Seja um voluntário

Rompendo a saúde pública do silo de saúde em cidades africanas

Para uma visão mais ampla do bem-estar nas cidades em crescimento da África, Tolu Oni ​​acredita que os profissionais e profissionais de saúde e não-saúde devem considerar seu papel na promoção da saúde pública nas cidades.

Imagine um encontro típico em um centro médico do governo. Em uma clínica pública na África do Sul, um paciente foi identificado como de alto risco para diabetes. O médico assistente aconselha que eles devem controlar o açúcar no sangue através de uma melhor nutrição e exercícios. O médico pode então marcar a caixa para dizer que fez sua parte em aconselhar o paciente e que o paciente ouviu e entendeu seu conselho.

Na realidade, ambos os lados desta equação sabem que quando o paciente sai da clínica, viver o conselho fornecido é quase impossível. Uma vez que seus pés tocam a calçada, o paciente se depara com desafios ambientais significativos que dificultam sua capacidade de fazê-lo: cidades inacessíveis, longos deslocamentos, orçamentos alimentares limitados, condições de vida superlotadas e assim por diante.

Por essa lente, fica claro que a saúde é uma preocupação social e econômica, e uma questão de planejamento urbano e habitação, tanto quanto deve estar no âmbito de autoridades como um ministério da saúde. Diante disso, a própria saúde é fundamentalmente transdisciplinar, e os pesquisadores estão defendendo a quebra dos silos que a englobam, para trabalhar em conjunto com uma ampla gama de autoridades para obter resultados melhores e mais saudáveis.

Dr. Tolu Oni ​​é um desses pesquisadores. Médico por formação, Oni seguiu para a pesquisa em saúde, obtendo pós-graduação em saúde pública e epidemiologia. Ela é a investigadora principal de um projeto financiado pela LIRA chamado “Integração de políticas de habitação e saúde para cidades africanas inclusivas e sustentáveis” e é afiliada à Faculdade de Ciências da Saúde e Unidade de Epidemiologia do Conselho de Pesquisa Médica da Universidade da Cidade do Cabo (UCT) Universidade de Cambridge.

Uma verificação da realidade sobre as condições de vida

“O problema é que a maioria dos fatores que influenciam a saúde está fora do setor de saúde, mas apenas o setor de saúde é responsável pela saúde”, explica Oni.

“Pense onde vive a maioria das pessoas na África, em centros urbanos que estão crescendo rapidamente e não planejados da maneira tradicional. Aqui, neste contexto, a forma como o ambiente vivido afeta o comportamento – em termos de como vivemos e o que comemos – é um fator que deve ser considerado nos esforços para criar saúde.”

“As pessoas fazem as escolhas mais racionais que podem em termos de como se alimentar e alimentar suas famílias, com base no que é acessível e no que é viável. Seja o problema de acesso geográfico ou financeiro, muitas pessoas passam a maior parte do tempo viajando grandes distâncias a trabalho, e muitas dessas cidades não são propícias para ser um pedestre. Então, como você arranja tempo para ser fisicamente ativo?” ela pergunta. “Sabemos que isso sobrecarrega muito a saúde pública, mas convencionalmente ninguém está responsabilizando as autoridades de planejamento, por exemplo, pelo fato de não poder me exercitar, o que aumenta meu risco de doenças não transmissíveis”.

Isso resulta em uma demanda cada vez maior por serviços de saúde, mas uma perspectiva limitada das intervenções necessárias. A equipe de Oni acredita que é preciso haver uma 'reinvenção' dos processos de planejamento de desenvolvimento de assentamentos humanos nas cidades africanas para que esses espaços atendam ao Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) 11, que busca construir cidades resilientes e sustentáveis, bem como o Objetivo 3, que visa melhorar a saúde e o bem-estar.

Estudos de caso da cidade

Sua pesquisa se concentra na Cidade do Cabo, África do Sul, e Douala, Camarões, como estudos de caso. No caso do primeiro, a Oni tinha conhecimento no terreno das condições e uma rede estabelecida de investigadores e partes interessadas para explorar. “Existe uma desigualdade espacial e de saúde demonstrável [em jogo aqui], que é uma coisa importante a ser levada em consideração ao examinar a saúde no nível da população”, explica ela. Para este último, os pesquisadores queriam uma cidade para comparar e contrastar seus estudos na Cidade do Cabo e procuraram por meio de suas redes um parceiro em Camarões. Aqui, Blaise Nguendo-Yongsi, do Instituto de Estudos Populacionais da Universidade de Yaoundé II, juntou-se à equipe como investigador co-principal (Camarões). Outras partes contribuintes incluem a Escola de Saúde Pública e Medicina de Família da UCT.

