Seja um voluntário

Sudão em risco de perder uma geração de talentos científicos

A Academia Nacional de Ciências do Sudão apelou à solidariedade da comunidade científica global, uma vez que os conflitos ameaçam toda uma geração de cientistas e investigadores - lutando para continuar a trabalhar em questões prementes, já que muitos fugiram da violência em partes mais seguras do país ou no estrangeiro.

Através de uma revolução, de um golpe militar e de uma pandemia, o cientista Hazir Elhaj resistiu, permanecendo em Sudão enquanto pôde – até ouvir bombas caindo em Cartum. 

Agora na Arábia Saudita, ela espera voltar o mais rápido possível. Sendo uma das poucas investigadoras que trabalham em bioenergia no Sudão, ela diz que sente a responsabilidade de voltar ao seu trabalho, que se centra no fornecimento de fontes de energia sustentáveis ​​para as zonas rurais. 

“Quero voltar porque tenho uma missão a cumprir”, diz Elhaj. “Foi um choque, sim, mas temos que continuar.” 

Mais de 5 milhões de pessoas foram deslocadas e pelo menos 7,500 pessoas foram mortas desde o início do conflito em Abril. Metade da população do país precisa de ajuda humanitária ou proteção, afirmou a Organização Internacional para as Migrações (OIM) em setembro. 

A luta continua em grande parte do país. A violência mais intensa centrou-se na capital, Cartum – que é também o coração da comunidade de investigação do Sudão. Muitas das universidades e instituições da cidade foram saqueadas ou destruídas. 

“A situação actual dos académicos no Sudão é intensamente crítica – uma crise que tem recebido pouca ou nenhuma atenção fora do país”, Mohamed HA Hassan, presidente da Academia Nacional de Ciências do Sudão (SNAS), escreveu em uma carta aberta

O SNAS apela às organizações internacionais e aos cientistas de todo o mundo para que “se unam em solidariedade” com os colegas afetados pelo conflito. 

As Academias Nacionais em todo o mundo podem ajudar, trabalhando com universidades e instituições de investigação para encontrar espaços para os cientistas deslocados continuarem o seu trabalho até o fim do conflito, escreve o SNAS. 

“Acima de tudo, os nossos académicos precisam de assistência prática para poderem continuar os seus estudos e investigação nestes tempos difíceis, caso contrário, o Sudão corre o risco de perder uma geração ou mais do seu inestimável talento científico”, explica Hassan. 

Alguns estudantes conseguiram continuar a estudar noutros países, incluindo Ruanda e Tanzânia. Mas muitos cientistas continuam dispersos por todo o Sudão – muitos com os seus salários congelados ou em áreas com pouco ou nenhum acesso à Internet, incapazes de trabalhar, observa Hassan. 

Campi saqueados

Depois de anos de trabalho interrompido, 2023 parecia bom para Elhaj. Ela planeava transformar o seu laboratório na Universidade de Ciência e Tecnologia do Sudão num centro de investigação completo e criar uma incubadora onde os cientistas pudessem colaborar em tecnologia para resolver problemas ambientais. 

“Eu queria formar uma nova geração de jovens pesquisadores”, diz ela. 

Ela passou grande parte de 2022 conseguindo bolsas para o laboratório e, em 2023, seu trabalho foi reconhecido com uma bolsa de início de carreira da Organização para Mulheres na Ciência para o Mundo em Desenvolvimento (OWSD), que forneceu financiamento adicional. 

A incubadora tecnológica começou em março de 2023, com uma equipe completa de estudantes e pesquisadores assistentes. Elhaj ficou emocionado. 

Um mês depois, ela estava no laboratório quando os combates começaram em Cartum. Enquanto ela corria para desligar a eletricidade e a água e chegar em casa, ela ouviu tiros de armas pesadas e explosões. 

Desde então, o campus foi saqueado e severamente danificado. Elhaj não tem ideia se o seu laboratório sobreviveu. Ela conseguiu salvar grande parte do seu trabalho, mas nem todos tiveram a mesma sorte: um dos seus alunos de mestrado perdeu todos os seus dados na evacuação e teve que começar do zero. 

