Seja um voluntário

Preprints como um caminho para o acesso aberto 

Jenice Goveas resume os principais pontos de discussão de uma recente sessão de conferência sobre a normalização de preprints.

O International Science Council (ISC) convocou recentemente um painel de discussão como parte do Conferência da Rede de Ciência Aberta do Sul da Ásia (OSSAN) 2022 conferência organizada em modo híbrido pelo Center for Policy Research, Indian Institute of Science. A sessão foi moderada por Jenice Goveas, Campaign Manager Future of Scientific Publishing Project, ISC, que começou com os seguintes pensamentos:

“A ciência cresceu aos trancos e barrancos
Disrupção e tecnologias emergentes circulando;
Quando a informação precisa ser rapidamente dissipada,
Nosso modelo de publicação está desatualizado?
Nos editores comerciais reside nossa confiança excessiva;
Parando o progresso da Ciência Aberta.
O sucesso pode ser alcançado pela publicação não-jornal?
Os preprints podem se tornar nosso destino final?
Ainda há muito a ser entendido,
Tratar a Ciência como um bem público global”.

Lizzie Sayer apresentou brevemente o ISC e seus projeto sobre o futuro da publicação científica com referência à missão do ISC de ser “a voz global para a ciência e trabalhar para um mundo em que a ciência é um bem público global”. Isso significa que o conhecimento benéfico e aplicável é disponibilizado gratuitamente e acessível em todo o mundo e pode ser usado por qualquer pessoa em qualquer lugar sem impedir ou impedir seu uso por outros. Ela apresentou o Os 8 Princípios de Publicação Científica do ISC, e opções de reforma. Destacando como alguns editores comerciais controlam o acesso a grande parte do registro da ciência, Lizzie observou que o 'modelo de pagar para publicar' perpetua a exclusão de pesquisadores em ambientes com menos recursos.

Um esboço ao vivo da sessão, por Dasapta Erwin Irawan.

Dasapta Erwin Irawan, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Terra, Institut Teknologi Bandung, Indonésia, falou sobre “Preprints como uma forma de Acesso Aberto Universal”. Usando suas habilidades artísticas, ele apresentou questões-chave sobre retenção de direitos e acesso universal à pesquisa, leitura e reutilização. Ele fez um breve histórico da RINarxiv (repositório do arquivo indonésio) e o modelo de financiamento (financiado pelo governo) necessário para sustentar a infraestrutura. Enfrentando os desafios atuais da academia no Sul Global, ele disse: “É muito difícil manter a cabeça acima da água”. Ele falou de três ingredientes básicos ao postar preprints – ética, integridade e normas – e definiu o que o Acesso Aberto universal significa tanto para autores quanto para leitores. Segundo ele, “servidores ou repositórios de preprints devem ser mantidos sem fins lucrativos ou como parte da infraestrutura governamental”, e as publicações devem ter licença aberta para reutilização. Incentivando os pesquisadores a fazer parte do movimento OA, ele disse: “Não importa para qual periódico você envie seu manuscrito, certifique-se de arquivar a versão pré-impressão e pós-impressão”.

Um esboço ao vivo da sessão, por Dasapta Erwin Irawan.

Stefano Vianello, pesquisadora de pós-doutorado em Embriologia em Yilan, Taiwan, apresentou “Preprints como destino final – A visão do profissional”. Ele compartilhou suas experiências como pesquisador em início de carreira defendendo a eliminação de periódicos, incluindo a reação negativa de colegas por enviar seus resultados de pesquisa inteiros como 'apenas preprints' e se referiu a 'Pré' em Preprints como 'Pré-figurativo'. O termo 'prefigurativo' é usado na linguagem política para implicar 'criação de um mundo que se imagina para o futuro', e é adequado quando se refere a preprints como o futuro da publicação acadêmica. Ele falou sobre aspectos de publicação e acesso sem barreiras, retenção de direitos, revisão por pares e progressão na carreira, e mencionou os desafios que enfrentou devido à ênfase que a avaliação de pesquisa dá a 'periódicos de alto impacto'. Ele orientou os participantes na obtenção de preprints revisados ​​por pares através Revisar Commons, e estava otimista com as mudanças positivas em andamento, já que os financiadores começaram lentamente a aceitar preprints como resultados de pesquisa válidos. Steffano argumentou que a revisão por pares aberta é superior e garante maior qualidade em comparação com a revisão por pares de periódicos, que é altamente tendenciosa e sigilosa.

Um esboço ao vivo da sessão, por Dasapta Erwin Irawan.

