Seja um voluntário

O novo ativismo pela mudança climática é emocional e é uma coisa boa

A distinção do novo ativismo das mudanças climáticas, escreve Louise Knops, é a improvável combinação de dois elementos, ciência e emoção. Estes desafiam crenças arraigadas e introduzem uma nova visão da mudança climática e sua possível resolução.

Esta artigo foi publicado originalmente em The Loop, o Consórcio Europeu para Pesquisa Política (ECPR)'s Political Science Blog, e é republicado aqui sob uma licença Creative Commons. A ECPR é membro do ISC.

É compartilhado em conjunto com a nova série do ISC, Transformar21, que irá explorar o estado de conhecimento e ação, cinco anos após o Acordo de Paris e em um ano crucial para a ação sobre o desenvolvimento sustentável.

No início de 2019, sob a influência da ativista sueca Greta Thunberg, o Movimento Juventude pelo Clima entrou em erupção na Bélgica, como a filial belga de 'Fridays for Future'. Dezenas de milhares de jovens ativistas marcharam pelas ruas, todas as semanas, para expressar sua indignação com a política e seu medo pelo futuro.

Essa mobilização extraordinária combinou duas características marcantes: o retorno do cientificismo moderno e a emotividade explícita. Isso é notável em um contexto onde as emoções e a racionalidade da ciência são muitas vezes opostas, e onde a retórica emocional é cronicamente desacreditada.

Por um lado, jovens ativistas climáticos estão implorando aos políticos para 'por favor, ouça a ciência!' Isso mostra a profunda batalha epistêmica em que a sociedade está engajada, e as consequências da atual instabilidade de verdade.

jovens ativistas estão mostrando uma saída do quadro tecnocrático que dominou a política de mudança climática e está nos impedindo de 'resolver' a 'crise climática'

Por outro lado, os ativistas estão pedindo a todos que se emocionem com isso, e isso é uma coisa boa. Como meu artigo recente em PRX revista discute, eles estão mostrando uma saída do quadro tecnocrático que dominou a política de mudança climática e está nos impedindo de 'resolver' a crise climática.

De resolver a 'sentir' a crise climática

Cientistas do clima reuniram evidências indiscutíveis do impacto ambiental do comportamento humano. Mas eles nem (sempre) nos deram as ferramentas para chegar ao cerne da mutação climática em curso. Isto é us, humanos, e humanos ocidentais em particular: a maneira como nos relacionamos uns com os outros, a maneira como visualizamos nossa posição entre outras espécies, a maneira como nos movemos, comemos e construímos nosso senso de identidade. E esse tecido humano não pode ser compreendido simplesmente por meio de estatísticas, números e gráficos. Trata-se também, fundamentalmente, de emoções e afetividade.

Negligenciar a dimensão afetiva das mudanças climáticas não é apenas problemático em um nível teórico abstrato. Também prejudica diretamente nossa capacidade de desenvolver novas formas de nos relacionarmos com o mundo. Para alguns estudiosos, o próprio destino dos humanos, como argumentado por Glenn Albrecht, repousa em nossa capacidade de navegar pelas 'emoções da Terra' (eco-luto, terrafúria, e solastalgia) e desenvolver novas sensibilidades afetivas.

jovens ativistas do clima entenderam, em um nível íntimo, que a crise climática não é apenas mais um problema a 'resolver'

Assim, exortando-nos com slogans de protesto 'para ficar com raiva e entrar em pânico'; 'amar e cuidar', 'acordar, agora!', os jovens ativistas estão, de fato, arrasando. Eles entenderam, em um nível íntimo, que a crise climática não é apenas mais um problema a 'resolver', como Bill Gates e outros afirmam continuamente.

Em vez disso, as mudanças climáticas e nossa entrada no Antropoceno são eventos que desafiam significados e crenças profundamente enraizados. Eles abrem novos 'futuros possíveis e configurações de desejo', e, como Marie-Louise Pratt nos diz, convidam os ocidentais a 'resituar-se no tempo-espaço-matéria da Terra'.

