Seja um voluntário

Um mundo, um clima: um apelo à ação planetária

O Embaixador Macharia Kamau, Membro da Comissão Global do ISC sobre Missões Científicas para a Sustentabilidade, insta a comunidade internacional a colmatar a lacuna Norte-Sul na investigação científica sobre o clima e a esforçar-se por uma abordagem de “um mundo, um clima” para soluções globais e sustentáveis ​​para a crise climática.

Por ocasião da Conferência de Ciência Aberta WCRP em Kigali e da próxima COP28 em Dubai, o Conselho Científico Internacional (ISC) desenvolveu uma série de blogs especiais que contribuem para aumentar a conscientização sobre perspectivas climáticas inclusivas, com foco em pesquisadores em início de carreira (ECR ) e cientistas do Sul Global.

Neste blog, Embaixador Macharia Kamau, Membro do ISC Comissão Global de Missões Científicas para a Sustentabilidade, dá início à série com seu emocionante discurso no Programa Mundial de Pesquisa Climática (WCRP) Conferência de Ciência Aberta.


“Senhoras e senhores, ilustres convidados, participantes, tenho a honra de falar com vocês hoje e agradeço aos organizadores desta conferência pelo convite para estar aqui. A minha palestra desta manhã centrar-se-á na necessidade urgente de acção climática, particularmente em torno da abordagem da questão dos objectivos de desenvolvimento sustentável.

Como alguns de vós sabem, entre 2012 e 2013, trabalhei no desenvolvimento dos objectivos de desenvolvimento sustentável em Nova Iorque, como co-presidente do processo que concretizou esses objectivos. Mesmo então, em 2013, percebemos que dos 17 objetivos e 169 metas, alguns representavam um desafio maior, mais urgente e existencial para o planeta, as pessoas e a nossa prosperidade coletiva do que outros.

Entre os ODS mais importantes estavam o ODS 1 sobre a pobreza, o ODS 3 sobre a saúde pública, o ODS 16 sobre a paz e a cessação das guerras e, mais importante, o ODS 13 que se centrava na ameaça existencial das alterações climáticas.

Na conversa de hoje, centrar-me-ei nas alterações climáticas, mas não quero que este público perca que todos os 17 objectivos do desenvolvimento sustentável devem ser abordados simultaneamente se quisermos ter o impacto desejável no desenvolvimento sustentável, no combate à pobreza, na construção de maiores paz e trazer uma prosperidade maior e equitativa ao nosso mundo.

Para abordar os ODS e as alterações climáticas, precisamos de abordar a questão do avanço da ciência e da investigação climática para um futuro sustentável. Para o fazer, precisamos também de reconhecer que elementos críticos de liderança, vontade política, solidariedade norte-sul, solidariedade intergeracional e solidariedade de género são parte integrante da procura de soluções duradouras de que necessitamos. Neste sentido, esta conferência terá de abordar a intersecção crítica entre ciência, tecnologia, liderança, acção política e acção climática, porque qualquer acção isolada de qualquer uma dessas categorias não resultará no resultado desejável que queremos ver.

Senhoras e senhores, existe agora um consenso global de que a acção climática tem de ser global. Existe também um amplo acordo de que a solidariedade política entre o norte global e o sul global, que se destina a impulsionar a acção para o desenvolvimento sustentável e a acção climática, deve ser assegurada, a fim de acelerar o processo de implementação dos objectivos de desenvolvimento sustentável, reconhecendo que a implementação de todos as metas estão atrasadas e não estão no caminho certo para serem alcançadas até 2030.

O facto de todos os países estarem atrasados ​​na implementação dos objectivos de desenvolvimento sustentável está a ter consequências muito graves. A investigação mais recente mostra que o mundo ultrapassou seis dos nove limites planetários para o equilíbrio planetário e a vida sustentável, incluindo o clima e as concentrações de CO2. Espero que todos percebam o quão sério isso está se tornando. Estas são as fronteiras planetárias que nos ajudam a gerir as alterações climáticas, a perda de biodiversidade e a degradação ambiental e, portanto, a vida na Terra tal como a conhecemos.

Não podemos continuar a transgredir estas fronteiras e esperar que seremos capazes de gerir as alterações climáticas e transformar a vida de todos para melhor no nosso planeta.

Para nós, em África, existe um sentido particular de urgência nestas questões. Nós, em África, estamos na ponta destes desafios que o planeta e as populações globais enfrentam. E à medida que África vai sendo deixada para trás, colocam-se sérias questões éticas e morais em torno da justiça climática, da justiça do desenvolvimento e de questões conexas de prosperidade económica e social equitativa, e de paz e estabilidade no nosso mundo.

Aqui, no continente africano, temos um profundo sentimento de compreensão de que não pode haver ação climática isolada de todos os outros objetivos dos ODS. Em África, vivemos a convergência da tripla crise planetária das alterações climáticas, da biodiversidade e da degradação ambiental na nossa vida quotidiana.

Penso que também é claramente claro para nós que a solidariedade global em torno destas questões, tanto por parte dos países em desenvolvimento como do norte global, deve estar em uníssono se quisermos controlar as consequências das alterações climáticas. A justiça climática e a justiça para o desenvolvimento são preocupações reais para os povos africanos. Na verdade, isto deveria ser motivo de preocupação para o mundo inteiro. O mundo tem de compreender as consequências destas preocupações, que são os migrantes e refugiados climáticos, a agitação e perturbação social, a fome generalizada e o enfraquecimento da paz em muitos países. Seja em África, na América Latina, no Médio Oriente ou mesmo em partes da Ásia, os migrantes e refugiados climáticos tornar-se-ão um desafio fundamental para o norte global num futuro próximo se não abordarmos esta questão das alterações climáticas de forma urgente e permanente.

