Seja um voluntário

O Prêmio Mundial de Alimentos de 2021 reconhece que os peixes são essenciais para reduzir a fome e a desnutrição

Shakuntala Haraksingh Thilsted, cientista de nutrição, ganhou o Prêmio Mundial da Alimentação. Ao comemorarmos o início oficial da década dos oceanos, Ben Belton argumenta que os alimentos aquáticos desempenham um papel vital em dietas saudáveis ​​e sustentáveis.

Este artigo faz parte do ISC's Transformar21 série, que apresenta recursos da nossa rede de cientistas e agentes de mudança para ajudar a informar as transformações urgentes necessárias para alcançar as metas climáticas e de biodiversidade.

Peixes e outros alimentos aquáticos são parte integrante das dietas para mais de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo. A maioria dessas pessoas vive em países de baixa e média renda na África, Ásia e Pacífico, perto de rios, lagos ou do mar.

Nessas regiões, alimentos como peixes frescos e secos são central para cozinhas locais, e geralmente são mais baratos ou mais disponíveis do que alternativas como ovos, laticínios e frutas. Esses "superalimentos aquáticos” têm um impacto enorme como fontes ricas de micronutrientes que são essenciais para a saúde humana e o desenvolvimento cognitivo.

No entanto, os alimentos aquáticos são frequentemente nas margens de pesquisa agrícola convencional, políticas de nutrição e estratégias de desenvolvimento. Tradicionalmente, os pensadores do desenvolvimento global se concentraram em culturas básicas e pecuária como soluções para a fome.

Em 11 de maio de 2021, a World Food Prize Foundation anunciou que seu laureado de 2021 é Shakuntala Haraksingh Thilsted, um cientista da nutrição que, na minha opinião, fez mais do que ninguém para chamar a atenção para o papel essencial, mas muitas vezes esquecido, da alimentos aquáticos em dietas saudáveis ​​sustentáveis. Este prêmio de US$ 250,000 é muitas vezes referido como o Prêmio Nobel de alimentos e agricultura. Foi estabelecido por Norman Borlaug, vencedor do Prêmio Nobel da Paz em 1970 por seu trabalho na agricultura global.

O prêmio deste ano reconhece as quatro décadas de trabalho de Thilsted para melhorar a nutrição e a saúde de milhões de crianças desnutridas e suas mães na Ásia e na África. Como um pesquisador de aquicultura que trabalha em estreita colaboração com Thilsted, acredito que este prêmio destaca a necessidade de priorizar peixes e alimentos aquáticos nas políticas e ações de nutrição, nacional e globalmente.

Uma vida aquática

Shakuntala Thilsted nasceu em Trinidad e Tobago, onde iniciou sua carreira pioneira como a única mulher empregada no Ministério da Agricultura, Terras e Pescas. Depois de se mudar para a Dinamarca, ela completou um Ph.D. no Universidade Real Veterinária e Agrícola, onde mais tarde passou a liderar o Departamento de Fisiologia Animal.

Mudando-se para Bangladesh no final da década de 1980, Thilsted trabalhou na icddr, b, um instituto anteriormente conhecido como Centro Internacional para Pesquisa de Doenças Diarreicas, que tratava mais de 6,000 crianças desnutridas anualmente. Como uma jovem mãe de dois filhos, ela estava instintivamente preocupada com a saúde e nutrição infantil e começou a investigar medidas para prevenir a desnutrição usando alimentos localmente disponíveis e culturalmente aceitáveis.

O extenso tempo no campo projetando e implementando um programa de reabilitação nutricional permitiu que Thilsted entendesse quais alimentos as pessoas estavam comendo e como. Ouvir as mulheres falar sobre a importância de comer peixes pequenos para uma boa saúde e visão despertou seu interesse em seu valor nutricional. Essa percepção forneceu o catalisador para as próximas três décadas de sua carreira de pesquisa.

Você pode também estar interessado em:

Ilustração de sistemas alimentares

Resilient Food Systems Report do fórum consultivo IIASA-ISC

A Denunciar argumenta que a ênfase na eficiência, que tem impulsionado em grande parte a evolução dos sistemas alimentares, precisa ser contrabalançada por uma maior ênfase na resiliência e nas preocupações com a equidade. Conforme ilustrado pela pandemia, isso envolve a expansão do escopo e do alcance das redes de segurança social e dos esquemas de proteção. Também inclui a avaliação e, quando necessário, o ajuste das cadeias de abastecimento e do comércio em sua capacidade de absorver e se adaptar a uma infinidade de riscos.

