Convoca especialistas para participarem na reunião de definição do Sétimo Relatório de Avaliação do IPCC | prazo: 3 de junho

Por favor, envie sua indicação ao ISC até 3 de junho

Convoca especialistas para participarem na reunião de definição do Sétimo Relatório de Avaliação do IPCC | prazo: 3 de junho

O Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC) convidou o Conselho Científico Internacional a nomear especialistas para participarem na Reunião de Definição do Âmbito do Sétimo Relatório de Avaliação do IPCC (AR7), a realizar provisoriamente em dezembro de 2024 em Kuala Lumpur, Malásia.

A Reunião de Definição do Âmbito resultaria num projecto de Documento de Definição do Âmbito descrevendo os objectivos e os contornos anotados dos três Relatórios do Grupo de Trabalho (incluindo a actualização do Diretrizes Técnicas do IPCC de 1994 sobre Adaptação em conjunto com o Relatório do Grupo de Trabalho II), bem como o processo e o cronograma para sua preparação, que seria então considerado durante a 62ª Sessão do Painel no primeiro trimestre de 2025.

Os participantes na Reunião de Definição do Âmbito devem ter uma compreensão ampla das alterações climáticas e questões relacionadas, e devem colectivamente ter conhecimentos especializados nas seguintes áreas:

Grupo de Trabalho I

• Observação, monitorização de variáveis ​​climáticas, reanálises (oceano, atmosfera, criosfera, terra, água doce, costas), compreensão de processos (ciclo da água, forças climáticas de curta duração e qualidade do ar, outros processos do sistema climático).

• Modelagem climática (global, modelos do sistema terrestre, regional, acoplado, oceano, atmosfera, criosfera, terra, hidrologia, química e biogeoquímica) e avaliação de modelos.

• Climatologia estatística (tendências, extremos, atribuição, redução de escala e correção de preconceitos, restrições de observação, IA, …), tendências globais e regionais recentes.

• Projeções conjuntas de curto e longo prazo, enredos, emuladores, incertezas, orçamento de carbono.

• Serviços climáticos e ferramentas de apoio à decisão (experiência de trabalho com partes interessadas).

• Resultados climáticos de alto impacto e mudanças abruptas, incluindo pontos de ruptura, eventos agravados e em cascata.

• Aspectos físicos dos recursos renováveis ​​(Energia, Água, …).


Grupo de Trabalho II

• Impactos, perdas e danos, e vulnerabilidade e risco para recursos naturais (por exemplo, terra, água doce, biodiversidade e oceanos), humanos (por exemplo, segurança humana, mobilidade e migração, saúde, sectores económicos, pobreza, meios de subsistência e património cultural), e sistemas humanos-naturais geridos com implicações para o desenvolvimento resiliente às alterações climáticas.

• Avaliar a adaptação às alterações climáticas: Métodos de monitorização, definição de indicadores, métricas e metas, medição da eficácia política observada e projectada em múltiplas escalas temporais e espaciais.

• Cenários e avaliações de políticas integradas de adaptação, mitigação e desenvolvimento em múltiplos níveis de governação (local a multinacional), tendo em conta o género, a equidade, a justiça e/ou o Conhecimento Indígena e os conhecimentos locais.

• Agregação de informações sobre impactos, vulnerabilidade, adaptação e riscos para assentamentos (rurais, urbanos, cidades, pequenas ilhas) e infra-estruturas e sistemas (por exemplo, saneamento e higiene, água, alimentação, nutrição, segurança económica e energética, indústria, saúde e bem-estar, mobilidade).

• Necessidades de adaptação, opções, oportunidades, restrições, limites, condições favoráveis, impactos políticos e factores de influência, incluindo contribuições da governação, finanças, direito, psicologia e sociologia.

• Dimensão global das respostas de adaptação: incentivos financeiros, resposta a perdas e danos, equidade, justiça, finanças e governação, etc.

• Impulsionadores socioculturais, psicológicos, políticos e legais da tomada e implementação de decisões.


Grupo de Trabalho III

• Respostas de mitigação nos domínios da energia, indústria, transportes, edifícios, agricultura, silvicultura, utilização dos solos e resíduos; Planeamento de sistemas energéticos (incluindo armazenamento de energia, gestão do lado da procura, tecnologias de fornecimento de energia, etc.).

• Opções de mitigação intersectoriais que abrangem sistemas terrestres, costeiros e oceânicos, incluindo acoplamento sectorial, remoção de dióxido de carbono, captura e armazenamento de carbono, captura e utilização de carbono, etc.

• Tendências de emissões (padrões de consumo, comportamento humano e tendências de emissões, incluindo aspectos económicos, sociológicos e culturais).

• Cenários e transições nas escalas global, nacional, regional e local.

• Governação (políticas, instituições, acordos e instrumentos) aos níveis internacional, nacional e subnacional, incluindo transições justas de sectores e sistemas.

• Mitigação e desenvolvimento sustentável (construção de capacidades; inovação, transferência e adopção de tecnologia; condições facilitadoras relacionadas; cooperação internacional).

• Aspectos económicos e financeiros das opções de mitigação.


Áreas transversais de especialização

• Integração de diferentes formas de conhecimento e dados relacionados com o clima, incluindo Conhecimento Indígena, conhecimento local e conhecimento baseado na prática.

• Informações climáticas regionais (incluindo terrestres, oceânicas e costeiras) e sectoriais.

• Remoção de Dióxido de Carbono, Modificação da Radiação Solar e impactos/feedbacks associados ao Sistema Terrestre.

• Cenários e caminhos, incluindo clima físico, impactos e adaptação, mitigação, desenvolvimento, viabilidade e considerações socioculturais (equidade, ética, finanças).

• Co-benefícios, impactos evitados, riscos e co-custos de mitigação e adaptação, incluindo: interacções e compromissos, desafios tecnológicos e financeiros, opções e implementação e opções de baixo risco.

• Dimensões éticas e de equidade das alterações climáticas, desenvolvimento sustentável, género, erradicação da pobreza, meios de subsistência, saúde e segurança alimentar.


Embora as linhas gerais finais dos Relatórios possam não incluir todas as áreas listadas acima, o IPCC solicita amplo conhecimento especializado para determinar áreas robustas a serem consideradas. Ao selecionar os participantes da reunião de definição do âmbito, serão tidos em conta os seguintes critérios: conhecimentos científicos, técnicos e socioeconómicos, incluindo a variedade de pontos de vista; representação geográfica; uma mistura de especialistas com e sem experiência anterior no IPCC; equilíbrio de género; e especialistas com experiência em grupos relevantes de partes interessadas e usuários, incluindo profissionais, representantes do setor privado, organizações intergovernamentais e não governamentais e governos.

Como nomear

O ISC convida sua comunidade a nomear especialistas relevantes. Todas as nomeações devem indicar claramente a área de especialização do nomeado. Observe também que o trabalho da Reunião de Definição de Escopo será conduzido apenas em inglês.

Como o ISC precisa revisar todas as indicações e carregá-las, envie o formulário preenchido formulário de indicação juntamente com um currículo (máximo 4 páginas) em inglês by 3 de Junho de 2024 para Katsia Paulavets, Diretora Científica Sênior da katsia.paulavets@council.science.

Contato

Katsia Paulavets
Oficial Científico Sênior (katsia.paulavets@council.science)

VER TODOS OS ITENS RELACIONADOS

Ir para o conteúdo