Episódio 4 – Reconstruindo o 'Farol do Conhecimento' de Mosul

ISC Presents: Science in Times of Crisis lançou seu quarto episódio com foco nas implicações da crise no Iraque na ciência, infraestrutura científica, colaboração científica e cientistas individuais.

Episódio 4 – Reconstruindo o 'Farol do Conhecimento' de Mosul

ISC Apresenta: Ciência em Tempos de Crise é uma série de podcast em 5 partes que explora o que significa viver em um mundo de crise e instabilidade geopolítica para a ciência e os cientistas de todo o mundo.

No episódio 4, fomos acompanhados pelo Dr. Alaa Hamdon, que forneceu uma perspectiva pessoal como professor de sensoriamento remoto e especialista em gerenciamento de riscos de desastres na Universidade de Mosul, no Iraque.

Cópia

Holly Sommers: Vivemos em uma época em que guerras, conflitos civis, desastres e mudanças climáticas impactam quase todos os cantos do globo e a crise é, em muitos aspectos, uma inevitabilidade. Junto com isso está a geopolítica sensível que molda a maneira como os formuladores de políticas e os governos se preparam e reagem a essas crises.

Sou Holly Sommers e nesta série de podcasts em 5 partes do International Science Council, exploraremos as implicações para a ciência e os cientistas de um mundo caracterizado por crises e instabilidade geopolítica.

Neste episódio, discutiremos o impacto da crise, especificamente do conflito, em um cientista individual, o Dr. Alaa Hamdon, de Mosul, no Iraque. Gravado em uma série de notas de voz durante cortes de energia no Iraque, conversamos com Alaa sobre sua experiência antes, durante e depois da tomada de Mosul pelo ISIS em junho de 2014. Discutimos o impacto da crise em sua vida pessoal, acadêmica e profissional, bem como a importante reconstrução do que Alaa chamou de 'o farol do conhecimento', a Biblioteca da Universidade de Mosul.

Alaa é o diretor do Centro de Sensoriamento Remoto da Universidade de Mosul, no Iraque. Ele é especialista em gerenciamento de risco de desastres, atividade sísmica, sensoriamento remoto, Sistemas de Informação Geográfica (ou GIS), ciências da terra, planejamento urbano, patrimônio cultural e tectônica e geomorfologia. Em 2014, quando o ISIS assumiu a cidade de Mosul, ele tomou a difícil decisão de fugir de sua cidade e país. Sua jornada como refugiado o encontrou em condições incrivelmente difíceis na Turquia, muitas vezes dormindo em lugares diferentes, incluindo parques abertos, e com pouco ou nenhum dinheiro. Em 2015, ele recebeu uma bolsa da Universidade de Aberdeen como pesquisador em ciências da terra e sensoriamento remoto. Em 2016 ele deixou a Escócia para Maynooth, Irlanda e no mesmo ano Alaa decidiu voltar para sua família em Erbil, Iraque, para onde haviam fugido. Em meio ao caos e à destruição da cidade de Mosul, para onde voltou em 2017, Alaa tentou restaurar a Biblioteca da Universidade de Mosul, criando a campanha Mosul Book Bridge, um apelo à ação da comunidade científica internacional, solicitando assistência para a reconstrução e reabastecimento da biblioteca.

Holly Sommers: Dr. Alaa, em que pesquisa você estava trabalhando antes que o ISIS tomasse conta de sua cidade de Mosul, e o que iniciou sua paixão neste campo?

Ala Hamdon: Tenho trabalhado em sensoriamento remoto e técnicas de GIS (Sistema de Informação Geográfica), e análise de atividade sísmica e ciências da terra. E como sou geólogo e terminei meu mestrado e meu doutorado em ciência, sensoriamento remoto e GIS, tive uma grande paixão por esse campo.

Holly Sommers: E antes da aquisição de Mosul pelo ISIS, como era sua experiência de pesquisa em seu país de origem? Houve alguma luta que você enfrentou antes de o ISIS assumir o controle?

Ala Hamdon: Minha experiência ou minha pesquisa foi, antes de o ISIS tomar Mosul, tudo bem, mas era limitado, porque estávamos com medo e apavorados. E havia grandes mistérios sobre a nossa vida.

Holly Sommers: A cidade de Mosul, que significa “o ponto de ligação” em árabe, abriga uma enorme diversidade cultural. Mas no coração de Mosul científico e patrimônio educacional é a Biblioteca da Universidade de Mosul, construída em 1967. Você poderia nos contar um pouco mais sobre a importância científica e cultural deste espaço, e o que isso significa para você pessoalmente?

