As origens do IPCC: como o mundo acordou para as mudanças climáticas

Por ocasião do 30º aniversário do IPCC, destacamos a série de eventos cruciais em 1980-85 que alertaram os cientistas para a urgência de abordar as mudanças climáticas, levando os políticos à ação e, finalmente, levando ao nascimento da ciência climática mundial. órgão de avaliação.

Primeira sessão do IPCC em 1988. Foto: IPCC

Esta é a primeira parte de uma série de blogs de três partes que marca o 30º aniversário do IPCC.

“De repente, estávamos vendo um problema que as pessoas pensavam que estaria a cem anos de distância na próxima geração.”

Em 1985, Jill Jäger, cientista ambiental, participou de uma reunião em uma pequena cidade nos Alpes austríacos. A reunião, presidida por um meteorologista chamado Bert Bolin, foi uma pequena reunião de cientistas do clima com a intenção de discutir os resultados de uma das primeiras avaliações internacionais do potencial de mudança climática induzida pelo homem. Falando à BBC em 2014, Jäger lembra como ela saiu do evento com a sensação de que “algo grande está acontecendo […] a grande aventura aqui foi juntar todas as peças e obter esse quadro completo e podemos ver que as mudanças estão chegando muito mais rápido”.

A reunião de Villach de 1985 foi a culminação de um processo em que três organizações internacionais – ICSU, PNUMA e OMM – uniram forças para trazer um tema para a agenda política internacional que até então estava confinado às páginas de revistas científicas e dentro dos muros das salas de conferência: a ameaça das mudanças climáticas antropogênicas. A reunião acabou sendo a faísca que acendeu o fogo que despertou os governos do mundo, levando à criação do IPCC em 1988.

Esta é a história pouco conhecida de cientistas que se reúnem para reunir seus conhecimentos sobre uma questão que a maioria estudava como um fenômeno dentro de sua própria disciplina. Quando o fizeram, perceberam que o que estava no horizonte era tão grande que precisava da atenção urgente dos formuladores de políticas – e uma colaboração entre as comunidades políticas e científicas que nunca havia sido tentada.

Origens: Descobrindo as primeiras pistas sobre as mudanças climáticas

Os primeiros indícios dos possíveis efeitos das emissões de CO₂ feitas pelo homem pelos cientistas – incluindo que isso poderia levar a um efeito estufa – voltar ao século 19. Mas foi apenas na segunda metade do século 20 que a comunidade científica realmente se interessou. Um momento chave na construção do conhecimento científico foi a Ano Geofísico Internacional (AGI) organizado pelo ICSU em 1957. O AGI foi um esforço internacional marcante para entender melhor o sistema da Terra – sem precedentes em escopo e alcance internacional, com a participação de quase 70 países. Um dos cientistas que recebeu financiamento para seus projetos neste ano foi um jovem cientista americano, Charles D. Keeling. Ele estabeleceu a primeira medição permanente dos níveis de CO₂ na atmosfera a partir de uma base de pesquisa em Mauna Loa, Havaí. Suas medições continuam até hoje e ficaram conhecidas como a curva de Keeling – mostrando um aumento implacável nos níveis atmosféricos de CO₂ desde então.

Em 1967, o ICSU e a OMM lançaram um programa global para entender melhor o comportamento da atmosfera e a base física do clima. O objetivo do Programa Global de Pesquisas Atmosféricas (GARP) era melhorar os modelos usados ​​para previsão do tempo, mas acabaria sendo atraído para a questão climática. Em 1967, um estudo notou que a duplicação do teor de CO₂ da atmosfera levaria a um aumento na temperatura média global de 2°C. Na década seguinte, outros pesquisadores constataram que já havia ocorrido um aumento da temperatura média no hemisfério norte nas primeiras décadas do século XX. A questão em aberto na época era se isso era uma variação natural ou uma mudança induzida pelo homem. Isso estimulou o interesse pelas mudanças climáticas, por exemplo, nas comunidades de ecologia e geologia. Em 1980, o ICSU e a OMM decidiram transformar o programa GARP em um fórum de cooperação internacional em pesquisa climática. O GARP tornou-se o Programa Mundial de Pesquisa Climática (WCRP), ainda fazendo contribuições importantes para a ciência climática moderna.

