Seja um voluntário

Os cientistas deveriam estar fazendo mais?

Dra. Tracey Elliott explora as recompensas e os riscos do ativismo científico.

O Conselho Científico Internacional e os seus membros são há muito orgulhosos defensores e praticantes da elaboração de políticas baseadas em evidências. Aconselhando os decisores a nível nacional, regional e global sobre políticas abrangentes, ONG científicas internacionais como o ISC produziram centenas de declarações, declarações e relatórios, apoiados por milhares de artigos revistos por pares, bem como organizaram inúmeros eventos e workshops. . Estes múltiplos resultados continuam a basear-se numa riqueza de conhecimentos e tecnologias existentes que estão prontos para serem aplicados em benefício ambiental e social, se existir vontade política.

Mas é cada vez mais evidente que não existe vontade política; que a actual trajectória da elaboração de políticas nacionais e multilaterais é demasiado lenta ou vai na direcção totalmente errada, com a política parecendo desligar-se das crises ambientais em muitos países, por exemplo Pináculos, 2024. Entretanto, o mundo está a ficar mais quente, as emissões de gases com efeito de estufa continuam a aumentar, os fenómenos climáticos extremos são mais frequentes, a disparidade entre ricos e pobres é mais acentuada e o nosso mundo está no meio de uma sexta extinção em massa. Décadas de evidências e conselhos não estão a ser ouvidos e postos em prática, nem com a escala e velocidade necessárias para reparar o nosso planeta destruído. O mundo corre o risco de perder “uma janela breve e que se fecha rapidamente para garantir um futuro habitável” (IPCC, 2022).

O exemplo mais flagrante de fracasso político é a resposta política às alterações climáticas. O consenso científico de que os humanos estão alterando o clima é esmagador (O Guardião, 2021; A Conversa, 2021), mas as intervenções científicas tradicionais (assessores científicos governamentais, órgãos consultivos, declarações, relatórios, workshops, etc.) não estão a obter força política suficiente. No entanto, a comunidade científica continua a produzir em massa resultados bem-intencionados, muitas vezes sem avaliação crítica; da mesma forma, os fóruns científicos internacionais estabelecidos produzem “declarações” que são publicadas nos seus respectivos websites perpetuamente, mas essencialmente ignoradas na prática. Um comentarista mais crítico poderia argumentar que esses métodos convencionais e desgastados são em grande parte Recreativo, e paralelamente à obsessão da comunidade científica com a produção escrita e a bibliometria sobre o envolvimento genuíno da sociedade e o impacto político. Pelo menos um comentarista chegou a acusar os cientistas de sendo cúmplice da negação climática ao não proclamar “verdades incontestáveis” (Porto, 2024). Então, o que mais os cientistas podem fazer?

Ativismo científico

Exasperados com a falta de progresso político, e com base no princípio de que os cientistas têm a obrigação não apenas de descrever e compreender o mundo natural, mas também de desempenhar um papel activo na ajuda à sua protecção, alguns cientistas recorreram a abordagens mais activistas para transmitir a sua opinião. mensagens e chamar a atenção para as crises climática e ecológica (Natureza, 2024). Acreditam que a inacção contínua do governo justifica agora a acção directa, o protesto pacífico e não violento e a desobediência civil para expor a realidade e a gravidade da emergência climática e ecológica; em alguns casos, mas não em todos, para além dos limites das leis actuais, como último recurso nesta crise existencial. Os cientistas, argumentam eles, têm um imperativo moral: com o conhecimento vem uma grande responsabilidade. Além disso, os cientistas são, em grande parte, uma comunidade confiável e privilegiada que pode trazer legitimidade e credibilidade aos movimentos de activistas sociais.  

Um número crescente de cientistas está se envolvendo no ativismo científico em todo o mundo (A Conversa, 2023), incluindo o apoio a ONG e a grupos de pressão profissionais – como a Greenpeace, o World Wildlife Fund e a Friends of the Earth – e a movimentos sociais mais perturbadores e de baixo para cima. O movimento global XR (Extinction Rebellion), por exemplo, inclui uma comunidade científica crescente – Rebelião Científica – que fornece uma plataforma para informar, educar, compartilhar e reunir apoio e está localizada em mais de 30 países (você pode ler a declaração de apoio SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA). Esta comunidade produz boletins informativos, realiza palestras, eventos, campanhas e demonstrações para ajudar os cientistas na transição para funções mais ativas. Qualquer cientista de qualquer disciplina, em qualquer lugar do mundo, pode participar.