Ala Hamdon: A biblioteca da Universidade de Mosul, fica no coração da Universidade de Mosul. Chamei-o de farol, farol, farol de conhecimento, aprendizado e informação. Significa muito para alunos, acadêmicos e pesquisadores, para mim também, porque eu tinha uma boa memória de lá. Passei muito tempo dentro daquela biblioteca, estudando e tentando aprender coisas novas, lendo diferentes culturas, diferentes livros, desde Agatha Christie até livros de ficção, ou livros não ficcionais. Eu tinha uma memória muito boa lá.

Holly Sommers: Muito brevemente Alaa, como era a comunidade científica e o sistema de ensino superior em Mosul antes do ISIS tomar a cidade em 2014?

Ala Hamdon: O status da comunidade científica antes de 2014, era bastante difícil, ao invés de agora. Os cientistas, engenheiros, médicos, eles estavam com medo de um futuro não claro e de uma vida misteriosa. E a situação estava muito ruim aqui em Mosul, mas a vida continuava normalmente.

Holly Sommers: Dr. Alaa, quando o ISIS recapturou a cidade em junho de 2014, você deve ter ficado com uma decisão impossível, ficar ou partir. Você poderia nos contar um pouco sobre a experiência para você logo após, e como você tomou sua decisão no final?

Ala Hamdon: A decisão de partir, quando o ISIS assumiu minha cidade, Mosul, as pessoas ficaram assustadas e apavoradas. Eu também. Eu não sabia o que fazer. Eu só queria deixar a cidade o mais rápido possível. E eu fiz. E foi uma decisão difícil para mim. E deixei tudo para trás, meus livros, meu escritório, meus papéis, meus artigos, minhas memórias, meu quarto. Tudo. Sinto, naquele momento, que nunca mais voltarei. Eu queria chorar naquele momento. E eu estava tão triste. Sem plano. Para onde devo ir, o que devo fazer. Qual é o meu próximo passo? Tudo estava escuro para mim. Eu só queria ir para Erbil ou Turquia, qualquer lugar que pareça seguro.

Holly Sommers: Como cientista e professor, que ajuda internacional ou organizações estavam disponíveis para você como cientista e professor deslocado?

Ala Hamdon: Recebi ajuda do SAR, Scholars at Risk e CARA, Council of at Risk Academics. Ambos aceitam minha inscrição e me aceitam como bolsista. E eles me ajudaram muito, principalmente o CARA, eles me conseguiram uma colocação na Aberdeen University na Escócia, por um ano e meio. E isso me ajudou muito como cientista e acadêmico. Porque melhorou minha carreira, minha experiência e minha formação, isso realmente me ajudou muito. Eu estava pensando que sem essa colocação, acabaria em algum campo de refugiados e seria esquecido. E talvez meu caminho, meu caminho de vida fosse mudado. Totalmente. Sim, então eu agradeço muito a eles pela ajuda, de verdade. E muitos amigos também me ajudaram com isso. Agradeço muito a eles, a todos eles.

Holly Sommers: Então você conseguiu encontrar a bolsa e uma universidade anfitriã. Mas imaginei que a mudança repentina e drástica de país durante um período de crise deve ter sido um momento realmente desafiador para você. Você pode pintar uma imagem de como era?

Ala Hamdon: Mudar para a Universidade de Aberdeen foi como uma reviravolta para mim. Cidade diferente, universidade diferente, cultura diferente, país diferente, sistema científico diferente. Então eu tive que me ajustar a esse sistema. Eu lutei muito no começo para ser honesto. Mas depois, com a ajuda de muitos amigos lá, me ajustei e me vi trabalhando bem dentro do sistema. A Universidade de Aberdeen me ajudou, eles me deram uma boa hospedagem durante o período de crise. Eles abriram a porta para mim enquanto todas as portas estavam fechadas.

Holly Sommers: Enquanto você esteve fora do Iraque, como foi sua experiência acadêmica no novo país anfitrião? Você conseguiu continuar sua pesquisa anterior?

Ala Hamdon: Tentei continuar minha pesquisa anterior na Universidade de Aberdeen, na escola de geociências, e tentei melhorar minha pesquisa também em um caminho diferente. Então tentei combinar entre o departamento de arqueologia, o departamento de geografia e a geologia. Porque na escola de geociências da Universidade de Aberdeen havia três departamentos: arqueologia e geografia e geologia. Então, tentei tirar proveito desses três departamentos diferentes para encontrar novos caminhos para mim.

