Seja um voluntário

Declaração de Kigali promete acabar com a injustiça climática

Na Cimeira de Kigali, os cientistas climáticos emitiram um retumbante apelo à acção, enfatizando a necessidade de aumentar o financiamento, a transferência de tecnologia e a partilha de dados - colocando os cientistas do Sul Global na vanguarda da investigação climática regional e internacional.

Cientistas climáticos reuniram-se em Kigali, no Ruanda, em Outubro passado, e apelaram a “mais ambição” e acções urgentes para enfrentar as alterações climáticas. 

Na segunda Conferência de Ciência Aberta do Programa Mundial de Pesquisa Climática (WCRP) em Kigali, no Ruanda, 1,400 delegados da ciência climática sublinharam que os académicos, os governos e a indústria precisam de trabalhar em conjunto em soluções que possam ser postas em prática o mais rapidamente possível – e que os cientistas do Sul Global precisam de desempenhar um papel de liderança.

“Uma parceria mais forte entre o Norte e o Sul Global precisa envolver um esforço concertado para permitir a determinação regional e de baixo para cima das necessidades e prioridades de investigação, e uma mudança concomitante no sentido de um maior poder de convocação por parte do Sul Global”, escreveram cientistas do clima num comunicado. declaração conjunta de Kigali. “Essa abordagem precisa ser uma verdadeira parceria global que permita ativamente a co-liderança do Norte Global com o Sul Global.”

Capacitar cientistas africanos para a resiliência climática

Tal como grande parte do Sul Global, os países africanos enfrentar os piores efeitos das alterações climáticas, desde inundações até quebras de colheitas, incêndios e outros danos catastróficos. Mas é também por isso que os cientistas da região estão bem posicionados para orientar os esforços no combate às alterações climáticas. 

Para os cientistas do Sul Global, isso significa aumentar o financiamento e a transferência de tecnologia, bem como a partilha de dados – e, mais importante, colocar os cientistas da região “na vanguarda da investigação climática regional e internacional”, argumenta a declaração de Kigali. 

“Como África carrega o fardo mais pesado dos efeitos associados às alterações climáticas, apesar de contribuir com menos de 5% das emissões mundiais de gases com efeito de estufa, é fundamental que as vozes africanas estejam fortemente empenhadas na definição da investigação climática e da agenda de acção”, acrescenta o Presidente do ISC, Peter Gluckman, que falou na conferência. 

Solidariedade global pela justiça climática: perspectivas desde os primeiros anoscarreira investigador

Este artigo faz parte de uma série de blogs especiais desenvolvidos para aumentar a conscientização sobre perspectivas climáticas inclusivas, com foco em pesquisadores em início de carreira (ECR) e cientistas do Sul Global. Neste artigo, o Dr. Leandro Diaz, climatologista da Argentina, compartilha sua perspectiva sobre a solidariedade global pela justiça climática.

As prioridades climáticas de Kigali: adaptação urgente e alertas precoces

Os cientistas presentes na conferência sublinharam que os países precisam de cumprir os compromissos de eliminação progressiva dos combustíveis fósseis e de acelerar a transição para as energias renováveis. Ao mesmo tempo, à medida que as consequências das alterações climáticas se agravam, a adaptação às alterações climáticas tornou-se uma necessidade inevitável. 

Mas as medidas na região não acompanharam o ritmo e há pouco financiamento e menos dados climáticos disponíveis para orientar futuros esforços de adaptação, alertam os cientistas do clima na declaração de Kigali. “Os actuais níveis de adaptação são insuficientes para neutralizar os impactos das alterações climáticas já observadas”, observam, o que levou a uma “distância considerável e crescente” entre o Norte e o Sul globais. 

Para colmatar essa lacuna, uma das principais recomendações da conferência de Kigali é o foco no fornecimento de dados científicos precisos e detalhados para orientar as comunidades na forma como lidam com os efeitos imediatos e a longo prazo das alterações climáticas.

Os cientistas climáticos também enfatizaram a necessidade de melhores sistemas de alerta precoce e de preparação para desastres para evitar catástrofes climáticas – como seca contínua no Corno de África e inundações na Líbia. “O sucesso exige melhorar o conhecimento sobre o clima, comprometer-se com mais ambição na mitigação e adaptação climática e desenvolver sistemas de apoio à decisão climática”, escrevem.  

Atrasar a acção apenas limitará as opções, acrescentam: “As medidas de adaptação tornar-se-ão limitadas ou mesmo inviáveis ​​em algumas regiões, conduzindo a perdas e danos generalizados e desiguais, e ao aumento da migração”. E o custo de não fazer nada é muito maior, observam. “Quaisquer atrasos adicionais na mitigação das alterações climáticas agravarão gravemente os riscos e os impactos e exigirão respostas de adaptação e mitigação substancialmente mais dispendiosas no futuro.”

A dimensão humana da redução do risco de desastres: ciências sociais e adaptação climática 

 Neste artigo, o Dr. Roché Mahon, um cientista social especializado em clima, destaca como as ciências sociais podem efetivamente melhorar a adaptação climática e, em última análise, salvar vidas.

Fechar a lacuna através de uma nova abordagem de “grande ciência”

A ciência global precisa de “uma nova grande abordagem científica” para enfrentar estes desafios prementes, acrescenta Gluckman. A intensificação dos esforços para mitigar e adaptar-se às alterações climáticas “exigirá uma intensa colaboração internacional em investigação e inovação para desenvolver e fornecer soluções eficazes em todos os sectores da economia global”, argumenta. 

“Precisamos promover uma maior utilização de evidências na tomada de decisões e apoiar o desenvolvimento de inovações eficientes, escaláveis, acessíveis e inclusivas”, acrescenta. “A própria ciência deve mudar”, acrescenta, enfatizando uma gama mais ampla de disciplinas e aumentando dramaticamente o financiamento. 

O problema não poderia ser mais urgente, sublinham os cientistas: “Esta parceria global precisa de ser desenvolvida imediatamente devido à urgência do problema e à irreversibilidade das alterações climáticas”.

Da alegria das monções ao medo: o despertar da crise climática

Neste artigo, a Dra. Shipra Jain, física e climatologista da Índia, revela seu coração sobre as mudanças climáticas e seus impactos na sociedade.


Você também pode estar interessado em

Um mundo, um clima: um apelo à ação planetária

O Embaixador Macharia Kamau, Membro da Comissão Global do ISC sobre Missões Científicas para a Sustentabilidade, insta a comunidade internacional a colmatar a lacuna Norte-Sul na investigação científica sobre o clima e a esforçar-se por uma abordagem de “um mundo, um clima” para soluções globais e sustentáveis ​​para a crise climática.


Ative o JavaScript em seu navegador para preencher este formulário.

Mantenha-se atualizado com nossos boletins


Foto por Faustin T. on Unsplash


Aviso Legal
As informações, opiniões e recomendações apresentadas neste artigo são de responsabilidade do(s) colaborador(es) individual(is) e não refletem necessariamente os valores e crenças do Conselho Científico Internacional.

Ir para o conteúdo