Seja um voluntário

Dando as mãos para fortalecer o movimento africano de ciência aberta

Jenice Goveas relata um evento recente que defende a ciência aberta na África co-organizado e com a presença de representantes do setor universitário.

A narrativa global para a ciência aberta é amplamente dominada pela dos países desenvolvidos. No entanto, para que o movimento alcance os verdadeiros objetivos do acesso aberto universal, é necessário contextualizar as necessidades de ciência aberta dos países em desenvolvimento na realidade de um ecossistema científico nascente e subfinanciado construído sobre uma infraestrutura científica fraca.

O ecossistema africano de ciência, tecnologia e inovação está olhando para dias melhores com o movimento da ciência aberta ganhando força. Em meio a desafios de infraestrutura na África, bancos de dados inovadores, servidores de pré-impressão e plataformas de pesquisa aberta como AfricArXiv têm aumentado a visibilidade da pesquisa africana. Embora haja a necessidade de aumentar a vontade política em nível nacional para promover práticas de ciência aberta, a colaboração é fundamental para atingir seus objetivos.

Em sintonia com esse pensamento, o Associação de universidades africanas (AAU), o Biblioteca Pública de Ciência (PLOS) e o Centro de Treinamento em Comunicação (TCC África) organizaram conjuntamente uma Programa de Advocacia e Capacitação em Acesso Aberto (OA) e Ciência Aberta (OS) para o pessoal de gestão de topo das universidades africanas em 26 de abril de 2022. O programa visava informar os participantes sobre a necessidade da ciência aberta e seus benefícios, e também facilitar o diálogo que ajudaria a identificar os desafios que dificultam a sua implementação. O evento contou com a presença dos presidentes, vice-reitores, reitores, vice-reitores, diretores de pesquisa e bibliotecários de várias universidades africanas. Suas discussões se concentraram em melhorar o conhecimento sobre ciência aberta: popularizar as melhores práticas, aumentar a adoção e incentivar melhores práticas de publicação e ciência cidadã nas instituições membros.

Perspectivas globais sobre ciência aberta

Ana Persic, chefe interina da seção de Políticas e Parcerias Científicas da UNESCO, relatou sobre a Recomendações da UNESCO sobre Ciência Aberta e a necessidade de uma política internacional e uma estrutura de ação para a ciência aberta que reconheça as diferenças disciplinares e regionais. Geoffrey Boulton, Presidente do projeto ISC sobre o Futuro da Publicação Científica destacou a necessidade de “fazer a ciência aberta funcionar na prática”. Ele discutiu os Princípios da Publicação Científica, sua relevância e a necessidade de agir para alcançar o acesso aberto universal. Roheena Anand, Diretora Executiva, Global Publishing Development da Public Library of Science (PLOS), discutiu a transição do acesso aberto para a ciência aberta e a participação equitativa e a necessidade de realizar pesquisas sobre ciência aberta.

Ciência aberta para melhorar a economia do conhecimento de África

Joy Owango, o diretor executivo do Centro de Treinamento em Comunicação da Universidade de Nairobi, no Quênia, como presidente do programa, abriu com o fato de que dos 1074 mandatos de ciência aberta em todo o mundo, apenas 36 estão na África, e enfatizou a necessidade urgente de aumentar esse número. Segundo o secretário-geral da Associação de Universidades Africanas (AAU), Olusola Bandele Oyewole, “a ciência aberta é a forma de fazer com que a ciência tenha impacto na comunidade”. Dados abertos, metodologia aberta e cadernos abertos são as principais ferramentas para disponibilizar informações.

Tshiamo Motshegwa, diretor da Plataforma Africana de Ciência Aberta (AOSP) apresentou sobre o que a ciência aberta significa para a África, dizendo que “a ciência aberta oferece oportunidades para que mais dados sejam traduzidos em informação e, por sua vez, em conhecimento e economia do conhecimento”. Ele observou que a vantagem demográfica da África dá grande margem para inculcar práticas de ciência aberta entre os pesquisadores. O papel dos bibliotecários como principais interessados ​​no ecossistema da ciência aberta foi enfatizado por Mac Anthony Cobbiah, presidente da seção de consórcios de bibliotecas e bibliotecas acadêmicas (AFLIA), reiterando que “as bibliotecas precisam abraçar a mudança e lidar com a mudança no formato da informação”.

Impedimentos à adoção de mandatos de ciência aberta

No entanto, a falta de compreensão e conscientização da ciência aberta, mal-entendidos e desinformação entre os pesquisadores de que publicar o acesso aberto é caro foram destacados como barreiras para a adoção da ciência aberta. Os desafios para o compartilhamento de conhecimento e acesso a dados incluem a falta de incentivos, infraestrutura e conectividade científica e digital fracas, falta de políticas capacitadoras nos níveis nacional e regional, ausência de políticas eficazes de PI e proteção de dados, barreiras linguísticas e falta de incentivo para digitalização. A discussão aberta também destacou a necessidade de preservar o conhecimento indígena da África em repositórios digitais. Os participantes tomaram o exemplo da África do Sul, que tem sido um portador da tocha para as políticas de OA, porque a liderança em nível nacional pressionou pelo acesso aberto, e foi mandatado pela academia nacional.

Maneiras para a frente

Alguns dos próximos passos discutidos incluíram advocacia, angariando apoio da gestão e dos pares. Outras oficinas serão projetadas para a adoção de práticas de ciência aberta: A reunião foi um prelúdio para quatro oficinas de capacitação a serem realizadas em diferentes regiões da África, a fim de debater estratégias eficazes para inculcar a ciência aberta em currículos de pesquisa, pedagogia e avaliação , enquanto traça um roteiro para traduzir a ciência aberta em ensino de qualidade, pesquisa e serviço comunitário. Isso fortaleceria a capacidade para a criação de uma estrutura para a gestão sustentável da ciência aberta nas instituições africanas. O objetivo maior desses esforços é reduzir a perda de recursos devido à duplicação de pesquisas e acelerar os ganhos socioeconômicos por meio do conhecimento compartilhado, alcançável por meio de práticas de ciência aberta.


Assista ao encontro:

reprodução de vídeo


Imagem por NASAJohnson.

Ir para o conteúdo