Seja um voluntário

Professor Carlos Lopes sobre por que a África precisa se ater às energias renováveis ​​apesar da tentação do gás

A África tem um imenso potencial de energia renovável. Mas um aumento significativo nas finanças, acompanhado por uma mudança de mentalidade, é necessário para fortalecer o caso de negócios para as energias renováveis, escreve o ISC Fellow Carlos Lopes.

Esta entrevista faz parte de uma série de perspectivas de Fellows do ISC e outros membros da rede do ISC sobre a próxima Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP27), que será realizada de 6 a 18 de novembro de 2022 em Sharm El Sheikh, Egito.

Este artigo foi originalmente publicado na plataforma The African Climate Conversation, hospedada pela British International Investment, a instituição financeira de desenvolvimento do Reino Unido – líder global no fornecimento de financiamento climático para nações africanas. A plataforma pode ser encontrada em www.bii.co.uk/african-climate-conversation.

O que a África deve fazer com seu gás? É uma questão que será central para os procedimentos da COP27 no Egito em novembro. E desde a invasão da Ucrânia, a questão ganhou um relevo ainda mais acentuado, à medida que os líderes europeus lutam para descobrir como tirar suas economias do petróleo e do gás russos baratos.

E enquanto eles, pelo menos em particular, ainda expressam seu entusiasmo pelas economias africanas para “abraçar uma rápida transição para as energias renováveis”, uma nova advertência surgiu em particular: “Apenas talvez ainda não…”

Esse pragmatismo para garantir fontes alternativas de gás não surpreende. Diante da inflação de dois dígitos e de uma recessão iminente, por que os governos europeus não olhariam para as nações africanas ricas em gás natural que ainda está em grande parte a ser explorado?

Tendo em conta os desenvolvimentos recentes, é inteiramente legítimo que os líderes políticos africanos questionem se devem também alterar o seu calendário de transição energética. Por que as nações africanas não deveriam explorar o gás para acelerar o caminho para a industrialização e a prosperidade?

E eles teriam todo o direito de ter esse pensamento. A questão então passa a ser: “O investimento em gás é uma boa aposta ou não?” Minha opinião é que não é.

Até agora tem sido fácil dizer que as nações africanas devem evitar investimentos em combustíveis fósseis por causa do grande custo da transição e da questão dos ativos ociosos – a infraestrutura e, do ponto de vista financeiro, o acúmulo de dívida que o acompanha. Mas a situação atual na Ucrânia tornou o debate muito menos claro, então explicações adicionais são necessárias.

Em primeiro lugar, a África tem um imenso potencial de energia renovável. Se você deve escolher sua fonte de energia, escolha aquela que o projeta no futuro. Para a maioria das nações africanas, as energias renováveis ​​estão prontamente disponíveis. Portanto, os combustíveis fósseis sempre serão a escolha errada quando você tiver alternativas.

Em segundo lugar, o gás nunca é uma boa aposta porque a dependência do combustível fóssil estabelece uma economia baseada em estoques. As energias renováveis ​​são baseadas em “fluxos” em vez de estoques. Quando se trata de qualquer “estoque” de commodities, os africanos estão sempre no lado receptor de quaisquer regimes comerciais. Os africanos não refinam, os africanos não transportam combustíveis fósseis, então você está criando toda uma economia baseada na exportação de commodities, no exato momento em que todos estão pensando apenas em transição.

E em terceiro lugar, os investidores privados ocidentais em gás não estão muito interessados ​​no argumento dos ativos ociosos. Eles serão cobertos por garantias soberanas que minimizam seu risco.

Dito isso, os líderes africanos são, em geral, pragmáticos. A emergência climática não é culpa deles, e eles sabem que investimentos significativos em gás em seus países mal mudarão o indicador em termos de emissões globais totais. Isso significa que eles optarão por combustíveis fósseis, a menos que certas condições para o desenvolvimento renovável sejam atendidas.

Primeiramente, é preciso haver um pivô significativo para o financiamento de energias renováveis. E isso exigirá uma subscrição total do risco para investidores privados investirem capital em tais projetos. Compromissos multibilionários precisam ser feitos em esquemas de compensação de risco e seguro de risco para despertar os mercados de investimento. Isso inclui garantias soberanas, mas não necessariamente dos governos africanos.

Isso melhorará significativamente o número de projetos que chegam ao mercado e aliviará a situação atual em que você corre o risco de ver o capital de desenvolvimento competindo pelos relativamente poucos projetos “bancáveis” que surgem.

Os bilhões prometidos para financiamento verde das nações ricas aos países em desenvolvimento têm sido uma história decepcionante que desviou a atenção das necessidades financeiras reais. O fosso entre as promessas e a realidade está a aumentar e os líderes africanos simplesmente já não acreditam no que lhes é dito.

E é preciso haver uma mudança na mentalidade dos governos e investidores ocidentais em relação às energias renováveis ​​na África. Por exemplo, pegue o hidrogênio verde. Os atores ocidentais veem o investimento em hidrogênio verde na África como investir em qualquer outra mercadoria, como grãos de café ou lítio ou qualquer outro produto destinado à exportação para satisfazer a necessidade de mercados ricos. Os líderes africanos seriam mais favoráveis ​​às energias renováveis ​​se os acordos de investimento fossem concebidos para desenvolver corredores de industrialização nos seus próprios países. Essa premissa nem faz parte da narrativa no momento.

Em tal ambiente, o clamor por gás fica mais alto. A COP27 não vai mudar as tendências acima no curto prazo. Mas pode ser usado para mudar a narrativa – aceitar a estrutura atual para o debate é errado. Precisamos rever como definimos vantagens comparativas que parecem apenas confortar as exportações de commodities, ou sistemas regulatórios que penalizam os retardatários. Só então poderemos compreender plenamente por que o argumento do gás africano é tão fundamentalmente falho.

Os líderes africanos querem energias renováveis, mas o business case deve fazer sentido. Afinal, eles são tão pragmáticos quanto os outros.


Carlos Lopes

Carlos Lopes é bolsista do ISC. Ele é Professor na Mandela School of Public Governance, University of Cape Town, África do Sul, Professor Visitante na Sciences Po, Paris, França. Ele é o ex-secretário executivo da Comissão Econômica das Nações Unidas para a África.

Este artigo foi originalmente publicado na plataforma The African Climate Conversation, hospedada pela British International Investment, a instituição financeira de desenvolvimento do Reino Unido – líder global no fornecimento de financiamento climático para nações africanas. A plataforma pode ser encontrada em www.bii.co.uk/african-climate-conversation.

As opiniões expressas neste artigo são do próprio colaborador e não refletem necessariamente a política de investimento do BII ou a política do governo do Reino Unido.


Imagem cortesia de BII.

Ir para o conteúdo