Seja um voluntário

Plataforma Africana de Ciência Aberta para aumentar o impacto dos dados abertos para a ciência e a sociedade

Uma iniciativa para estabelecer uma Plataforma Africana de Ciência Aberta para promover o valor e explorar o potencial de Dados Abertos para a ciência foi anunciada pela Ministra da Ciência e Tecnologia, Sra. Fórum de Ciências África do Sul 2016 (SFSA) na semana passada.

A iniciativa em toda a África promoverá o desenvolvimento e coordenação de políticas de dados, treinamento de dados e infraestrutura de dados. A fase piloto, lançada hoje, é apoiada pela Departamento Sul-Africano de Ciência e Tecnologia (DST), financiado pelo Fundação Nacional de Pesquisa (NRF), dirigido por CODADOS, o Comitê de Dados do Conselho Internacional para a Ciência (ICSU) e implementado pelo Academia das Ciências da África do Sul (ASAF).

A iniciativa tem origem no Science International Accord on Dados abertos em um mundo de Big Data, que foi lançado na SFSA em 2015. O Acordo apresenta uma visão abrangente da necessidade e dos benefícios da ciência Open Data internacionalmente e, em particular, para países de baixa e média renda. O Conselho Internacional de Ciência e os outros parceiros do Acordo Internacional de Ciência acolhem a iniciativa e ajudaram a construir as parcerias para o piloto.

O Ministro Pandor comentou “A criação da Plataforma Africana de Ciência Aberta é um excelente exemplo do impacto tangível que o nosso Fórum Científico já alcançou ao aproveitar as parcerias internacionais para o avanço da ciência africana. A Plataforma desempenhará um papel crítico para ajudar os países africanos a desenvolver as capacidades necessárias para gerir e explorar dados científicos em benefício da sociedade. Estou orgulhoso de que nosso Departamento e suas entidades, NRF e ASSAf, estejam contribuindo para esta missão crucial.”

O início da revolução digital criou uma explosão sem precedentes nos dados disponíveis para análise como base para uma maior compreensão e políticas eficientes por cientistas, formuladores de políticas, cidadãos empresariais e outros atores da sociedade civil. Conjuntos de dados extremamente grandes, ou 'big data', impulsionam essa revolução e os pesquisadores são capazes de reconhecer padrões sutis, mas poderosos, em áreas que vão desde a segurança até a pesquisa genética e o comportamento humano.

Várias atividades de ciência aberta estão em andamento em toda a África, mas muito se ganharia se essas atividades fossem coordenadas e desenvolvidas por meio de uma iniciativa de coordenação.

Prevê-se que a Plataforma Africana seja uma base para o investimento partilhado em infra-estruturas. Irá colher e divulgar boas ideias, difundir e apoiar boas práticas e desenvolver as capacidades de indivíduos e instituições. Promoverá as principais aplicações de relevância para as economias e sociedades africanas. Ele também atuará como um canal para conexões com os dados abertos internacionais e programas e padrões de ciência aberta que serão vitais para o seu florescimento.

Uma plataforma de ciência aberta é concebida como um conjunto integrado de arranjos que fornece uma estrutura política, de capacitação e infraestrutura para maior acessibilidade e impacto. A iniciativa também se concentra na criação de fóruns nacionais de Ciência Aberta por meio dos quais políticas e coordenação podem ser discutidas e estabelecidas.

A trajetória de alto nível de desenvolvimento da Plataforma será determinada por um Conselho Consultivo, e seu desenvolvimento técnico por um Conselho Consultivo Técnico. Ambos os órgãos terão membros de toda a região.

Durante um workshop de um dia e uma sessão paralela – ambos como parte do SFSA – especialistas de toda a região se reuniram para discutir e co-projetar o desenvolvimento da plataforma e seus temas, incluindo desenvolvimento coordenado de políticas, incentivos e benefícios, capacitação e treinamento e roteiros para coordenar a infraestrutura de dados.

[IDs dos itens relacionados=”1402″]

Ir para o conteúdo