Diante das ameaças climáticas, não podemos nos dar ao luxo de não agir

A comunidade científica deve ser ativa e firme ao falar sobre a crise climática e avançar na ciência para entender melhor as mudanças climáticas e as estratégias de mitigação, escreve Daya Reddy, presidente inaugural do ISC.

Ciclone danifica Mianmar

Este blog faz parte de uma série de perspectivas de Fellows do ISC e outros membros da rede do ISC sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP27), que acontece de 6 a 18 de novembro de 2022 em Sharm El Sheikh, Egito.

A situação é desesperadora. Ouvimos nos últimos dias da agência de meio ambiente da ONU que há “nenhum caminho credível para 1.5 graus C no local”. As consequências: devastações contínuas na forma de inundações, temperaturas extremas e coisas piores.

A avaliação de que estamos nos aproximando do ponto de mudanças irreversíveis, se isso já não foi alcançado, certamente deve galvanizar todos os setores, principalmente os governos, para tomar as ações dramáticas que estão faltando, apesar da contínua insistência e súplica dos cientistas e sociedade civil.

A alternativa, de sucumbir à paralisia ou à sensação de impotência, simplesmente não é aceitável. Em particular, não é uma opção para aquelas comunidades, principalmente nos países menos desenvolvidos, que neste momento são mais vulneráveis ​​às ameaças representadas pelas mudanças climáticas: os 680 milhões de pessoas que vivem em áreas costeiras de baixa altitude, bem como os países que abrigam 90% dos pobres rurais de baixa altitude do mundo e estão sob maior ameaça como resultado do aumento do nível do mar.

Inundações catastróficas no Paquistão mataram mais de 1,500 pessoas e afetaram 33 milhões, arrastando aldeias inteiras. Doenças e doenças que ameaçam a vida estão agora se espalhando entre as comunidades deslocadas que já lutam contra a instabilidade econômica e política.

As transições para uma sociedade de baixo carbono têm sido muito lentas, e os compromissos de financiamento climático, como o Fundo dos Países Menos Desenvolvidos (LDCF), estão muito atrasados ​​na etapa da promessa aos fluxos de financiamento.

O que pode ser feito para garantir os tipos de ação que até agora não ocorreram, ou que o fizeram muito lentamente? Não podemos nos dar ao luxo de levantar as mãos e não fazer nada. Vimos exemplos de ações concertadas, mesmo que imperfeitas, dos governos em relação ao COVID-19. Outro exemplo, mais próximo do clima, é a ação concertada dos governos para Restringir o uso de clorofluorcarbonos ou CFCs, seguindo a evidência incontestável do buraco na camada de ozônio. Portanto, é possível que os governos tomem uma ação coletiva e resoluta, e os apelos para tal ação devem continuar.

A comunidade científica em particular deve ser vocal e firme em expor as realidades da crise climática e de nosso atual estado precipitado, e deve desafiar os governos a passar do compromisso – ou pior, indecisão – à ação. Muitas das ações desejadas visando um futuro sustentável e equitativo de baixo carbono exigirão a colaboração entre os governos e entre os setores político e civil da sociedade. Organismos internacionais como o ISC, com seus crescentes vínculos e reconhecimento dentro do sistema intergovernamental, e seu compromisso com o multilateralismo, estão em uma posição especial de poder se engajar no tipo de diplomacia científica que trará o passo essencial de uma e cooperação relevante mais próxima da realização.  

Ao mesmo tempo, o trabalho científico deve continuar. As atividades de atribuição de eventos extremos são vitais para estimar o número e a intensidade dos riscos climáticos extremos causados ​​pelas mudanças climáticas antropogênicas e para o desenvolvimento de estratégias preventivas e de mitigação. É importante que esta inestimável pesquisa matemática e estatística continue, que cresça em escopo e que a mensagem seja transmitida constantemente trazendo seus resultados à atenção dos governos e da sociedade em geral.


Daya Reddy

Professor Emérito de Matemática Aplicada da Universidade da Cidade do Cabo (UCT), África do Sul, Presidente Inaugural do ISC 2018-2021, Fellow do ISC.


Imagem por Relatório de Terra via Flickr.

Compartilhar

Ir para o conteúdo