Seja um voluntário

O impacto ambiental da produção de algodão 

No Dia Mundial de Combate à Desertificação e à Seca, Kathryn Galloway, especialista em comunicação sobre sustentabilidade na moda, reflete sobre o profundo impacto da indústria da moda nos recursos hídricos e na degradação dos solos.

Na última década, muitos de nós nos acostumamos a ouvir relatos sobre a natureza problemática da indústria da moda. Entre os diversos materiais utilizados na moda, o poliéster, em particular, tem má reputação, e com razão.  

A produção de fibras sintéticas, derivadas de combustíveis fósseis como o petróleo e o gás, não só esgota os recursos não renováveis, mas também contribui para as emissões de gases com efeito de estufa e para a poluição ambiental. De acordo com Relatório do Synthetics Anonymous 2.0 sobre sustentabilidade da moda, a quantidade de petróleo necessária para a produção anual de fibra sintética excede o consumo anual de Espanha, uma estatística surpreendente que sublinha a dependência da indústria dos combustíveis fósseis. 

Depois, há o problema dos microplásticos, um subproduto da lavagem de roupas sintéticas, que poluem os nossos oceanos e cursos de água. Dado que o poliéster é a fibra mais utilizada no mundo, encontrada em mais de metade de todos os têxteis, sem dúvida merece ser examinado. No entanto, focar apenas nos produtos sintéticos ignora outro têxtil problemático: o algodão.

O lado negro do algodão

Observe a etiqueta da roupa na parte interna da camiseta, blazer ou calça que você está usando agora. Há uma boa chance de que pelo menos algo que você veste seja feito de algodão. O mais utilizado natural fibra globalmente, o algodão é frequentemente visto como uma alternativa benigna e preferível às fibras sintéticas como o poliéster - afinal, é natural. Na verdade, o algodão traz consigo o seu próprio conjunto de problemas ambientais. 

De acordo com Programa de Meio Ambiente das Nações Unidas (UNEP), o cultivo do algodão ocupa 2.5% das terras aráveis ​​do mundo, mas consome 200,000 toneladas de pesticidas e 8 milhões de toneladas de fertilizantes anualmente, representando 16% e 4% da utilização global, respetivamente. 

O algodão também é conhecido por ser uma cultura que exige muita água em comparação com muitas outras fibras utilizadas na produção têxtil. Por exemplo, fibras sintéticas como poliéster ou náilon não necessitam de água para crescer, embora a água is utilizados em seus processos produtivos. Fibras naturais como cânhamo ou linho também podem exigir menos água do que algodão, dependendo das condições específicas de cultivo.  

A intensidade hídrica do cultivo do algodão é particularmente importante em regiões onde os recursos hídricos são limitados ou onde a agricultura compete com outros usos da água. Embora a necessidade exata de água para o cultivo do algodão varie muito dependendo de fatores como clima, tipo de solo, método de irrigação e variedade específica de algodão cultivado, o WWF estima que a produção de uma única camiseta de algodão requer cerca de 2,700 litros (713 galões) de água – o equivalente ao que poderia sustentar um ser humano por dois anos e meio. Este uso excessivo de água contribui significativamente para o estresse ambiental. 

Um exemplo claro do impacto do algodão nos recursos hídricos é o Mar de Aral – um lago de água salgada situado entre o Cazaquistão e o Uzbequistão. Outrora o quarto maior lago do mundo, o Mar de Aral foi quase drenado devido a um projecto de irrigação de algodão iniciado pela União Soviética na década de 1960. Na década de 2000, tinha perdido cerca de 90% do seu volume, levando a uma série de problemas ecológicos e sociais, incluindo a perda de pesca, aumento da salinidade e problemas de saúde entre as populações locais devido a tempestades de poeira provenientes do leito exposto do lago. O desaparecimento do Mar de Aral é um dos exemplos mais infames de como práticas agrícolas insustentáveis ​​podem levar a desastres ambientais.

Dia da Desertificação e da Seca: Um Chamado à Acção 

Isto leva-nos a uma questão mais ampla ligada ao algodão e outras formas de agricultura intensiva: a desertificação. A desertificação é o processo pelo qual terras férteis se tornam desertas devido a vários factores, incluindo seca, desflorestação e agricultura inadequada.  

Reconhecendo a importância de combater a desertificação e a seca, o Dia Mundial de Combate à Desertificação e à Seca é comemorado anualmente em 17 de Junho. Este dia tem como objectivo aumentar a consciencialização sobre a presença da desertificação e da seca, destacar métodos para prevenir a desertificação e recuperar da seca e promover a gestão sustentável dos recursos terrestres e hídricos. 

Sabemos que uma terra saudável é vital para a vida, fornecendo 95% dos nossos alimentos, abrigo, vestuário e meios de subsistência. Ainda, de acordo com a ONU, perdemos anualmente 100 milhões de hectares de terras saudáveis ​​devido a práticas insustentáveis. Abordar a sustentabilidade no sector da moda exige uma estratégia abrangente que vá além da produção têxtil responsável, mas é uma grande peça do puzzle. Medidas como a redução do uso de água e a diminuição do consumo de produtos químicos são essenciais para conservar recursos finitos, proteger os ecossistemas e mitigar as consequências sociais de práticas agrícolas insustentáveis. 

Fontes: 

https://www.un.org/en/observances/desertification-day

https://www.unccd.int/events/desertification-drought-day/2024


Ative o JavaScript em seu navegador para preencher este formulário.

Mantenha-se atualizado com nossos boletins


Imagens por Emma Dau on Unsplash

Ir para o conteúdo