Houve, no entanto, muito pouco esforço para sintetizar o conhecimento disponível sobre o fenômeno das mudanças climáticas. Uma avaliação inicial foi preparada pelo Academia Nacional de Ciências dos EUA em 1977, destinado a um público científico. Em 1979, a OMM e o PNUMA organizaram a primeira Conferência Mundial sobre o Clima. No entanto, a conferência concentrou-se quase exclusivamente na base física das mudanças climáticas. Faltou contribuições de outras disciplinas e, além de pedir mais recursos para a pesquisa climática, não fez nenhuma tentativa de sair dos círculos acadêmicos e conscientizar sobre o assunto.

Villach I: Juntando as peças do quebra-cabeça

Pouco depois, no entanto, ICSU, PNUMA e OMM decidiram que era hora de mudar. Eles convocaram uma reunião diferente. Era hora de os cientistas saírem dos silos de suas disciplinas individuais. Era hora de reunir o conhecimento acumulado pelos estudos nacionais. Em outubro de 1980, eles chamaram a elite da ciência climática global para Villach para montar as peças do quebra-cabeça. A reunião foi um encontro íntimo e internacional de cientistas de alto nível que estudam os fenômenos das mudanças climáticas, reunindo físicos, químicos, meteorologistas, geógrafos e outras disciplinas.

Peter Liss, um oceanógrafo químico, participou da reunião. Ele lembra que “Villach 1980 foi um encontro seminal. Foi quando os cientistas se convenceram de que isso era sério. Os modelos estavam nos dizendo que isso ia acontecer.” Ele lembra que foi a primeira vez que cientistas de diferentes disciplinas reuniram o estado do conhecimento dentro de seu campo para traçar um quadro maior. “As pessoas estavam trabalhando em muitos aspectos diferentes na época, mas isso juntou tudo, mostrando que esse era um grande problema global”, diz ele. Elaboraram uma declaração que alertava que “a probabilidade de que esses impactos potencialmente graves possam ser realizados é suficientemente grande” para justificar um esforço conjunto para melhorar o entendimento das mudanças em curso e que “é essencial que a pesquisa aqui proposta seja em caráter de urgência”.

No entanto, na época, os resultados da reunião não foram amplamente divulgados. Em seu relato semi-autobiográfico da criação do IPCC, Bert Bolin, que presidiu a reunião, descreve como na viagem de trem para casa daquela conferência, ele e outros participantes discutiram que algo maior era necessário. Bolin diz ter uma visão clara de que “uma análise que fosse mais ampla em escopo, mais profunda e mais internacional era mais desejável”.

Villach 1985: Um chamado aos formuladores de políticas

Essa análise foi iniciada pelo PNUMA logo após a conferência. Tornou-se o relatório “A avaliação do papel do dióxido de carbono e de outros gases de efeito estufa nas variações climáticas e impactos associados”. Em 1985, uma segunda conferência de Villach, novamente organizada pelo ICSU, PNUMA e OMM, reuniu-se para discutir os resultados do estudo. Ficou claro que o efeito combinado de todos os gases de efeito estufa poderia significar que o equivalente a dobrar as concentrações atmosféricas de CO₂ poderia estar no horizonte antes de meados do século XXI. A mudança climática estava se tornando uma questão muito mais urgente do que se pensava anteriormente.

