Seja um voluntário

Transformando as cidades da África Austral em um clima em mudança - perguntas e respostas com Alice McClure da Universidade da Cidade do Cabo

O que podemos aprender sobre as mudanças climáticas com a crise hídrica da Cidade do Cabo e o uso da abordagem de pesquisa transdisciplinar?

Alice McClure é a Investigadora Principal do projeto LIRA intitulado “Transformar as cidades da África Austral em um clima em mudança”. Ela também está coordenando um grande projeto transdisciplinar - Resiliência futura para cidades e terras africanas (FRACTAL) - e fazendo doutorado. Em sua pesquisa, ela tenta compreender a dinâmica da pesquisa transdisciplinar e sua aplicação às mudanças climáticas. Nós conversamos com Alice para falar sobre seu projeto LIRA e também colher insights de sua compreensão da coprodução de conhecimento e da abordagem transdisciplinar.

P: Conte-nos sobre o problema no qual você está trabalhando com o projeto LIRA.

Alice: Estamos tentando entender os desafios dos tomadores de decisão nas cidades, quais são suas prioridades, particularmente relacionadas às questões socioeconômicas nas cidades, e como as mudanças climáticas as cruzam. Se não abordarmos as mudanças climáticas de maneira eficaz no nível da cidade, isso prejudicará os esforços para tornar as cidades e os assentamentos humanos inclusivos, seguros, resilientes e sustentáveis.

Um foco importante do projeto é pensar em adaptação transformativa, um termo que se tornou cada vez mais popular e tem significados variados. A primeira parte do projeto seria descompactar este termo de adaptação transformativa, particularmente no contexto de uma cidade da África Austral, pensando sobre o contexto histórico e político das cidades e os tipos de formas injustas que foram estabelecidas. Trabalharemos com os tomadores de decisão para entender a partir de sua perspectiva o que significa adaptação transformativa e revisar o amplo corpo da literatura que existe sobre adaptação transformativa, localizando a discussão dentro do contexto de uma cidade da África Austral. E então explorar caminhos potenciais para adaptação transformativa em duas cidades que usaremos como casos, Durban (África do Sul) e Harare (Zimbábue). Considerando que ambas as cidades enfrentam o desafio de gerenciar a água em condições climáticas variáveis, o fornecimento de serviços de água será usado como um caso para explorar a adaptação transformadora nessas cidades.

P: Por que as duas cidades - Durban e Harare?

Alice: Já construímos relações com as partes interessadas em Durban e Harare por meio do projeto FRACTAL. Durban tem uma agenda de adaptação avançada, o que a torna o “garoto-propaganda” da adaptação em cidades da África Austral. Harare é uma cidade que ainda não formulou uma agenda de adaptação. Eles estão em estágios bastante diferentes de seus caminhos de adaptação como cidades, mas enfrentarão problemas relacionados à água que irão piorar sob as condições das mudanças climáticas. Isso seria um bom caso para comparação entre as duas cidades diferentes.

P: Por que a adaptação é difícil para as cidades africanas?

Alice: As cidades são espaços muito complexos. Na África, há muita heterogeneidade cultural e social e injustiça socioeconômica (por causa de histórias opressivas) que precisam ser levadas em consideração nas decisões. Além dessa complexidade, as cidades estão se desenvolvendo muito rápido; projeta-se que no ano de 2050 cerca de 70% das pessoas vivam nas cidades. Isso significará rápida urbanização e aumento da pressão sobre os recursos humanos e naturais. Embora as cidades contribuam muito para os problemas relacionados às mudanças climáticas, elas também têm potencial para contribuir com soluções. O potencial para contribuir com soluções depende das decisões que são tomadas nas cidades agora e no futuro.

P: Que tipo de produção de conhecimento você espera gerar?

Alice: Esperamos publicar dois resultados acadêmicos: o primeiro sobre os aspectos de aprendizagem transdisciplinar e coprodução do projeto, e o segundo sobre o processo de adaptação transformativa e o que isso significa no contexto das cidades da África Austral. Além disso, esperamos publicar resultados que contribuam com o conhecimento para a tomada de decisão. Com o projeto FRACTAL, aprendemos que, se você pré-projeta os resultados dos impactos das políticas removidos do contexto, muitas vezes eles não se encaixam no contexto em que você está trabalhando. A forma que esses resultados teriam depende do processo de aprendizagem em cada uma das cidades e do contexto que se revela quando você começa a trabalhar com as partes interessadas. Acho que a parte mais importante do processo de coprodução são as discussões contínuas que ele proporciona entre pesquisadores e tomadores de decisão. Isso apóia o aprendizado e a orientação contínuos para ambos os lados, o que, por si só, é igualmente uma saída importante do processo de pesquisa.

P: Você diria que envolver as partes interessadas no processo de pesquisa ajuda a projetar pesquisas relevantes?