Holly Sommers: E o que, afinal, o atraiu de volta a Mosul e a deixar sua nova posição?

Ala Hamdon: Oh, a decisão mais difícil em toda a minha vida. Foi muito difícil para mim tomar essa decisão, como eu deveria voltar para minha família em Erbil, para o Iraque, porque minha família deixou Mosul e eles foram para Erbil, e eles precisam da minha ajuda. Então, eu estava em uma grande confusão, decidindo se deveria ficar no Reino Unido ou na Irlanda ou se deveria voltar para minha família, para o campo de refugiados e ajudá-los. Foi uma grande diferença, como dizer a alguém 'Oh, você quer ficar em um hotel cinco estrelas ou em um motel de uma estrela', então tomei minha decisão e voltei para Erbil para ajudar minha família porque eles precisam Eu. Eu não poderia decepcioná-los. Eu apenas sacrifiquei meu desejo de ficar lá e viver uma vida maravilhosa.

Holly Sommers: E Alaa, você poderia nos descrever, se puder, como era Mosul quando você voltou, após a longa batalha para recuperar a cidade do ISIS?

Ala Hamdon: A primeira vez que coloquei meus pés em Mosul depois de junho de 2014, a primeira vez foi em setembro de 2017, 25 de setembro de 2017. E fui para minha casa e foi um momento trágico ver minha casa queimada e meus móveis roubados, até minhas fotos, minhas fotos pessoais, sendo queimado, meus livros, tudo, então sim, foi um momento trágico ver tudo isso é muito triste.

Holly Sommers: A destruição deliberada e roubo de patrimônio cultural e científico pelo ISIS ocorreu no Iraque, Síria e Líbia desde 2014. Instituições culturais e científicas, como a Biblioteca da Universidade de Mosul, são frequentemente visadas deliberadamente devido à sua importância social e cultural, com o objetivo de destruir a população e o seu património. Dr. Alaa, o que passou pela sua cabeça quando voltou à biblioteca da Universidade de Mosul?

Ala Hamdon: Quando fui para a universidade e olhei para a biblioteca, fiquei em frente à biblioteca ainda me lembro daquele momento, a biblioteca foi destruída e queimada, ainda sentia o cheiro do queimado, o cheiro das cinzas e dos livros, tudo era preto, pedaços de livros aqui e ali queimados, foi um momento muito triste ver o farol do conhecimento sendo destruído e queimado.

Holly Sommers: A reconstrução dessas instituições e edifícios críticos e valiosos é uma parte crucial, mas extremamente difícil, de garantir que a ciência e o ensino superior possam florescer novamente. Dr Alaa, você se encarregou de fazer um apelo à solidariedade, apoio e assistência de universidades, bibliotecas públicas, organizações e instituições, editoras e mídia para reconstruir o acervo da biblioteca da Universidade de Mosul e a própria biblioteca, você poderia dizer mais sobre a iniciativa que você criou quando voltou para Mosul?

Ala Hamdon: Depois daquele momento, quando fui à biblioteca, prometi a mim mesmo que faria o possível para ajudar aquela biblioteca a voltar. E comecei minha iniciativa, minha campanha Mosul book bridge em 2017. E enviei minha ligação para todos os meus amigos e pedi que me ajudassem a ajudar nossa biblioteca, nossa universidade. Enviei essa ligação para todos e muitas respostas, incluindo Book Aid International e a Young Academy of Scotland e Dar Al-Hekma e a embaixada do Canadá e o British Council. E muitos amigos de diferentes universidades, diferentes instituições de diferentes países, quiseram ajudar, e ajudaram, nos ajudaram muito. E eu realmente aprecio a ajuda deles. Eu nunca iria esquecer isso. E depois de um ano chegou a primeira remessa de livros, e assim por diante. Muitos livros chegaram à biblioteca, milhares de livros.

Holly Sommers: Quais aliados e colaborações internacionais ajudaram a ajudar a comunidade científica e de ensino superior após tal destruição? Que tipo de apoio lhe ofereceram?

Ala Hamdon: A universidade de Mosul recebeu muito apoio de diferentes países. E os maiores apoiadores foram o PNUD, eles reconstruíram a biblioteca. E também diferentes universidades, universidades internacionais, universidades locais e diferentes organizações, eles ajudaram a Universidade de Mosul. E eles queriam que a Universidade de Mosul se levantasse novamente. E, felizmente, a Universidade de Mosul se levantou novamente e voltou melhor do que antes.