Ao tirar lições da recente onda de ativismo climático, devemos sentir não apenas o desejo de 'resolver' a crise. Devemos nos sentir atraídos a nos reconectar com o mundo natural. Em vez de observá-lo de longe, devemos nos sentir parte dele, não em cima dele. Devemos, como resume elegantemente Bruno Latour, descer à Terra e volte para o húmus of seres humanos.

Medo de navegar no Antropoceno

Entre todas as emoções expressas por jovens ativistas climáticos, alguns são mais adequados do que outros para nos fazer 'sentir' a crise climática e 'pousar' na Terra.

O medo, por exemplo, é muitas vezes concebido como uma emoção negativa. Mas capta a luta material expressa por jovens ativistas: apavorado por seus apegos a uma Terra que a maior parte do nosso comportamento está tornando inabitável. É o medo que permite aos jovens ativistas navegar temporalidades conflitantes das mudanças climáticas; do ritmo frenético da vida moderna à nossa geo-época de extinção em massa.

Aqui, o medo traz uma dimensão íntima para suas narrativas de colapso: nas projeções de suas próprias vidas e mortes futuras, e de seus futuros filhos (alguns ativistas renunciaram completamente à paternidade). Todos situados explicitamente contra os limites da Terra:

 queremos ter filhos, mas não em Marte!

O medo dos ativistas pelo futuro, combinado com a raiva, articula a nova divisão geracional entre: 'nós, os jovens' e 'você, que sabia, mas não fez nada, e continua roubando nosso futuro!'

Rompendo com a esperança

Em contraste com o medo, a esperança é geralmente percebida como uma emoção positiva. Mas isso ofusca sua natureza como um "prazer inconstante" e uma emoção que, uma vez decepcionada, pode se transformar em ódio, como Érika Tucker explica.

No geral, a esperança é vista positivamente porque nos eleva e nos impulsiona para frente. Mas a esperança também pode nos trancar na leveza das falsas ilusões. Portanto, a indignação esperançosa de jovens ativistas climáticos, em particular sua esperança remanescente nas instituições políticas existentes, pode não ser propícia ao 'pouso na Terra' que eles defendem.

Esta é uma contradição que os ativistas parecem estar cientes, como testemunham seus apoio recente de instituições democráticas alternativas por meio, por exemplo, da organização de assembleias de cidadãos, como defende o movimento de vizinhos Rebelião de Extinção.

Nós somos o clima

Muito mais poderoso do que a esperança é o amor que os ativistas climáticos expressam pela Terra. Amor, diz filósofo Baruch Spinoza, é 'uma união pela qual tanto o amante quanto o que é amado se tornam uma e a mesma coisa, ou juntos constituem um todo', seja humano ou não humano. É este amor que articula a identificação dos activistas com a Terra, retratados como vítimas de abusos económicos e humanos (ver por exemplo o seu slogan #Ela também).

Além disso, o amor reposiciona jovens ativistas entre outras espécies terrestres. Eles estão cientes das relações de dominação que os unem e sentem a culpa que vem com o mal infligido a um ente querido. É o amor que permite aos ativistas cruzar as fronteiras humano-não-humano e criar um sujeito que vai além de suas individualidades. Em suas próprias palavras, 'We são a natureza se defendendo'e'We são o clima'.


Louise knops
Doutorando, Vrije Universiteit Brussel

Louise é pesquisadora associada e membro do conselho do think-tank de ecologia política Etopia. Seus interesses de pesquisa vão desde teoria do afeto, estudos de movimentos sociais, política de mudanças climáticas e representação política.

Siga Luísa no Twitter @louise_knops

Leia mais sobre este tema em artigo de Louise para o jornal PRX


Este artigo apresenta as opiniões do(s) autor(es) e não necessariamente as do ECPR ou dos Editores de The Loop, nem do Conselho Internacional de Ciência.

Ir para o conteúdo