Ao retornar à Dinamarca, Thilsted começou a ensinar estudantes de pós-graduação da Universidade de Copenhague a analisar micronutrientes em peixes de Bangladesh. Esta pesquisa revelou que muitas espécies de pequenos peixes são rico em nutrientes que são importantes para a saúde humana.

Um peixe em particular, mola (Amblyfaringodon mola), foi encontrado para conter extremamente altos níveis de vitamina A, o que é importante para visão, o sistema imunológico e a reprodução. Armado com esse crescente corpo de evidências, Thilsted começou a aumentar o consumo de peixes pequenos, especialmente para mães e crianças.

Ampliando as inovações

Os alimentos aquáticos são particularmente importantes desde a concepção até o segundo aniversário de uma criança. Não consumir micronutrientes suficientes como ferro, zinco, vitamina A e vitamina B12 aumenta o risco de doenças, mortalidade materna e infantil, atordoamento e baixo desempenho cognitivo. A desnutrição é responsável por até 45% de todas as mortes infantis evitáveis.

Em 2010, Thilsted ingressou no instituto internacional de pesquisa WorldFish. Ela voltou para Bangladesh para trabalhar na expansão “abordagens sensíveis à nutrição” para a produção de peixes, com base em insights de sua pesquisa anterior.

Seu trabalho anterior mostrou que peixes pequenos como mola crescem bem em lagoas de fazenda ao lado de peixes maiores, como carpas. Mudanças simples na forma como os peixes pequenos eram capturados em tanques, como o uso de diferentes tipos de rede de pesca, aumento do papel das mulheres em sua produção. Criar peixes pequenos desta forma provou ser uma altamente econômico forma de reduzir o fardo da desnutrição.

Thilsted também começou a investigar maneiras de fornecer micronutrientes a mães e crianças usando produtos à base de peixe, como pós, chutneys e bolachas como uma maneira culturalmente apropriada para melhorar suas dietas. A WorldFish promoveu amplamente essas inovações em países como Camboja, Índia, Mianmar, Nepal, Malawi, Serra Leoa e Zâmbia.

Da pesquisa à política

Thilsted trabalhou incansavelmente para traduzir insights importantes de sua pesquisa em políticas públicas. Isso incluiu parcerias estreitas com governos, como o Governo do Estado de Odisha, na Índia, que recentemente começou a incluir peixe seco em rações alimentares que oferece aos grupos vulneráveis.

Ela também aconselhou uma série de organizações internacionais de alto nível, incluindo o Organização de Alimentação e Agricultura das Nações UnidasAgência dos EUA para o Desenvolvimento InternacionalFundo Internacional para o Desenvolvimento Agrícola e UNICEF. Seus esforços aumentaram a conscientização sobre o valor dos alimentos aquáticos em sistemas alimentares saudáveis e promoveu compromissos mais amplos para apoiar esse papel transformador.

Thilsted vive há muitos anos nos países onde procura criar mudanças positivas. Ela é apaixonada por passar tempo no campo, observando cuidadosamente e fazendo as perguntas certas.

Esse espírito de investigação e ampla experiência prática, combinados com altos padrões de rigor acadêmico, deram origem a muitos de seus insights mais importantes. Por exemplo, ela descobriu que a pesca de captura selvagem e a piscicultura podem fazer contribuições altamente complementares à segurança alimentar e nutricional.

Como vi em primeira mão, Thilsted também tem uma habilidade única de se conectar com pessoas independentemente de seu status social, desde mulheres agricultoras na zona rural de Bangladesh até altos funcionários da Nações Unidas. Gerações de jovens cientistas, inclusive eu, floresceram sob sua orientação e foram inspirados por sua notável visão, persistência, generosidade e compromisso com a nutrição das pessoas e do planeta.


Este artigo, de autoria de Ben belton, Professor Associado de Desenvolvimento Internacional, Michigan State University, foi publicado originalmente no Conversa. Ben Belton trabalha com a WorldFish como Líder Global para Inclusão Social e Econômica e trabalha em estreita colaboração com o Dr. Thilsted.

Imagem por Peixes do mundo no Flickr. CC BY-NC-ND 2.0

Ir para o conteúdo