Alice: Sim, acho que é extremamente útil. A mudança climática já é uma questão complexa, não há uma solução linear para a mudança climática e não há uma maneira de enquadrar os problemas da mudança climática, especialmente no contexto de uma cidade africana. Para priorizar que tipo de coisas são tratadas e quem está envolvido nesse processo de priorização, você precisa se envolver com as partes interessadas o tempo todo. Um pesquisador de fora da cidade não entende as nuances das prioridades de tomada de decisão e as questões socioeconômicas da cidade. As informações que ela produz podem ser úteis e relevantes, mas para serem significativas para as decisões, é necessário conhecimento contextual. Se você tem partes interessadas envolvidas quase desde o início do projeto, você está constantemente aprendendo uns com os outros - os tomadores de decisão estão constantemente aprendendo com os pesquisadores e os pesquisadores estão constantemente aprendendo com os tomadores de decisão - para produzir ciência muito mais contextual. O processo de aprender juntos, entender uns aos outros e preencher a lacuna entre a academia e a sociedade é tão importante quanto o resultado final, embora seja um processo muito lento e longo e possa envolver muito estresse.

P: O envolvimento das partes interessadas ajuda a promover a aceitação da pesquisa?

Alice: Obviamente, há muito impulso criado em torno desses processos de coprodução que beneficia os tomadores de decisão. Manter esse ímpeto após o projeto é sempre muito difícil de fazer. No entanto, se os tomadores de decisão estiverem envolvidos desde o início e fizerem parte de um processo de aprendizagem contínuo, a conversa provavelmente continuará após o término do projeto. A aceitação do “produto” final (por exemplo, uma política de mudança climática) não é o único objetivo. O aprendizado promovido por meio da coprodução desses resultados com pesquisadores, tomadores de decisão, ONGs e outros grupos de partes interessadas também é muito importante.

P: Quais são os benefícios para as partes interessadas em fazer parte do processo de pesquisa?

Alice: Há muito esforço e energia direcionados para convidar diferentes grupos de partes interessadas (incluindo ONGs e tomadores de decisão) para fazer parte dos processos de aprendizagem nas cidades e ouvir esses grupos e compreender suas necessidades. Não chegamos a cada uma das cidades e falamos: “é isso que queremos fazer, e é assim que queremos suas contribuições nas diferentes etapas do projeto”. Em vez disso, dissemos: “estamos aqui para ouvir os problemas e as prioridades das partes interessadas na cidade e descobrir a melhor forma de todos trabalharmos juntos para contribuir para resolvê-los”. Em Lusaka, quatro resumos de políticas sobre água e mudanças climáticas foram co-produzidos e, em Windhoek, o processo de aprendizagem deu início ao desenvolvimento da Estratégia e Plano de Ação de Windhoek para Mudanças Climáticas (CSSAP). A cidade de Windhoek viu tanto valor nos processos de aprendizagem que se comprometeu a manter plataformas de aprendizagem inclusivas após o término do projeto. Acho que um dos principais benefícios do processo de coprodução para os tomadores de decisão é que as questões podem ser exploradas profundamente, já que a academia oferece um ambiente mais reflexivo e crítico. Os resultados desses exercícios podem ser utilizados nos processos de coprodução para informar as decisões que precisam ser tomadas rapidamente nas cidades.

P: Quais são alguns dos desafios que você encontra como resultado do envolvimento das partes interessadas na pesquisa?

Alice: Há muitas coisas interessantes em fazer esse tipo de trabalho, assim como desafios. Os desafios geralmente envolvem tentar entender o contexto adequadamente em cada uma das cidades e limitar a questão do foco quando há tanta complexidade. Em algumas cidades, pode haver uma barreira de idioma e também a maneira como as coisas funcionam nas cidades em termos de como as decisões são tomadas são muito diferentes. Outro desafio em algumas cidades é que os stakeholders com os quais você se relacionou e agora são os campeões do projeto podem ser realocados para outras partes do país; isso pode ser difícil. E então ter pessoas com experiências e percepções diferentes que são trazidas para esses processos de pesquisa “mais calorosos” traz à tona tensões que precisam ser gerenciadas de maneira adequada. A transdisciplinaridade, com seu foco em diferentes grupos de partes interessadas, requer inteligência emocional.

P: Qual seria o melhor cenário para o impacto da pesquisa?

Alice: O melhor cenário seria que os grupos de partes interessadas em Durban e em Harare se unissem dentro e entre as cidades para formar relacionamentos sólidos e definir objetivos que podem continuar após o final do projeto LIRA. Será emocionante imaginar caminhos de desenvolvimento ou respostas de adaptação que eliminem alguns dos aspectos injustos do sistema da cidade em Durban e Harare.

[IDs dos itens relacionados=”636,6631″]

Ir para o conteúdo