Seja um voluntário

Os Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável precisam de metas mais claras e mensuráveis, de acordo com novo relatório de especialistas em ciência

De acordo com um novo relatório divulgado hoje pelo Conselho Internacional para a Ciência (ICSU) e pelo Conselho Internacional de Ciências Sociais (ISSC), os ODS oferecem uma “grande melhoria” em relação aos seus antecessores, os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM). No entanto, o relatório conclui que das 169 metas abaixo das 17 metas preliminares, apenas 29% estão bem definidas e baseadas nas evidências científicas mais recentes, enquanto 54% precisam de mais trabalho e 17% são fracas ou não essenciais.

Paris, 13 de fevereiro de 2015 – Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU propostos – um conjunto universal de metas para orientar o desenvolvimento internacional até 2030 – terão dificuldades para alcançar seus objetivos políticos declarados sem metas mais claras e mensuráveis, de acordo com um novo relatório divulgado hoje pelo Conselho Internacional para a Ciência (ICSU) e pelo Conselho Internacional de Ciências Sociais (ISSC).

Os autores constatam que, em geral, os ODS oferecem uma “grande melhoria” em relação aos seus antecessores, os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), com uma maior compreensão da interação entre as dimensões social, econômica e ambiental. E enquanto os ODMs tratam apenas de países em desenvolvimento, o novo conjunto de metas se aplicará a todos os países do mundo.

O relatório conclui que das 169 metas abaixo das 17 metas preliminares, apenas 29% estão bem definidas e baseadas nas evidências científicas mais recentes, enquanto 54% precisam de mais trabalho e 17% são fracas ou não essenciais.

A avaliação das metas – que pretendem operacionalizar as 17 metas previstas para serem aprovadas pelos governos ainda este ano – é a primeira do gênero a ser realizada pela comunidade científica e representa o trabalho de mais de 40 pesquisadores de destaque que abrangem um variedade de campos das ciências naturais e sociais.

No entanto, o relatório constata que as metas sofrem com a falta de integração, alguma repetição e dependem muito de uma linguagem vaga e qualitativa, em vez de metas quantitativas duras, mensuráveis ​​e com prazo determinado.

Por exemplo, sobre a desigualdade, as metas propostas são “relevantes, mas inadequadamente desenvolvidas. A maioria é enquadrada como atividades em vez de endpoints.”

Os autores estão preocupados que os objetivos sejam apresentados em 'silos'. Os objetivos abordam desafios como clima, segurança alimentar e saúde isoladamente uns dos outros. Sem interligação, existe o perigo de conflito entre os diferentes objetivos, principalmente os trade-offs entre superar a pobreza e avançar para a sustentabilidade. A ação para atingir uma meta pode ter consequências não intencionais sobre outras se forem perseguidas separadamente.

Acabar com a fome é um objetivo importante, mas os pesquisadores alertam que as metas aqui não são abrangentes, com apenas duas abordando diretamente a fome e a desnutrição, “e mesmo para aqueles a formulação é confusa e potencialmente contraditória”. Eles também mencionam que acabar com a fome significa mais do que apenas agricultura sustentável. A desigualdade é um fator importante que “não está explicitamente incluído”.

Além disso, os formuladores de políticas precisam entender que a desnutrição não é simplesmente desnutrição, mas também obesidade e a presença de deficiências de micronutrientes. Além disso, deve-se tomar cuidado para simultaneamente derrotar a fome, aumentar a produtividade agrícola e evitar impactos adversos sobre a base de recursos naturais. Como outro exemplo da interligação de metas, os pesquisadores observam que derrotar a fome não pode ser enfrentado sem garantir o acesso universal à água potável e ao saneamento.

O ODS com foco na saúde sofre com a falta de distinção entre os pontos de partida amplamente variados de diferentes países e não faz menção às desigualdades dentro dos países. A meta que se concentra em HIV/AIDS, tuberculose, malária, hepatite e doenças transmitidas pela água “soa como uma abrangência para doenças infecciosas”, mas negligencia infecções emergentes como o Ebola e novas cepas da gripe.

“As metas devem ser robustas, mensuráveis ​​e devem orientar a implementação de forma eficaz”, disse Anne-Sophie Stevance, coordenadora principal do relatório. “O relatório mostra claramente como as metas podem ser consolidadas e aponta para interligações que serão críticas para gerenciar sinergias e evitar trade-offs.” Por exemplo, um aumento no uso da terra agrícola para ajudar a acabar com a fome pode levar à perda de biodiversidade, bem como ao uso excessivo e/ou poluição dos recursos hídricos e efeitos a jusante (provavelmente negativos) nos recursos marinhos que, por sua vez, podem exacerbar as preocupações com a segurança alimentar.

O relatório está sendo divulgado antes de uma grande reunião da ONU de 17 a 20 de fevereiro, onde os governos negociarão uma declaração geral que servirá como a visão geral da estrutura dos ODS.

O relatório dos cientistas destaca a necessidade de um 'objetivo final' para fornecer uma visão tão ampla. “O 'fim final' dos ODS combinados não está claro, nem como os objetivos e metas propostos contribuiriam para alcançar esse objetivo final”, escrevem os autores. Eles recomendam que essa meta meta seja “uma qualidade de vida próspera e de alta qualidade, compartilhada e sustentada de maneira equitativa”.

“Esta é uma oportunidade para a ciência ser parceira no processo de desenvolvimento pós-2015 e apoiar a tomada de decisões baseada em evidências. Para a ciência, isso significa conectar os pontos entre disciplinas que geralmente funcionam independentemente umas das outras”, disse Stevance.

SOBRE O CONSELHO INTERNACIONAL PARA A CIÊNCIA

O Conselho Internacional para a Ciência (ICSU) é uma organização não governamental com membros globais de órgãos científicos nacionais (121 membros, representando 141 países) e uniões científicas internacionais (31 membros). Mobiliza o conhecimento e os recursos da comunidade científica internacional para fortalecer a ciência internacional em benefício da sociedade.

SOBRE O CONSELHO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS SOCIAIS

O ISSC é uma organização não governamental independente estabelecida pela UNESCO em 1952. É o principal órgão que representa as ciências sociais, econômicas e comportamentais em nível internacional. Sua missão é aumentar a produção e o uso do conhecimento das ciências sociais para o bem-estar das sociedades em todo o mundo.

CONTACTOS

Denise Young, chefe de comunicações, Conselho Internacional para a Ciência

E-mail: denise.young@icsu.org

Telefone: + 33 1 5115 1952

Johannes Mengel, Editor Online/Oficial de Comunicações, Conselho Internacional para a Ciência

E-mail: johannes.mengel@icsu.org

Telefone: + 33 1 45 25 32 56

Ir para o conteúdo