Holly Sommers: O que ainda é necessário agora para a Biblioteca da Universidade de Mosul? E o que pode ser feito dentro do Iraque e internacionalmente para melhor atender a essas necessidades?

Ala Hamdon: Uma biblioteca sendo reaberta novamente em fevereiro passado, fiquei muito feliz por isso. E sim, foi reconstruído novamente, foi aberto novamente, mas ainda precisa de muito suporte. Precisamos de muitos livros, muitos aplicativos, acesso eletrônico, muitos equipamentos, equipamentos especiais, em relação às Coleções Especiais, muito treinamento para os bibliotecários. Portanto, a biblioteca da universidade de Mosul ainda precisa de muito apoio. E espero que quem puder ouvir esta entrevista eu peço gentilmente e qualquer apoio deles para a nossa biblioteca, qualquer apoio seria muito apreciado.

Holly Sommers: Dr. Alaa, quando a biblioteca foi reaberta na primavera de 2022, deve ter parecido um momento monumental. Por que você acha que edifícios e instituições como a biblioteca da Universidade de Mosul são tão importantes para ajudar as cidades e os cidadãos a recuperar a esperança e reconstruir suas vidas após a catástrofe? O que eles representam?

Ala Hamdon: Acho que a biblioteca da Universidade de Mosul será um ícone para a reconstrução. Será uma nova esperança para qualquer país destruído, qualquer universidade destruída, qualquer biblioteca destruída. Isso vai ser uma esperança para o futuro, vai ser um recado para não desistir e muita gente vai te apoiar. Você não está sozinho. Confie em mim. Um momento em que me levantei em frente à biblioteca que havia sido queimada e destruída. Achei que a biblioteca nunca mais voltaria. Eu pensei que isso seria esquecido com o tempo, mas não, ele está de volta, e está aberto novamente e abraçando estudantes, acadêmicos e pesquisadores como antes. Portanto, qualquer biblioteca destruída será reaberta novamente. E tenho certeza que muita gente vai te ajudar e eu ficaria feliz em te ajudar. Quem vai te apoiar onde você estiver.

Holly Sommers: Depois de ouvir a história de Alaa, queríamos discutir o papel não apenas do ISC, mas também da comunidade científica mais ampla no apoio e defesa de cientistas em situação de risco, deslocados e refugiados em tempos de crise.

Temos a companhia de Vivi Stavrou, Secretária Executiva do Comitê para Liberdade e Responsabilidade na Ciência (CFRS) e Diretora Científica Sênior do ISC. Ela é Psicóloga Clínica e trabalhadora de desenvolvimento com vasta experiência internacional em emergências humanitárias e situações pós-conflito. Ela trabalhou com as agências de desenvolvimento da ONU, ministérios governamentais, o setor de ONGs e instituições acadêmicas em áreas como proteção infantil, saúde mental e apoio psicossocial, bem como direitos humanos e reforma do setor de segurança.

Vivi Stavrou: O Comitê de Liberdade e Responsabilidade na Ciência (CFRS) é o guardião do princípio de liberdade e responsabilidade na ciência do ISC, e esse princípio estabelece as liberdades básicas que todos os humanos devem ter.

Agora a ciência pertence a todos. É uma parte fundamental da cultura humana. Isso é o que fazemos como humanos quando questionamos e tentamos entender a nós mesmos, nossas famílias, nossas sociedades, a natureza e o mundo ao nosso redor. E então desenvolvemos e debatemos essas ideias e teorias sobre por que as coisas são e como o mundo funciona. Desenvolvemos tecnologias, medicamentos, escrevemos livros e fazemos arte para nos ajudar a criar registros de um tempo, lugar e pessoa específicos; tomar decisões informadas para resolver problemas práticos; expressar e comunicar as nossas ideias e tornar o nosso ambiente mais bonito. Desenvolvemos grandes instituições educacionais, laboratórios científicos, bibliotecas, galerias de arte para educar, mostrar e armazenar essas grandes conquistas. E, como tal, pesquisadores, escritores e cientistas desempenharam papéis de vital importância na história da humanidade e são membros-chave da sociedade contemporânea. É por isso que em tempos de conflito e guerra, essas pessoas que questionam como as coisas funcionam, que questionam o poder, cujo trabalho é fundamental para o desenvolvimento econômico e nacional, francamente, tornam-se alvos.