O ativismo científico pode assumir muitas formas e pode ser melhor ilustrado como um iceberg de ações (Figura 1). Aqueles que operam na área laranja – demonstrando publicamente e praticando a desobediência civil – são apoiados por muitos outros que trabalham nos bastidores da área azul. Os cientistas não precisam ser presos para serem mais ativistas, mas a história nos diz que é uma parte necessária de qualquer movimento social impactante.

Figura 1: Ativismo científico como iceberg de ações (fonte adaptada de: Home — Rebelião Científica)

Informados pelos movimentos de justiça climática, Black Lives Matter e #MeToo, uma nova geração de activistas científicos está a começar a mudar as normas culturais da ciência, incluindo a aceitação e envolvimento institucional, e talvez até a avaliação da investigação a tempo. Na verdade, há indícios iniciais de que o ativismo científico pode estar a ganhar legitimidade dentro da comunidade científica, alimentado pelas redes sociais (Tormos-Aponte et al, 2023). Mas o ativismo científico deveria suplemento não substitui os esforços mais tradicionais de organizações científicas não governamentais internacionais.

Recompensas e riscos

O ativismo científico é uma troca de recompensas e riscos. Pode acrescentar um propósito social à investigação, ligar os cientistas à sociedade (e entre si) e ajudar as decisões políticas a serem abordadas de forma significativa e rigorosa. O activismo é uma forma de protestar contra as injustiças flagrantes perpetuadas por leis, políticas e economias que alimentam as crises climáticas e ecológicas. Basta olhar para a recente decisão histórica do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, em abril de 2024, que inação política on o clima viola os direitos humanos. Mas o activismo também pode implicar algum nível de risco pessoal, institucional e/ou profissional, e esses riscos podem depender da geografia, da etnia e da cultura de investigação local, por exemplo, aqueles que vivem sob regimes menos tolerantes (Tormos-Aponte et al, 2023). Algumas instituições de investigação, organismos representativos e cientistas individuais podem considerar estes riscos demasiado elevados e relutar em envolver-se, seja através da perceção de politização da ciência ou do comprometimento das relações com partes interessadas e financiadores vitais. Mas os riscos globais de não nos envolvermos mais são ainda maiores.

Como os cientistas podem estar envolvidos

A atualmente pequena comunidade de cientistas ativistas pode ter mais impacto se crescer rapidamente em número e cria uma massa crítica de cientistas em todo o mundo. A comunidade científica global é naturalmente colaborativa e interligada, e pode ser um canal poderoso para aumentar o perfil deste activismo crescente através das suas redes profissionais..

O envolvimento no ativismo científico deve ser uma decisão individual, com base em considerações práticas, éticas e morais. Os cientistas podem ser mais activistas de múltiplas formas, onde as suas posições, competências, conhecimentos e redes podem ser inestimáveis ​​(ver Tabela 1, um espectro de acções activistas).

Tabela 1: Um espectro de ações ativistas contra o risco pessoal/profissional

Concluindo, se os cientistas – qualquer que seja a sua disciplina, país ou fase de carreira – se sentem compelidos a fazer mais e a envolver-se no activismo científico, então investigar grupos activistas como o Cientistas pela Rebelião da Extinção poderia ser um lugar interessante para começar.

. share esse blog também! Afinal, “Agora é a hora de mobilizar, agora é a hora de agir, agora é a hora de entregar” (Secretário-Geral da ONU, 2024).


Dra. Tracey Elliott é ex-consultora e gerente de projetos do ISC e da Parceria InterAcademy.

Siga Tracey em X

Imagem por Vlad Chompalov em Unsplash


Aviso Legal
As informações, opiniões e recomendações apresentadas neste artigo são de responsabilidade do(s) colaborador(es) individual(is) e não refletem necessariamente os valores e crenças do Conselho Científico Internacional.

Ir para o conteúdo