Gowri Gopalakrishna, Epidemiologista da Universidade de Maastricht, falou sobre “Os preprints podem se tornar a nova norma na publicação: Reflexões de um epidemiologista e pesquisador de integridade”. Usando estatísticas que indicam o crescimento exponencial de trabalhos de pesquisa, ela mostrou como os preprints se tornaram a forma dominante de publicação durante a pandemia de COVID-19 e suas decisões políticas associadas, em comparação com pandemias anteriores. Referindo-se à 'ciência pandêmica' como 'ciência da velocidade', ela abordou a atual velocidade sem precedentes na qual a pesquisa é realizada, sua possível crise e os desafios dos estudos de medicamentos COVID. Ela apresentou os dois lados do debate sobre tornar os preprints a norma, com exemplos de preprints de hidroxicloroquina e ivermectina defeituosos, mas também reconheceu artigos revisados ​​​​por pares e retratações em periódicos de “prestígio”. Gopalakrishna mencionou que o compartilhamento rápido de pesquisas por meio de preprints foi extremamente benéfico no manejo clínico de pacientes com COVID-19. Citando Resultados da pesquisa holandesa sobre integridade da pesquisa ela destacou a necessidade de garantir a qualidade na publicação de resultados de pesquisas iniciais e observou que existe pesquisa de baixa qualidade com ou sem periódicos.

Suas sugestões para responder a essa situação incluíram a criação de distinções entre os tipos de descobertas de pesquisas iniciais e a garantia de que não fossem metodologicamente falhas; promovendo a crítica acadêmica de preprints; reconhecimento e recompensas por todas as formas de revisão por pares, inclusive em formatos não periódicos, como no Twitter e em outras plataformas; gerar um ciclo de feedback crítico em cada estágio da pesquisa; comunicação científica responsável que interage diretamente com todas as partes interessadas; e políticas institucionais que capacitam cientistas e não cientistas em diálogo respeitoso, comunicação e avaliação crítica. “A crítica acadêmica deve acontecer de forma mais aberta e nas mídias sociais, e os pesquisadores devem ser protegidos contra assédio e bullying. Salvaguardar e incentivar a integridade e a qualidade da pesquisa sobre a quantidade deve ser o dever coletivo de todas as partes interessadas, especialmente dos financiadores”, disse ela. Ela também chamou a atenção para a necessidade de educar o público e os comunicadores de ciência de que os trabalhos de pesquisa são meras proposições e não a solução final.

Um esboço ao vivo da sessão, por Dasapta Erwin Irawan.

Lucas Drury, Astrofísico do Instituto de Estudos Avançados de Dublin e membro do grupo de direção do projeto ISC sobre Publicação Científica, falou sobre “Preprints – um modelo disruptivo para publicação científica”. Para ele, as “revistas científicas” tradicionais são atualmente redundantes, pois não fazem jus aos 3 grandes objetivos da publicação científica:

  1. Compartilhamento e comunicação ideias, resultados, teorias de forma eficaz – isso é feito por preprints e servidores de preprints, e novas formas de revisão on-line aberta por pares são melhores do que falhas na revisão por pares de periódicos
  2. Avaliação de pesquisa para precisão e relevância pela comunidade (revisão por pares). Ele deu exemplos das implicações de publicações de pesquisa incorretas e retrações lentas de artigos ruins, observando os riscos de periódicos que só olham para novidade e impacto sobre a qualidade
  3. Adicionando metadados para motores de busca para encontrar e curadoria de longo prazo, arquivamento para o futuro. As pesquisas de literatura dependem de mecanismos de descoberta e recomendação usando mineração de texto e dados, não “tabelas de conteúdo” ou serviços abstratos. Os preprints desempenham um papel crucial, não apenas para a rápida disseminação de informações, mas também como registro de versões. Ele instou os participantes a desconstruir o modelo antiquado afirmando: “não precisamos mais de periódicos”, e a normalizar pré-impressões.   

Drury também abordou as desvantagens percebidas dos preprints como ainda não sendo formalmente reconhecidos para progressão na carreira (uma situação que ele descreveu como ridícula). Ele esclareceu que “preprints combinados com revisão por pares da comunidade e infraestruturas abertas podem tornar os periódicos tradicionais obsoletos”. Segundo ele, “só existe pesquisa de alta qualidade e não periódicos de alta qualidade”. O grande problema é substituir os (pobres) sinais de prestígio que os periódicos de “alto impacto” vendem por marcadores de excelência mais confiáveis ​​e controlados pela comunidade. Ele mencionou que a propaganda das equipes de relações públicas da universidade sobre pesquisas também pode levar à desinformação entre o público.

Um esboço ao vivo da sessão, por Dasapta Erwin Irawan.

Guiado pelo princípio do acesso aberto universal, o ISC está explorando modelos de negócios alternativos para publicação acadêmica, fortalecendo a integridade da pesquisa, e engajando-se com as partes interessadas globais. Saiba mais aqui.

Agradecimentos especiais a Dasapta Erwin Irawan para a representação pictórica dos pontos de vista de cada painelista.

Assista a gravação da sessão aqui:

reprodução de vídeo

Imagem por Cristina @wocintechchat.com on Unsplash.

Ir para o conteúdo