Seja um voluntário

Ciência e sociedade: pontos-chave do nosso artigo Science as a Global Public Good

A visão do ISC é da ciência como um bem público global, mas o que isso significa para a ciência e a sociedade? Nosso artigo Ciência como um bem público global considera dois pontos principais ao abordar essa questão que resumiremos neste blog: Como um bem público global, como a ciência responde às necessidades da sociedade? E como está evoluindo o contrato social entre ciência e sociedade?

O International Science Council, como a voz global da ciência, está comprometido com uma visão da ciência como um bem público global. Todos os seres humanos são fundamentalmente semelhantes e interconectados por causa de sua dependência dos ecossistemas da Terra e das necessidades que esses ecossistemas atendem, como produção de alimentos, abastecimento de água potável, regulação de doenças, regulação do clima e assim por diante. Como o conhecimento coletivo tem sido o principal motor do progresso humano coletivo, a produção de valor público traz benefícios a todos. Portanto, a ciência, como uma forma especial de conhecimento, metodologicamente disciplinada e testada em relação à realidade, pode fornecer imenso valor como um bem público global.

“O conhecimento científico, os dados e a experiência devem ser universalmente acessíveis e seus benefícios compartilhados universalmente. Uma comunidade científica global de apoio mútuo assume a responsabilidade por isso, garantindo inclusão e equidade, inclusive em oportunidades de educação científica e desenvolvimento de capacidades”.

– Excerto do Estatuto II, parágrafo 4º, Estatutos e regras de procedimento do ISC

Como um bem público global, como a ciência responde às necessidades da sociedade?

Embora seja importante para a ciência responder às necessidades da sociedade criando novos conhecimentos que permitam novas atividades, novas tecnologias e inovações, a utilidade do conhecimento não deve ser considerada exclusivamente através da “lente redutora da oferta e da procura”. É convicção do Conselho que a ciência deve manter um amplo espectro de investigação científica e expandir as fronteiras do conhecimento.

De fato, muito conhecimento científico não contribui para as economias nacionais e o crescimento do PIB, mas é inspirador para a imaginação humana e, dessa forma, é um bem não-excludente e não-rival. Além disso, da mesma forma que a humanidade ameaçou consideravelmente o futuro do meio ambiente para satisfazer as prioridades imediatas de desenvolvimento, a ciência não deve negligenciar o futuro considerando o prazo imediato como sua única prioridade.

Embora as percepções de um mundo que enfrenta crises convergentes que ameaçam a humanidade estejam crescendo, a comunidade científica internacional está cada vez mais fazendo sua voz coletiva ser ouvida para enfrentar esse desafio, pois soluções globais exigem envolvimento global. Nesse contexto, a ciência não deve perder o foco na necessidade de ser inclusiva e deve incorporar o conhecimento e as prioridades de todas as regiões, especialmente aquelas que mais sofrerão se as tendências globais não mudarem para melhor. A realidade de uma comunidade científica global está crescendo, mas só será real quando aberta a formas mais amplas de conhecimento e ao criar bens comuns de conhecimento global capazes de responder efetivamente a grandes desafios.

Para responder às necessidades da sociedade, a ciência também deve considerar a importância dos governos, pois são eles que articulam as prioridades e definem os orçamentos das agências de financiamento dentro de seus sistemas nacionais de ciência. Considerando o poder dos governos, cientistas e pesquisadores devem defender a liberdade de seguir sua própria inspiração como forma de maximizar o retorno do investimento em pesquisa. Em muitos aspectos, os cientistas não sabem necessariamente para o que suas descobertas podem contribuir no início, mas algumas descobertas, sejam elas intencionais ou acidentais, acabam sendo de grande utilidade. Por exemplo, a descoberta acidental mais famosa e importante é o remédio milagroso de Fleming, a penicilina, embora sua pesquisa inicial fosse sobre estafilococos. Da mesma forma, as interações entre os setores público e privado não devem ser subestimadas no enfrentamento dos desafios contemporâneos. Ambos podem servir ao bem público compartilhando ideias, pesquisas e dados, conforme ilustrado pela pandemia do COVID-19.

Ciência e sociedade: um contrato social em constante evolução?

As prioridades da ciência para servir ao bem público, a exploração de processos na natureza e na sociedade, bem como a busca de respostas eficazes às prioridades sociais emergentes, influenciam a relação entre a ciência e a sociedade, a natureza de seu contrato social e a organização social do processo científico. O contrato social entre ciência e sociedade sempre funcionou na mesma base; com financiamento público, a ciência cria e comunica descobertas à sociedade. No entanto, ao longo dos anos, as prioridades para a ciência evoluíram muito e sua organização social também, resultando em uma mudança para um contrato social em que a ciência é aberta à sociedade, transparente e participativa.

O movimento de ciência aberta que hoje ganha força é a manifestação dessa evolução, buscando tornar a pesquisa científica e sua divulgação acessíveis a uma sociedade questionadora como parte da cocriação de conhecimento para o bem público global. A pandemia do COVID-19 ilustrou a ciência aberta em ação e expôs alguns dos processos que dificultam a eficácia da ciência em contribuir para o bem público global. Com a adoção de Recomendação da UNESCO sobre Ciência Aberta, o potencial de mudança para um 'novo normal' está ao alcance, mas exigirá o envolvimento da comunidade científica internacional para garantir que esta nova era da ciência esteja bem adaptada ao serviço do bem público global.


Tudo isso e muito mais em nosso documento de posicionamento:

Ciência como um bem público global

Um documento de posição do Conselho Internacional de Ciência. novembro de 2021.

Ir para o conteúdo