Seja um voluntário

Projeto da Science International para Refugiados e Cientistas Deslocados toma forma

À medida que o mundo reconhece o Dia Internacional dos Migrantes, o projeto Refugiados e Cientistas Deslocados continua a crescer, lançando as bases para o lançamento da rede em março de 2021

O mundo está atualmente testemunhando o maior número de pessoas deslocadas à força já registrada. 70.8 milhões foram deslocados à força em todo o mundo até o final de 2018, de acordo com o Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). Esses deslocamentos foram resultado de perseguições, conflitos, violência, violações de direitos humanos e mudanças climáticas. Países como Iraque e Síria, que já tiveram institutos e sistemas científicos bem estabelecidos, viram sua infraestrutura científica amplamente desmantelada por conflitos e violência. Dois terços dos migrantes deslocados vêm de apenas cinco países, incluindo países com alguns dos institutos e sistemas científicos menos financiados do mundo.

Diante desse desafio, um projeto de Cientistas refugiados e deslocados foi criado pelo ISC em parceria com A Academia Mundial de Ciências (TWAS) e a Parceria InterAcademy (IAP), sob a égide da Ciência internacional, e lançado no início deste ano. O projeto visa desenvolver uma resposta coesa e coordenada que ajudará os cientistas que se tornaram refugiados ou deslocados por crises em seus países de origem. O projeto passou agora para uma nova fase com um workshop que foi realizado em outubro.

Atualmente, o projeto está trabalhando para formar uma rede e construir uma campanha de advocacia para reunir cientistas, formuladores de políticas e organizações para atender às necessidades de refugiados e cientistas deslocados.

O envolvimento de refugiados e cientistas deslocados é fundamental para o sucesso do projeto, de acordo com Erin Buisse, o principal consultor do projeto. Buisse descreveu como o projeto progrediu até 2020 e os próximos passos para 2021:          

“Nos últimos meses, trabalhei para reunir informações, ideias e perspectivas sobre o que exatamente as partes interessadas desejam alcançar, o que está sendo feito atualmente e como trabalhar em conjunto para atingir essas metas.”

–Erin Buisse

Buisse primeiro conduziu uma revisão documental, que envolveu a identificação das necessidades e desafios de cientistas refugiados e deslocados, compreendendo a estrutura legal internacional, categorias e observando exemplos de programas e advocacia que apoiam cientistas refugiados e deslocados. Com esses dados, ela elaborou planos para uma estrutura de rede e levantamento de mapeamento. Em outubro foi realizado o primeiro workshop com especialistas e membros das organizações da Science International, para obter sua perspectiva e envolvimento na construção do impulso com base nesses documentos iniciais. 

Refugiados e cientistas deslocados foram convidados a participar do primeiro workshop e um grupo de trabalho também foi criado para ajudar a entender melhor os métodos de envolvê-los no projeto.

Através dos workshops, os diferentes especialistas e organizações delinearam um esboço do quadro estratégico que destaca as áreas temáticas de foco da rede como:

  • Defesa e preservação da ciência
  • Engajamento de cientistas refugiados e deslocados
  • Desenvolvimento Regional

A estrutura identifica os principais objetivos do projeto:

  • Coletar, desenvolver e compartilhar informações e conhecimentos para informar a política, a prática e as partes interessadas.
  • Aumentar a conscientização global e defender medidas aprimoradas para proteger e apoiar cientistas deslocados e refugiados.
  • Fortalecer a capacidade e a coordenação.

De acordo com Buisse, os próximos passos envolvem trabalhos preparatórios até março de 2021, quando a rede está programada para ser lançada. O trabalho será feito em grupos com foco em tópicos separados. Isso inclui finalizar a estratégia atual, lançar um site dedicado, lançar a pesquisa de mapeamento, montar um plano de advocacia e redigir uma declaração.

Um podcast baseado em cientistas refugiados e deslocados também está em produção, apresentando entrevistas e conversas que abordam o tema abrangente da preservação da ciência. Será uma plataforma para ouvir histórias individuais dos cientistas, com foco em suas migrações e tentativas de continuar seus trabalhos científicos.

Para saber mais ou se envolver em atividades futuras, encaminhe todas as perguntas para deslocadoscientistas@twas.org.


Foto por Wolfgang Rottmann on Unsplash

Ir para o conteúdo