Seja um voluntário

As crises convergentes e interdependentes amplificam os impactos umas das outras, com consequências muitas vezes devastadoras

Declaração de Vivi Stavrou, Oficial Científica Sênior e Secretária Executiva do Comitê para a Liberdade e Responsabilidade na Ciência do Conselho Internacional de Ciência, na 42ª Conferência Geral da UNESCO.

Excelências, ilustres delegados,

Esta declaração é feita em nome do Conselho Científico Internacional, que federa 245 academias científicas no campo das ciências naturais, sociais e humanas de países e territórios, conselhos de investigação e órgãos disciplinares internacionais em apoio ao conhecimento acionável e à tomada de decisões sólidas.

O Conselho Científico Internacional – o ISC – saúda o foco desta sessão e enfatiza a urgência deste momento.

Crises convergentes e interdependentes – alterações climáticas, aumento da desigualdade social e económica, guerras, pandemias – estão a amplificar os impactos umas das outras, com consequências muitas vezes devastadoras.

No processo, ameaçando comunidades científicas e ecossistemas de investigação inteiros e, em alguns casos, proporcionando o contexto para uma maior restrição das liberdades científicas e para a degradação do direito de participar e de beneficiar da ciência.

Com o número de refugiados e cientistas deslocados estimado em 100,000 em todo o mundo, o equivalente a toda a força de trabalho científica de 3 a 4 países, não podemos dar-nos ao luxo de perder coletivamente esse conhecimento e investimento.

Se a ciência é de facto um bem comum da humanidade e um esforço partilhado que transcende fronteiras, então cabe à comunidade científica global apoiar os nossos colegas em todo o mundo em tempos de crise.

Numa era de policrise, a ciência continua a ser uma rara linguagem comum para desenvolver soluções e coordenar ações. No entanto, quando a confiança na ciência é comprometida, seja através de desinformação ou interferência política, torna-se mais difícil proteger a ciência em tempos de crise e o potencial para soluções políticas baseadas na ciência diminui.

À medida que as crises evoluem, também devem evoluir as políticas e os quadros que informam e ajudam a ciência e os cientistas em todo o mundo. As questões que temos diante de nós são urgentes. O que acontece com a pesquisa científica durante uma guerra, um desastre ou uma pandemia? Como podemos garantir que a ciência e os cientistas não sejam prejudicados pelas lacunas no financiamento ou na proteção humanitária? Como protegemos arquivos, pesquisas

dados e ensaios clínicos, garantindo que não sejam perdidos para sempre? Como podemos manter os cientistas activos e envolvê-los na reconstrução de ecossistemas de investigação vibrantes após a crise?

Como parte da ajuda para gerar respostas, o Conselho Científico Internacional e seus Comitê de Liberdade e Responsabilidade na Ciência (CFRS) divulgou o pedido de aconselhamento da UNESCO, procurando recolher contribuições sobre vários aspectos da Recomendação de 2017 de uma ampla gama de partes interessadas.

Mais recentemente, o ISC e os seus parceiros realizaram duas conferências sobre a resposta do sector científico à escalada da guerra na Ucrânia e à guerra em geral, produzindo recomendações importantes para os sectores científico, político e social.

Na próxima semana o ISC lançará um documento de trabalho intitulado 'Protegendo a Ciência em Tempos de Crise – Como deixamos de ser reativos e nos tornamos mais proativos?', destacando como a comunidade científica pode preparar-se, responder e reconstruir-se após as crises, com o objetivo de proteger e promover o conhecimento científico, bem como os cientistas e as suas contribuições para a sociedade.

Ao empenharmo-nos ainda mais no reforço da segurança dos cientistas e dos sistemas científicos, podemos ajudar a garantir a continuação não só da investigação científica crítica, mas também de carreiras científicas, comunidades e infraestruturas. Isto, por sua vez, contribui para manter uma maior confiança na ciência e um nexo mais forte entre ciência, política e sociedade, à medida que o público compreende melhor o valor de um setor científico próspero para a prevenção e recuperação de crises. As pessoas e organizações aqui presentes hoje são fundamentais para este esforço coletivo.

O ISC valoriza o imenso trabalho que a UNESCO tem contribuído para esta causa. Estamos prontos para trabalhar com a UNESCO para iniciar o trabalho no sentido de soluções políticas concretas e para intensificar os esforços para promover a liberdade científica e tornar o Recomendações 2017 uma realidade para todos os cientistas.


Ative o JavaScript em seu navegador para preencher este formulário.

Mantenha-se atualizado com nossos boletins

Ir para o conteúdo