eficaz, e isso será resistido de forma muito poderosa”, diz Hepburn. “A maneira de chegar lá, creio, é garantir que a concorrência limpa seja apenas mais atrativa, para que, de facto, não se trave uma batalha política – os combustíveis fósseis perderam uma batalha económica.”

Essas tecnologias mais limpas concorrentes estão a tornar-se exponencialmente mais baratas e melhores, observa ele. Para os cientistas, a chave agora é encontrar as ideias políticas e as inovações sociais que incentivarão esse processo a avançar mais rapidamente.

“Ainda mais importante agora é fundir as ciências físicas e sociais para fornecer conselhos políticos viáveis”, argumenta Hepburn. “O que funciona para reduzir o custo? O que funciona para levar as pessoas a implementar estas tecnologias mais limpas?” 

No Reino Unido, salienta, o investimento em energias renováveis ​​está a crescer, mas devido aos atrasos no regulador nacional de energia, muitos novos projectos não estará conectado à rede durante até 15 anos – um problema que poderia ser aliviado através do financiamento adequado do processo regulatório, argumenta Hepburn.

Outro desafio: oposição às turbinas eólicas, que algumas jurisdições abordaram pagando aos residentes ou reduzindo as suas contas de energia, ou investindo em projetos comunitários. Outros desafios, como melhorar o uso de energia em novas casas ou limitar o impacto ambiental dos plásticos também requerem soluções técnicas, políticas e económicas. 

Algumas das pesquisas recentes de Hepburn analisam a ideia de “pontos de intervenção sensíveis”- momentos ou inovações que desbloqueiam o progresso. Às vezes, esses pontos são tecnológicos e económicos – a energia renovável está a tornar-se mais barata do que a queima de petróleo, por exemplo – enquanto outros surgem num momento único, como a pandemia da COVID-19 ou a actual crise energética, quando eventos sociais e políticos criam uma janela de oportunidade para grandes mudanças. 

Muitas vezes, um conceito é tão ou mais impactante do que qualquer peça de tecnologia, observa ele: “Se você pensar na principal inovação dos últimos 600 anos, talvez tenha sido a máquina a vapor, talvez tenha sido a máquina movida a carvão. central eléctrica – ou talvez tenha sido o conceito de sociedade de responsabilidade limitada, que é um conceito científico-social que permitiu efectivamente que esses outros conceitos das ciências físicas fossem explorados pelos sistemas humanos.” 

Usando a estrutura de pontos de intervenção sensíveis, Hepburn e seus colegas avaliou possíveis intervenções climáticas e classificou-os de acordo com critérios que incluem o impacto potencial, o risco e a dificuldade – um exemplo de um quadro que os decisores políticos poderiam utilizar para escolher as melhores e mais rápidas formas de fazer mudanças.

O progresso tecnológico só nos pode levar até certo ponto – necessita efectivamente de economistas e de outros cientistas sociais para sugerirem políticas que o tornem prático e possível de implementar. “Estamos efetivamente a reimaginar a economia mundial e precisaremos de muita ciência para fazer isso corretamente”, diz Hepburn.

De acordo com um relatório recente da Royal Society, o reforço da colaboração interdisciplinar entre cientistas físicos, economistas e outros cientistas sociais pode colmatar a desconexão de longa data entre estas disciplinas no contexto das alterações climáticas. Esta colaboração é crucial para obter uma melhor compreensão das implicações económicas e sociais dos eventos extremos e dos perigos induzidos pelo clima e fornecer informações urgentemente necessárias para alcançar o consenso político.

Compreender o contexto e os novos desafios

As ciências sociais também serão fundamentais para responder às novas questões levantadas pela transição verde, observa Maria Ivanova, Diretor da Escola de Políticas Públicas e Assuntos Urbanos da Northeastern University.

“Não basta apenas saber quais são os problemas. Temos que pensar e propor o que precisa ser feito”, diz Ivanova. “É aí que entra a ciência social. Sabemos qual é o problema. Então, o que deveria ser feito?” acrescenta Ivanova, que também é membro inaugural do ISC e parte do Grupo Consultivo Técnico do ISC Comissão Global de Missões Científicas para a Sustentabilidade.

Ivanova acaba de regressar da terceira ronda de negociações em Nairobi sobre um novo tratado global para acabar com a poluição plástica – um processo liderado pelo Ruanda e pelo Peru, que pressionaram a comunidade internacional para desenvolver um plano para resolver o problema. 430 milhões de toneladas de plástico produzido todos os anos. 

