Seja um voluntário

Repensando os Sistemas Alimentares

Enquanto a ONU se prepara para sua primeira Cúpula de Sistemas Alimentares em setembro de 2021, o Dia Mundial do Meio Ambiente pode catalisar a discussão sobre o impacto dos sistemas alimentares no meio ambiente.

Em junho de 2021, à margem de Dia Mundial do Meio Ambiente, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e parceiros lançaram o Plataforma de Parceria Transformadora na agroecologia – uma abordagem agrícola inspirada em ecossistemas naturais combina o conhecimento local e científico e foca nas interações entre plantas, animais, humanos e meio ambiente.

Ao longo de décadas, à medida que as populações cresceram, mais pessoas estão consumindo – e desperdiçando mais comida – do que nunca. Padrões insustentáveis ​​de produção e consumo de alimentos são um fio condutor que atravessa muitos dos maiores desafios que a humanidade enfrenta hoje.

Entre 2000 e 2010, a agricultura comercial em larga escala foi responsável por 40% do desmatamento tropical; e a agricultura de subsistência local não ficou muito atrás, respondendo por outros 33%. Mas os sistemas alimentares humanos dependem da biodiversidade para funcionar, e os sistemas alimentares convencionais reduzem a biodiversidade – destruindo efetivamente sua própria base.

Nos últimos 100 anos, mais de 90 por cento das variedades de culturas desapareceram e hoje, apenas nove espécies de plantas são responsáveis ​​por 66 por cento da produção agrícola total – contribuindo para riscos de saúde onipresentes, como diabetes, obesidade e desnutrição.

A agricultura intensiva também desempenha um papel no surgimento de doenças zoonóticas, como a COVID-19. Liberar espaço para a agricultura pode reduzir os amortecedores naturais que protegem os humanos de vírus e outros patógenos que circulam entre a vida selvagem. E os patógenos se espalham ainda mais facilmente entre rebanhos de criação intensiva e rebanhos com semelhanças genéticas – principalmente quando são mantidos próximos.

Ao mesmo tempo, os antimicrobianos são frequentemente usados ​​para acelerar o crescimento do gado, podendo levar à resistência dos microrganismos – tornando os antimicrobianos menos eficazes como medicamento para humanos. Atualmente, cerca de 700,000 pessoas morrem de infecções resistentes todos os anos e até 2050, essas doenças podem causar mais mortes do que o câncer.

Acrescente a tudo isso o fato de que nossa os sistemas alimentares são responsáveis ​​por um quarto de todas as emissões de gases de efeito estufa provocadas pelo homem. De acordo com o Fórum Econômico Mundial, a perda de biodiversidade e o colapso do ecossistema estão entre as cinco principais ameaças à humanidade nos próximos dez anos.

No entanto, o mundo gasta cerca de 1 milhão de dólares para subsidiar a agricultura, a cada minuto.

Mudança transformadora

A demanda por alimentos deverá aumentar em 60% até 2050. Isso significa que as decisões que tomamos hoje terão um enorme impacto na segurança alimentar e, por extensão, no meio ambiente, economia, saúde, educação, paz e direitos humanos .

Especificamente, o sistema alimentar global deve ser transformado para atingir dois propósitos. Em primeiro lugar, deve garantir a segurança alimentar e nutricional e acabar com a fome, de uma vez por todas. Em segundo lugar, deve reverter a degradação que as ações humanas causaram e restaurar os ecossistemas.

Você pode também estar interessado em:

Ilustração de sistemas alimentares

Sistemas Alimentares Resilientes

A Relatório IIASA-ISC defende que a ênfase na eficiência, que tem impulsionado em grande parte a evolução dos sistemas alimentares, precisa ser contrabalançada por uma maior ênfase na resiliência e nas preocupações com a equidade. Conforme ilustrado pela pandemia, isso implica expandir o escopo e o alcance das redes de segurança social e esquemas de proteção. Também inclui avaliar e, se necessário, ajustar as cadeias de suprimentos e o comércio em sua capacidade de absorver e se adaptar a uma infinidade de riscos

Agricultura agroecológica

Agroecologia (também referida como agricultura ecológica ou regenerativa) é uma das formas mais eficazes de tornar os sistemas alimentares mais sustentáveis; e construir um mundo pós-COVID mais seguro, mais limpo e mais inclusivo. Ao recorrer a processos naturais como fixação biológica de nitrogênio, biodiversidade e reciclagem – em vez de produtos químicos, que reduzem a biodiversidade e contribuem para as mudanças climáticas – desafia o modelo agrícola de 'negócios como sempre'.

A agroecologia é fundamental para a realização de 12 dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, incluindo a redução da pobreza e da fome; e, por exigir menos insumos externos e encurtar as cadeias de valor, a agroecologia capacita os agricultores e as comunidades locais. É parte de uma resposta holística a alguns dos maiores desafios à saúde planetária – ajudando a reduzir o desperdício, reduzir as emissões e parar a poluição dos ambientes naturais. E de acordo com uma revisão das descobertas da última década, a proteção agroecológica de cultivos também reduz os riscos de surgimento de zoonoses virais.  

PNUMA e agroecologia

Plataforma de Parceria Transformadora (TPP) em agroecologia é composto pelo ICRAF, CIRAD, Biovision, CIFOR, Organização para Agricultura e Alimentação (FAO), TMG Think Tank for Sustainability e PNUMA. Coordenando nos níveis internacional, nacional e local, a parceria conecta pesquisa e desenvolvimento, ciência, movimentos sociais e conhecimento local, para informar doadores e formuladores de políticas e promover a inovação. 

Com o objetivo de capacitar as pessoas a defender uma transformação agroecológica dos sistemas alimentares, um memorando de entendimento entre o PNUMA e a Biovision (a partir de 4 de junho) facilitará a cooperação no desenvolvimento do setor privado, intercâmbios de políticas e diálogos com várias partes interessadas.

Cúpula de Sistemas Alimentares da ONU

Em setembro de 2021, o secretário-geral da ONU, António Guterres, convocará o Cúpula de Sistemas Alimentares da ONU. Reconhecendo que os sistemas alimentares são uma das principais razões pelas quais não conseguimos permanecer dentro dos limites ecológicos do planeta, a Cúpula aspira a nada menos do que uma transformação global abrangente. É tanto um componente importante da Década de Restauração do Ecossistema e fundamental para o alcance das metas abrangidas por Agenda 2030.

Conscientizando, estimulando a discussão e identificando soluções, a Cúpula pede ações de governos, empresas e cidadãos – em todos os níveis e em todos os setores da sociedade. As políticas devem priorizar a agricultura regenerativa e a restauração de terras degradadas. Subsídios devem ser redirecionados da agricultura tradicional à agricultura sustentável e regenerativa. Os consumidores devem exigir mais dos produtores e os cidadãos devem responsabilizar os governos.


Para mais informações, contactar:

Chefe da Divisão de Biodiversidade e Gestão de Terras do PNUMA, Doreen Robinson: doreen.robinson@un.org

Oficial de Gestão do Programa do PNUMA e ponto focal líder em agroecologia, Siham Drissi: siham.drissi@un.org

Ir para a história original


Foto por Ícaro Cooke Vieira/CIFOR

Ir para o conteúdo