Seja um voluntário

O ISC hospeda uma Mesa de Círculo Virtual sobre Combate à Discriminação Sistêmica na Ciência em Falling Walls

O ISC e Falling Walls reunirão especialistas em 5 de novembro para discutir as transformações necessárias para desmantelar o racismo sistêmico e a discriminação nos sistemas científicos.

Desde sua primeira reunião anual em 9 de novembro de 2009 – o 20º aniversário da queda pacífica do Muro de Berlim – o Conferência Falling Walls e a Semana da Ciência de Berlim tornaram-se uma Cúpula Mundial da Ciência – com uma questão central: quais são os próximos muros a cair na ciência e na sociedade? Pela primeira vez, o ISC se uniu à Falling Walls para trazer uma “Mesa Circular”, normalmente realizada pessoalmente, mas este ano online.

“A metáfora de Falling Walls é realmente criar espaços para o diálogo sobre grandes mudanças sociais que cruzam fronteiras”

Heide Hackmann, CEO do ISC

A mesa circular do ISC procurou combater a discriminação sistêmica na ciência. Com o morte de George Floyd sob custódia policial em Minneapolis em 25 de maio de 2020, comunidades em todo o mundo foram novamente lembradas do flagelo persistente do racismo sistêmico em nossas sociedades. Um diálogo global muito necessário foi iniciado por este evento, que deve ser convocado em todas as sociedades e em todos os setores da sociedade, incluindo o sistema científico.

É evidente que o racismo sistêmico existe e persiste nas ciências. O empreendimento da ciência (instituições científicas, organizações, negócios e sistemas) reflete as sociedades nas quais está inserido. Isso significa que a comunidade científica global precisa lidar com a dor da injustiça vivida por colegas submetidos ao racismo e todas as outras formas de tratamento preconceituoso dentro das instituições da ciência. Silêncio e inação incluídos, pois sustentam essas práticas discriminatórias.

A discussão, moderada por Nuala Hafner of TV Global Science, contou com quatro palestrantes que trouxeram suas lentes únicas para a discussão global sobre o combate ao racismo sistêmico e à discriminação nos sistemas científicos:

Antonio Bogues: escritor, curador, estudioso da teoria política e história intelectual da diáspora africana e africana. Ele é atualmente o Diretor do Centro para o Estudo da Escravidão e Justiça, e o Asa Messer Professor de Humanidades e Teoria Crítica na Brown University. 

“Parte do problema é a própria estrutura do ensino superior, em que pensamos em termos competitivos e não colaborativos, em parte porque perseguimos o mesmo financiamento das mesmas fontes. Os chamados países desenvolvidos têm uma vantagem em relação ao sul global e precisamos começar a questionar essas estruturas e hierarquias”, disse.

Antonio Bogues

Adam Habib: um acadêmico, especialista em pesquisa e administração. Atualmente é vice-chanceler e diretor da University of the Witwatersrand (Wits) e novo diretor da School of Oriental and African Studies (SOAS) em Londres.

“Se vamos enfrentar os desafios transnacionais de nossos tempos, é preciso aumentar a capacidade humana e institucional em todo o mundo. Cerca de 80% dos mais brilhantes do sul global não retornam após a educação em universidades no mundo desenvolvido. Precisamos superar as divisões institucionais e nacionais, ligando as universidades e desenvolvendo programas co-curriculares. Temos as tecnologias para fazer isso, mas não o financiamento ou a vontade política. A ciência não tem fronteiras, e precisamos tornar isso uma realidade, e não apenas um slogan”.

Adam Habib

Tolulá Oni: médico de saúde pública e epidemiologista urbano. Ela é a líder conjunta do Global Diet and Activity Research Group da Universidade de Cambridge, Professora Associada Honorária da Universidade da Cidade do Cabo (UCT) e Fundadora – Diretora da UrbanBette.

Mary Robinson: Mary Robinson serviu como Presidente da Irlanda de 1990-1997 e Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos de 1997-2002. Ela é presidente do The Elders, membro do Clube de Madrid e recebedora de inúmeras honras e prêmios, incluindo a Medalha Presidencial da Liberdade do Presidente dos Estados Unidos, Barack Obama. Mary é patrona do Conselho Internacional de Ciências.


Este evento virtual faz parte do compromisso do ISC com combate ao racismo sistêmico e outras formas de discriminação por:

Baixe a declaração completa do ISC aqui. 

  • Reunindo o conhecimento existente sobre discriminação na ciência
  • Convocar um diálogo global dentro e além das instituições científicas e
  • Acordar medidas concretas adicionais destinadas a corrigir a discriminação sistêmica na ciência.
Ir para o conteúdo