Ivanova trabalha com a delegação ruandesa desde 2022. As negociações têm sido desafiadoras e ainda estão focado em detalhes importantes, incluindo o âmbito do tratado e um debate sobre a definição de metas vinculativas versus permitir que os países escolham como cortar. 

Resumo de Política: Criando uma interface forte entre ciência, política e sociedade para combater a poluição plástica global

No meio de uma crise global crescente, o Conselho Científico Internacional (ISC) lançou um Policy Brief apelando ao estabelecimento urgente de uma interface robusta entre ciência, política e sociedade para enfrentar a questão persistente e de longo prazo da poluição global por plásticos.

Como os plásticos são tão omnipresentes, reduzir drasticamente a sua utilização significa abordar uma variedade de questões e criar novos desafios a resolver, observa Ivanova – como compreender como a mudança de embalagens pode afetar os desertos alimentares, ou encontrar uma forma de apoiar catadores cuja subsistência depende do plástico descartado. E há outra possibilidade inquietante, enraizada na economia: num futuro em que as empresas de combustíveis fósseis tenham de reduzir as emissões ou parar de produzir óleo combustível devido à diminuição da procura, será que elas simplesmente pivô para plásticos

Todas estas questões de justiça ambiental e economia precisam de uma lente de ciência social para serem compreendidas e abordadas, explica Ivanova. E com fortes evidências científicas que impulsionam uma consciência pública cada vez maior e exigências de mudança, essas mesmas lentes serão cruciais para pensar sobre como implementar soluções. 

“Ao enfrentar as alterações climáticas e a poluição por plásticos, estamos a lidar com crises que não são estáticas e não têm soluções únicas”, afirma Ivanova. “Nossas respostas devem ser dinâmicas, evoluindo com os desafios. Não se trata apenas de ajustar certas métricas – trata-se de compreender as complexidades mais profundas do comportamento humano e da acção colectiva através das ciências sociais. E, de forma crítica, a educação experiencial e interdisciplinar é fundamental para permitir a conexão humana com a mente e o coração que levaria a respostas que sejam justas e eficazes.”


Um novo modelo interdisciplinar para a ciência da sustentabilidade

Da emergência climática e da saúde global à transição energética e à segurança hídrica, o ISC e a sua Comissão Global de Alto Nível sobre Missões Científicas para a Sustentabilidade argumentam que a ciência global e os esforços de financiamento da ciência devem ser fundamentalmente redesenhados e ampliados para atender às necessidades complexas de a humanidade e o planeta. 

Tal como descrito no relatório Flipping the Science Model: A Roadmap to Science Missions for Sustainability, a Comissão apela a uma abordagem de «missão científica», destinada a superar o conhecimento científico fragmentado e compartimentado que muitas vezes não consegue estabelecer ligação e abordar os problemas mais imediatos da sociedade. precisa. Procura trabalhar de forma transdisciplinar e colaborativa, orientada para a procura e orientada para os resultados. 

Invertendo o Modelo Científico: Um Roteiro para Missões Científicas para a Sustentabilidade

International Science Council, 2023. Flipping the science model: a roadmap to science missions for Sustainability, Paris, França, International Science Council. DOI: 10.24948/2023.08.


Assine a declaração da COP28: “A ciência é clara: precisamos de zero emissões líquidas de dióxido de carbono até 2050”

A ciência é clara, tem sido assim há décadas: o clima do nosso planeta está a aquecer e as atividades humanas, especialmente a queima de combustíveis fósseis, são os principais impulsionadores desta mudança. Após os recentes desenvolvimentos na COP28, a Future Earth e o Programa Mundial de Pesquisa Climática (WCRP), dois órgãos afiliados do ISC, convocaram um declaração de cientistas de todo o mundo em resposta a comentários sobre as vias de eliminação dos combustíveis fósseis. Se você é um cientista, pode apoiar a declaração com sua assinatura.


Ative o JavaScript em seu navegador para preencher este formulário.

Mantenha-se atualizado com nossos boletins


Foto por Marcin Jozwiak on Unsplash.


Aviso Legal
As informações, opiniões e recomendações apresentadas neste artigo são de responsabilidade do(s) colaborador(es) individual(is) e não refletem necessariamente os valores e crenças do Conselho Científico Internacional.

Ir para o conteúdo