Os cientistas concluíram que as convicções atuais que orientam os investimentos e as decisões sociais que se baseiam na estabilidade do sistema climático “não são mais uma boa suposição”, porque se espera que os gases de efeito estufa causem um aquecimento das temperaturas globais “maior do que qualquer outro na história do homem. .” Pela primeira vez, eles pediram uma colaboração entre cientistas e formuladores de políticas, afirmando que os dois grupos “devem iniciar uma colaboração ativa para explorar a eficácia de políticas e ajustes alternativos”.

A conferência de Villach de 1985 recomendou que uma força-tarefa estudasse mais a questão, e o ICSU, a OMM e o PNUMA formaram o “Grupo Consultivo sobre Gases de Efeito Estufa (AGGG)”, com dois membros indicados por cada organização. O grupo estava mais voltado para informar a liderança das três organizações, em vez de se envolver com os formuladores de políticas. Suas limitações logo se tornaram óbvias.

A camada de ozônio, secas e um momento midiático

Até então, no entanto, o ímpeto político havia aumentado. Possivelmente vendo uma oportunidade após o processo que levou ao Protocolo de Montreal sobre Substâncias que Destroem a Camada de Ozônio, o Diretor Executivo do PNUMA, Mostafa Tolba, pressionou por uma convenção internacional sobre mudança climática. Em Toronto, a “Conferência Internacional sobre a Atmosfera em Mudança: Implicações para a Segurança Global” emitiu um alerta severo: o impacto humano no planeta estava levando a uma infinidade de mudanças ambientais, desde o esgotamento da camada de ozônio até o aquecimento global e o aumento do nível do mar, e “provavelmente causaria graves deslocamentos econômicos e sociais”. Um verão excepcionalmente quente nos EUA gerou preocupações com a segurança alimentar, trazendo o assunto para discussões públicas. Em parte devido ao apoio de partes do influente governo dos EUA, logo estava em andamento o planejamento de um mecanismo intergovernamental de política científica que deveria criar avaliações regulares do estado da ciência sobre as mudanças climáticas, seus impactos e possíveis estratégias de resposta.

Tanto a comunidade política quanto a científica agora concordavam que a ação era necessária. De repente, houve uma tempestade perfeita. O fato de que havia um corpo crescente de conhecimento que precisava ser avaliado, que os governos estavam começando a ver a necessidade de tal avaliação e os esforços de convocação da OMM e do PNUMA. Os cientistas envolvidos nas reuniões de Villach, por outro lado, sentiram que, agora que conseguiram trazer o assunto para a agenda política, era apropriado manter a independência da pesquisa. O trabalho científico deve ser realizado independentemente de qualquer governo.

É por isso que o ICSU na época se concentrou em reunir a comunidade científica em torno das grandes questões de pesquisa em mudança climática, ecologia global e biogeoquímica. Fundou o Programa Internacional Geosfera-Biosfera (IGBP) em 1986, que se tornou um importante fornecedor de conhecimento para as avaliações do IPCC. Em 2014, o IGBP fundiu-se com outros dois programas de pesquisa ambiental patrocinados pelo ICSU (o Programa Internacional de Dimensões Humanas (IHDP) e DIVERSITAS), para formar o Future Earth, que agora está trabalhando para fornecer as bases científicas para um futuro sustentável. O WCRP continua suas contribuições para a análise e previsão das mudanças climáticas como parte da mudança do sistema terrestre.

A natureza intergovernamental do novo órgão de avaliação, por outro lado, fez com que ele se encaixasse naturalmente nas atribuições da OMM e do PNUMA, ambas organizações intergovernamentais. Eles formaram o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) em 1988, cujo aniversário estamos comemorando esta semana. Feliz aniversário, IPCC!

Leitura adicional:

  • Agrawala, Shardul: Contexto e origens iniciais do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. Mudança Climática (1998) 39: 605. https://doi.org/10.1023/A:1005315532386
  • Bolin, Bert: Uma História da Ciência e Política das Mudanças Climáticas: O Papel do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. Universidade de Cambridge, Cambridge, 2007.

Compartilhar

Ir para o conteúdo