Agora, em tempos de crise, seja devido a um desastre natural induzido pelo homem, como incêndio, inundação catastrófica, pandemia ou conflito contínuo e até mesmo guerra, a própria integridade e existência de sistemas e infraestruturas científicas está ameaçada. Essas catástrofes destroem a infraestrutura física e podem deslocar um número incontável de pessoas de suas casas e países. A fratura e a perda dos sistemas científicos de um país desfere um golpe devastador não apenas no investimento científico doméstico, ensino e pesquisa, e no crescimento e soberania de longo prazo, mas também na rede global de cientistas e infraestruturas de pesquisa. O setor científico tem um papel importante e pouco desenvolvido para mobilizar a comunidade científica a desempenhar um papel ativo na resposta humanitária, não apenas para proteger acadêmicos e pesquisadores, mas também suas descobertas, conhecimentos, contribuições para a ciência e também essas grandes instituições e repositórios de Ciência.

Então o que fazemos?

Vou falar sobre o trabalho do International Science Council a esse respeito. Atualmente, estamos trabalhando com parceiros da comunidade científica organizada, das ONGs, da ONU e do setor privado, principalmente editores científicos e plataformas de dados científicos, para desenvolver uma estrutura política de apoio à ciência em tempos de crise, para formalizar o trabalho de apoio que estamos fazendo no momento para desenvolver uma abordagem conjunta mais eficaz e de longo prazo para a proteção das comunidades científicas e para a reconstrução dos sistemas científicos, a fim de garantir duas coisas: que o mundo ainda seja capaz de se beneficiar da descoberta científica, mesmo quando ocorrem conflitos e desastres, e ter uma abordagem de longo prazo e recursos sobre como proteger essas mesmas comunidades científicas para preservar e reconstruir sistemas de conhecimento científico e infraestrutura em tempos de desastres e conflitos, e o longo processo de reconstrução, pós-desastre e conflito .

Tudo o que tenho dito, acho que foi captado de forma muito pungente pelo Dr. Alaa quando ele disse que, quando chegou à Europa, o apoio que recebeu do setor de ONGs e das universidades é que “eles abriram a porta para mim, enquanto todas as portas estavam fechadas”. E realmente, isso é o cerne do que queremos fazer. A responsabilidade recai sobre a comunidade científica, de olhar para nossa própria comunidade, de direcionar nossa atenção sobre como podemos proteger e apoiar nossa própria comunidade em tempos de crise, protegendo os cientistas individualmente, mas também trabalhando com nossos governos, trabalhando com a ONU, trabalhando com o setor privado, para direcionar recursos muito significativos para a reconstrução de sistemas científicos e infraestrutura científica pós-desastre, pós-conflito. Não estamos fazendo isso apenas pelo que pode ser percebido como o benefício mais restrito da educação universitária de acadêmicos e cientistas, mas, na verdade, estamos fazendo isso pelo benefício de toda a nossa história. Nossa história cultural, nossa história científica, que significa muito sobre quem somos como humanos, e significa muito sobre como nos desenvolveremos, quais ideias, quais tecnologias precisamos desenvolver para o bem-estar humano e ambiental no futuro.

Holly Sommers: Obrigado por ouvir este episódio de Ciência em Tempos de Crise. No próximo e último episódio de nossa série, nos voltamos para o futuro para explorar o papel crescente das chamadas 'Organizações da Trilha II', como o Conselho Internacional de Ciência com o presidente do ISC, Sir Peter Gluckman, e a ex-diretora geral da UNESCO, Irina Bokova. Discutiremos a importância dos canais diplomáticos informais, como ciência e cultura, na construção e manutenção da paz, as realidades da diplomacia científica na prática e a importância dos cientistas comuns na promoção da colaboração científica.

 — As opiniões, conclusões e recomendações deste podcast são dos próprios convidados e não necessariamente do Conselho Científico Internacional —

Saiba mais sobre o trabalho do ISC sobre liberdade e responsabilidade na ciência

Liberdades e responsabilidades na ciência

O direito de compartilhar e se beneficiar dos avanços na ciência e tecnologia está consagrado na Declaração Universal dos Direitos Humanos, assim como o direito de se envolver em pesquisas científicas, de buscar e comunicar conhecimentos e de se associar livremente em tais atividades.

VER TODOS OS ITENS RELACIONADOS

Ir para o conteúdo