“Eu montei um grupo de pesquisa na Universidade da Cidade do Cabo sobre saúde urbana que visava adotar uma abordagem diferente para pensar sobre a criação de saúde, além de pensar em saúde apenas como gerenciamento de doenças, e perceber que tínhamos que envolver pessoas fora da saúde tradicional. setor."

“Realizei workshops com diferentes formuladores de políticas de diferentes setores que têm influência na saúde, apenas para ouvi-los sobre quais eram suas prioridades e procurar oportunidades de parceria para a saúde”, explica ela. “O setor de assentamentos humanos (especificamente o Departamento de Assentamentos Humanos do Cabo Ocidental (WCDoHS) expressou o maior interesse. Eles reconheceram que tinham uma influência na saúde, particularmente no contexto da saúde na África do Sul, mas, com seus principais resultados contra qual seu desempenho foi avaliado, tiveram pouca margem para concentrar recursos nas implicações de saúde de seu trabalho”.

Trabalhando com as partes interessadas

Em seguida, os pesquisadores lançaram uma rede mais ampla, trabalhando com o Departamento de Saúde de Western Cape (DoH) e WCDoHS para identificar pessoas relevantes além do grupo inicial, e com o objetivo de entender os determinantes sociais da saúde e quais oportunidades existiam para diferentes setores para desempenhar um papel. Eles também analisaram que tipo de barreiras existiam para essa abordagem – aquelas relatadas como experimentadas e aquelas percebidas como sendo o caso.

A primeira fase do projeto mapeou o panorama de políticas relevantes e estruturas governamentais existentes na Cidade do Cabo e em Douala, esperando encontrar “sinergias e oportunidades de colaboração entre os setores governamentais de habitação e saúde”. Isso foi alcançado por meio de uma combinação de pesquisa de desktop e entrevistas.

A fase dois (em andamento) envolve a comparação e integração de dados quantitativos entre setores governamentais, inclusive do DoH e WCDoHS, com o objetivo de usar esses dados para informar a avaliação do impacto na saúde de coisas como intervenções habitacionais em áreas pobres das cidades. Uma parte importante deste trabalho tem a equipe focada em construir confiança com as partes interessadas para permitir a adesão para a cocriação da agenda de pesquisa para a co-implementação, necessitando de compartilhamento de dados. Vital para este processo tem sido dedicar tempo para entender os contextos em que as partes interessadas trabalham e suas conquistas e prioridades, e então explorar juntos áreas potenciais de colaboração com benefício mútuo para suas prioridades existentes. Em Camarões, os pesquisadores iniciaram os diálogos de engajamento dos formuladores de políticas com um workshop intersetorial que explorou a compreensão do papel da saúde no planejamento urbano, os desafios ambientais comuns que contribuem para os desafios da saúde da população e uma estratégia de brainstorming para abordá-los. Este workshop foi seguido por entrevistas com informantes-chave para explorar ainda mais esses facilitadores, barreiras e oportunidades de colaboração intersetorial.

Ter a adesão de parceiros-chave na Cidade do Cabo (incluindo o WCDoHS e o DoH) significava que eles poderiam identificar e isolar áreas específicas de intervenção, como um projeto planejado de melhoria de uma área informal.

Um próximo workshop em dezembro de 2019 reunirá parceiros de Douala e Cidade do Cabo, bem como outros atores urbanos das principais cidades da África para facilitar o aprendizado compartilhado, construir novas parcerias e identificar e co-criar novas pesquisas transdisciplinares, co-desenvolver e avaliar o impacto das intervenções no ambiente urbano construído na equidade em saúde da população.

“Estamos essencialmente com o objetivo de integrar os dados de habitação e saúde de um espaço, antes da intervenção, para que tenhamos a chance de entender qual foi o impacto na saúde disso depois.”

Um esforço ambicioso

“Espero contribuir para repensar a governança e a responsabilização pela saúde”, diz Oni. Ela sabe que as evidências deste projeto são apenas uma “engrenagem na máquina” para reequilibrar a saúde pública, mas acredita que de alguma forma demonstra o que é possível se adotarmos uma perspectiva intersetorial para as políticas de saúde e bem-estar. Ele também desvenda a questão dos indicadores de desempenho governamentais que podem ser realinhados para refletir uma visão mais holística da saúde e do sistema de valores relacionado. E é por isso que ela argumenta que “melhorar a saúde da população – de forma equitativa – deve ser um esforço corajoso e ambicioso”.

Se você estiver interessado em saber mais sobre o trabalho de Tolu Oni ​​resultante do projeto LIRA, veja abaixo:

Este projeto está sendo apoiado pelo Programa LIRA 2030 África.

Ir para o conteúdo