Nesta reunião de investigação científica aberta, é importante discutir como podemos empreender uma ciência aberta maior e melhor, que abrace e una todas as comunidades científicas e de investigação em África e no Sul global com as do Norte Global. A investigação e as ações científicas isoladas no norte global e nas academias e universidades, e os projetos-piloto isolados nas comunidades não resolverão o problema das alterações climáticas. Fazer e implementar investigação em grande escala é muito importante se quisermos resolver o problema das alterações climáticas. Temos de identificar novas formas de o fazer, novas formas de colaboração que reúnam os esforços de investigação e a acção científica colectiva que possam impulsionar a mudança transformadora global e começar a inverter as triplas crises planetárias que enfrentamos.

Senhoras e senhores, no passado mês de Abril de 2023, nas Nações Unidas, durante o fórum político de alto nível, HLPF, o Conselho Científico Internacional emitiu um importante relatório intitulado “Invertendo a Ciência: Um Roteiro para Missões Científicas para a Sustentabilidade”. Como Comissário do Conselho Científico Internacional, gostaria de recomendar este relatório a esta conferência. O relatório aponta para novas formas de colaboração e organização da investigação científica em torno de centros regionais estratégicos bem financiados. Os centros reuniriam cientistas e investigadores, bem como parceiros políticos estratégicos, para trabalharem em conjunto para enfrentar as questões mais perversas, desafiantes e transformadoras que enfrentam a acção climática e a implementação dos objectivos de desenvolvimento sustentável. O relatório promete uma melhor investigação colaborativa à escala entre o Norte e o Sul.

Capa do relatório "Invertendo o modelo científico"

Invertendo o modelo científico

International Science Council, 2023. Flipping the science model: a roadmap to science missions for Sustainability, Paris, França, International Science Council. DOI: 10.24948/2023.08.


Portanto, gostaria de concluir enfatizando o seguinte. Em primeiro lugar, a ligação entre ciência, tecnologia e acção climática representa o ponto crucial da acção concertada necessária para mitigar os impactos das alterações climáticas, e devemos reunir uma aliança poderosa entre ciência, investigação, tecnologia e acção política. O roteiro proposto pelo Conselho Científico Internacional é um bom ponto de partida.

Em segundo lugar, temos de convencer as nossas comunidades políticas e sociais de que a ciência proporciona uma compreensão profunda não apenas das alterações climáticas, mas de todos os outros desafios de desenvolvimento sustentável que enfrentamos. Soluções baseadas na ciência e na investigação são o caminho a percorrer. Só através de investigação rigorosa é que podemos esperar encontrar as aplicações certas à escala para resolver os problemas que enfrentamos. Portanto, a acção política e política deve ser orientada pela ciência.

Terceiro, a inovação tecnológica oferece-nos as oportunidades e as ferramentas para agir. Estes incluem tecnologia de baterias, recursos de energia renovável como geotérmica, hídrica, solar e eólica, que podem garantir a redução das emissões de gases com efeito de estufa e a adaptação ao clima que está a mudar mesmo diante dos nossos olhos. Igualmente importante é que devemos aplicar estas novas tecnologias e inovações a partir da base, se quisermos ver mudanças à escala que sejam transformadoras e ao nível da comunidade, onde estas soluções são mais urgentemente necessárias.

Em quarto lugar, temos de garantir que os países em desenvolvimento, especialmente aqui em África, beneficiem da ciência e da tecnologia de forma rápida, equitativa e uniforme. A comunidade internacional tem a responsabilidade de promover a transferência de tecnologia. As alterações climáticas nunca serão combatidas se a tecnologia e a ciência apenas beneficiarem o norte global. A transferência de tecnologias limpas e sustentáveis ​​para os países em desenvolvimento não é um acto de caridade, mas sim um imperativo estratégico mesmo para o norte global, se quiser gerir as alterações climáticas por si próprio. Devo também sublinhar que os países em desenvolvimento, especialmente em África, também têm de investir na ciência, na tecnologia e na inovação locais, sem necessariamente esperar pela generosidade do norte global. Isto também é importante.

Permitam-me terminar, portanto, sublinhando que não existe acção climática isolada da implementação de todos os objectivos de desenvolvimento sustentável. Para enfrentar eficazmente os ODS e o desafio da ação climática, temos de garantir que os benefícios da ciência e da tecnologia sejam acessíveis a todas as nações, independentemente da sua situação económica. Ao promover a cooperação, o intercâmbio de conhecimentos e o apoio financeiro colaborativo, podemos abrir caminho para um futuro sustentável e equitativo para o nosso planeta.

Talvez em breve possamos parar de falar do norte global e do sul global porque, para o clima, não há norte e sul. Existe um mundo, um sistema planetário e um clima frágil."


Macharia Kamau

Embaixador, Enviado Especial e Conselheiro Sênior, Instituto Uhuru Kenyatta, e Conselheiro Sênior do GSTIC (Quênia). Membro do ISC Comissão Global de Missões Científicas para a Sustentabilidade.


Ative o JavaScript em seu navegador para preencher este formulário.

Mantenha-se atualizado com nossos boletins


Foto de Plaisir Muzogeye em Wikimedia.


Aviso Legal
As informações, opiniões e recomendações apresentadas neste artigo são de responsabilidade dos colaboradores individuais e não refletem necessariamente os valores e crenças do Conselho Científico Internacional.

Ir para o conteúdo