Seja um voluntário

Rumo à Década dos Oceanos da ONU – Perguntas e Respostas com Marie-Alexandrine Sicre

Trabalhar em silos na ciência oceânica pode ser desafiador, mas a Ocean Decade levará a novas oportunidades para compartilhar e usar o conhecimento, diz Marie Alexandrine Sicre, presidente da SCOR.

A comunidade científica oceânica está se preparando para o Década das Nações Unidas de Ciência do Oceano para o Desenvolvimento Sustentável, que terá início em 2021. Para saber mais, ouvimos Marie-Alexandrine Sicre, Presidente do ISC's Comitê Científico de Pesquisa Oceânica (SCOR). A SCOR faz parte do Grupo de Partes Interessadas de Ciência e Tecnologia do Oceano para a Década do Oceano.

O que mais te excita na década dos oceanos?

Muitas coisas! É um esforço global envolvendo cientistas, formuladores de políticas e outras partes interessadas. Se eu tiver que escolher, acho que o mais estimulante é mesmo a oportunidade de conhecer e interagir com uma ampla gama de stakeholders e trabalhar juntos em direção a um mundo mais sustentável para o bem comum – o que é desafiador porque estamos todos trabalhando em silos.

Estive envolvido em um programa multidisciplinar de 10 anos na região do Mediterrâneo, conhecida por sua excepcional história humana. Esta região foi transformada pelas mudanças climáticas e pelas atividades humanas desde o início da Neolitização. Compreender a interação entre clima, meio ambiente e sociedades humanas nesta transformação requer diálogo entre cientistas naturais, historiadores e arqueólogos. Essa foi minha primeira experiência de co-trabalho com cientistas de outras disciplinas na coprodução de conhecimento.

A Década dos Oceanos da ONU é semelhante, de certa forma, pois teremos que unir conhecimentos e trabalhar em conjunto com formuladores de políticas e outros para alcançar ações efetivas para os problemas que a sociedade enfrenta, pelo menos em questões oceânicas.

Se a Década oferece novas possibilidades de trabalho interdisciplinar, que tipo de tópicos científicos você espera que sejam mais desenvolvidos? Existem lacunas de conhecimento que devem ser abordadas?

Seis principais resultados ou objetivos sociais foram identificados para a Década dos Oceanos, mas para cada um desses resultados, cada região terá que atender às suas necessidades específicas. Isso foi feito por meio de workshops regionais de consulta em todo o mundo. No workshop regional em Nairobi, do qual participei no final de janeiro, o foco e as discussões foram sobre as questões ambientais e sociais que o Quênia e outros países africanos e estados insulares adjacentes estão enfrentando, que são diferentes das que estamos enfrentando em Europa.

Com o conhecimento que temos, já podemos abordar questões que preocupam a sociedade. Algumas ações já podem ser realizadas localmente. Mas outras questões oceânicas, como a acidificação, são mais difíceis de enfrentar porque exigem ação global e transformações sociais.

E as questões relacionadas com o oceano profundo?

O oceano profundo foi identificado como um tópico importante no roteiro para a década dos oceanos. Embora seja o maior espaço vivo da Terra, é em grande parte desconhecido porque é muito mais difícil de observar tecnicamente do que a superfície do oceano.

Muitas das ferramentas de observação disponíveis agora, como satélites, estão voltadas para a superfície do oceano. Os cruzeiros oceanográficos para explorar o oceano profundo são caros e produzem menos dados do que os satélites.

A biodiversidade do oceano profundo é, portanto, muito menos conhecida do que outros ecossistemas, como os corais, por exemplo. Existem especialistas em diferentes habitats de profundidade a trabalhar em diferentes bacias oceânicas, mas raramente têm a oportunidade de partilhar experiências, metodologias ou abordagens. Acho que esse tipo de oportunidade deve ser criado durante a década dos oceanos para dar visibilidade aos ecossistemas do oceano profundo. Tenho certeza de que eles levarão a descobertas emocionantes.

Esperamos que a década dos oceanos leve a algumas novas oportunidades de financiamento.

Atividades humanas, como mineração em alto mar ou exploração de petróleo offshore, impactam os ecossistemas bentônicos. Precisamos aprender sobre a saúde desses ecossistemas, como eles são impactados e como eles se recuperam, e também precisamos capacitar a ciência do fundo do mar nos países em desenvolvimento. A Década dos Oceanos da ONU fornecerá novos mecanismos para aprimorar as parcerias de financiamento público e privado para apoiar a pesquisa, bem como o desenvolvimento de novas tecnologias e, assim, oferecer oportunidades para o crescimento dos países em desenvolvimento.

O que você espera que resulte da Década dos Oceanos?

Com a Década dos Oceanos da ONU, percebi que não tiramos todos os benefícios do conhecimento que produzimos, por exemplo, para enfrentar os desafios sociais. O que me empolga na Ocean Decade é que vamos compartilhar nosso conhecimento de uma forma diferente e útil.

Os cientistas ainda não estão totalmente cientes de qual pode ser o seu papel dentro da Década, poucos estão realmente envolvidos na preparação da Década dos Oceanos, mas estou convencido de que mais avançarão com ela.

O que você diria aos cientistas que estão curiosos sobre a Década, mas não sabem como podem se envolver?

A Década da ONU é um grande desafio, mas também uma grande oportunidade de compartilhar conhecimento e experiência com engenheiros, formuladores de políticas, ONGs e sociedade civil. É muito fácil construir conhecimento a partir do que você lê ou do que você já sabe, mas é difícil pensar em como ele pode ser usado para outros propósitos.

Espero que os cientistas fiquem entusiasmados com a Década dos Oceanos. Exatamente o que isso significa para cada um de nós ainda não está claro, mas temos um papel de vanguarda a desempenhar. Somos cientistas, mas também somos cidadãos globais e temos a responsabilidade de ajudar a sociedade a encontrar soluções para problemas onde temos parte da resposta. Essa é a mensagem que eu gostaria de passar para as pessoas…


Foto: Gergana Georgieva (distribuído via imaggeo.egu.eu)

Ir para o conteúdo