À medida que a violência piorava, Elhaj partiu para a sua cidade natal – ainda não segura, mas menos perigosa que a capital. Mas agora, a investigadora, que muitas vezes passava 12 horas por dia, seis dias por semana no laboratório, foi subitamente interrompida do seu trabalho. “Você se pega sem fazer nada”, diz ela. “Foi muito, muito cansativo.” 

Sem eletricidade estável em casa, a única maneira de continuar era ir embora. A sua viagem para fora do país durou quase uma semana: 1,500 quilómetros de autocarro e táxi, depois um ferry para a Arábia Saudita e vários voos antes de chegar a Trieste, Itália, onde iniciou a sua bolsa OWSD. 

Seu visto não lhe permitia ficar mais tempo, então ela seguiu para a Arábia Saudita. Ela conseguiu retomar seu projeto de bolsa novamente, com sua pesquisa no país suspensa por enquanto, e está escrevendo novas propostas de projetos. 

Mas ela teme que os académicos deslocados possam ficar para trás enquanto não puderem publicar, não puderem fazer investigação no terreno ou ficarem presos em áreas sem comunicação fiável. “A guerra não se trata apenas de perder vidas ou de perder a sua casa ou o seu trabalho – trata-se também de perder oportunidades”, observa ela. 

Bolsas de estudo, estágios e outras oportunidades que permitam aos investigadores sudaneses colaborar com equipas internacionais são extremamente necessários, acrescenta ela – assim como a ajuda para obter vistos estrangeiros. “Fazemos parte desta comunidade científica global”, diz Elhaj. 

Reconstruindo a infraestrutura durante o conflito, uma peça de cada vez

Para muitos em Cartum, as viagens foram decididas por puro acaso. Antes do início do conflito, tanto Elhaj como Suad Sulaiman, membro do executivo do SNAS, enviaram os seus passaportes às embaixadas europeias em Cartum para processamento de vistos. Elhaj recuperou o dela dois dias antes do início da luta; O de Sulaiman foi destruído por funcionários da embaixada durante a evacuação. 

Sulaiman está preso em Dongola, no norte do Sudão, a caminho da fronteira egípcia, desde Maio, à espera de um novo passaporte e visto para entrar no Egipto. 

Quando ela chegou, Sulaiman percebeu que a clínica local precisava de ajuda para cuidar dos muitos recém-chegados. Ela rapidamente começou a trabalhar e conseguiu financiamento, inclusive do Instituto Suíço de Saúde Tropical e Pública, para reformar o prédio e comprar equipamentos essenciais. 

O SNAS continua a recolher apoio financeiro para a clínica, e Sulaiman pretende expandir o projeto para incluir centros de saúde em todo o estado do norte do Sudão. 

Os cuidados de saúde são apenas uma parte da infra-estrutura do país que necessitará de uma extensa reconstrução, diz Sulaiman. As instituições científicas do Sudão também necessitarão de apoio financeiro significativo para reconstruir as muitas instalações danificadas, acrescenta ela. 

Depois de passar por anos de incerteza, Elhaj está confiante de que os cientistas do país irão recuperar. “Será difícil se adaptar novamente”, diz ela. “Precisamos começar do início. Mas temos que continuar o que estávamos fazendo; não podemos simplesmente abandoná-lo.”


Você também pode estar interessado em

SNAS apela à solidariedade com o povo sudanês

Uma mensagem da Academia Nacional de Ciências do Sudão às academias nacionais de ciência, às instituições das Nações Unidas e às instituições académicas e de investigação da União Africana.


Aviso Legal
As informações, opiniões e recomendações apresentadas neste artigo são de responsabilidade do(s) colaborador(es) individual(is) e não refletem necessariamente os valores e crenças do Conselho Científico Internacional.


Imagens por Proteção Civil e Ajuda Humanitária da UE on Flickr.


Ative o JavaScript em seu navegador para preencher este formulário.

Mantenha-se atualizado com nossos boletins

Ir para o conteúdo