Seja um voluntário

A sustentabilidade tem um histórico sólido como paradigma de resiliência e crescimento

Ursula Mathar, vice-presidente de sustentabilidade do BMW Group, explora como o “modo de crise” da pandemia de COVID-19 está fornecendo impulso para a mudança.

Este blog é republicado a partir do Bússola de Sustentabilidade COVID-19

A crise do coronavírus teve um impacto global na vida económica e social. As cadeias de suprimentos foram interrompidas, as viagens foram canceladas, a vida desacelerou. É claro, no entanto, que as soluções estão sendo desenvolvidas na economia em ritmo acelerado. A econsense acredita que esta crise não tem de ser um ponto de ruptura, mas sim uma oportunidade de sustentabilidade – desde que tenhamos em conta os seguintes três pontos:

Em primeiro lugar, a sustentabilidade há muito deixou de ser um projeto de bom tempo, é a chave para a viabilidade e resiliência futura dos modelos de negócios. Muitas empresas já reconheceram isso e o implementaram ativamente antes do coronavírus.

Em segundo lugar, o atual “modo de crise” está fornecendo impulso para a mudança que devemos usar. É uma oportunidade para uma mudança de rumo nas organizações, negócios e no mundo da política, o que não aconteceria tão rápida e completamente no “modo normal”. A economia tem um papel fundamental a desempenhar. As empresas estão alinhando rapidamente suas atividades principais aos requisitos de emergência e convertendo linhas de produção inteiras para fornecer roupas de proteção e desinfetantes muito necessários. Com suas redes globais, eles estão garantindo suprimentos e organizando o suporte. Em nosso modo de crise, o pensamento criativo está em andamento, ações corajosas estão sendo tomadas e decisões rápidas estão sendo tomadas. É necessário aproveitar nossa energia para manter nosso ímpeto.

Em terceiro lugar, a sustentabilidade tem um histórico sólido como paradigma de resiliência e crescimento – antes, durante e depois da crise do coronavírus. A proteção do clima deve ser o foco dos esforços, embora as questões econômicas e sociais estejam inseparavelmente associadas à proteção efetiva do clima. Existem abordagens ambiciosas para inovação e investimento em soluções e processos sustentáveis. Quando os recursos são limitados e sob constante pressão competitiva internacional, levar isso adiante com comprometimento, mesmo em tempos de crise, exige perseverança.

No que diz respeito às medidas públicas de estabilização e reconstrução após o coronavírus, a nível doméstico, europeu e internacional, é essencial que estas medidas sejam concebidas de modo a que o grandes investimentos restauram efetivamente a produção e, ao mesmo tempo, atingem as metas de sustentabilidade. Não deve haver conflito entre reconstrução e sustentabilidade. Quando a crise terminar, uma economia sustentável será ainda mais importante. Desde que seja configurado de uma forma que faça sentido em termos de conteúdo e seja pragmático na implementação de um sistema financeiro de apoio, o Plano de Ação da UE sobre Finanças Sustentáveis ​​terá uma influência fundamental neste efeito de direção.

Neste contexto, digitalização também terá um papel fundamental. Seu potencial é particularmente evidente agora, na produção descentralizada de equipamentos de proteção usando impressoras 3D, por exemplo, ou no uso de aplicativos baseados em plataforma. O coronavírus tornou a sensação de abertura a esse tópico maior do que nunca. Esta é uma oportunidade para alavancar a competitividade da UE através da digitalização que utiliza abordagens inteligentes – para que o impacto das medidas políticas seja o mais sustentável possível.

Se conseguirmos levar nossa autoconfiança, criatividade e coragem da situação atual conosco para a era pós-coronavírus, seremos capazes de resolver e enfrentar os desafios na área de sustentabilidade de forma ainda mais decisiva.


Ursula Mathar é a vice-presidente de sustentabilidade do BMW Group. Ela é responsável pela estratégia de sustentabilidade das empresas e pela direção da gestão da sustentabilidade. Ursula Mathar também é presidente do conselho executivo da associação alemã econense – Fórum para o Desenvolvimento Sustentável das Empresas Alemãs. Ela possui um diploma de negócios e uma licença farmacêutica. Antes de ingressar no BMW Group em 2012, ela trabalhou para a Bayer AG em funções de marketing e sustentabilidade.


O blog Corona Sustainability Compass é uma publicação conjunta da Agência Ambiental Alemã (Umweltbundesamt, UBA), a rede científica Terra do FuturoConselho Internacional de Ciência (ISC) e Fundação 2° – Empresas Alemãs para a Proteção do Clima.
 
O blog do CSC forma o guarda-chuva, sob o qual autores (incluindo cientistas líderes, tomadores de decisões empresariais e políticos) apresentam suas visões e imagens de um futuro sustentável. Estamos à procura de novas estratégias orientadas para o futuro, que podem ter sido inimagináveis ​​ontem, mas que agora são possíveis pela crise da coroa.


Foto por Talha Atif on Unsplash

Ir para o conteúdo