Seja um voluntário

Especialistas internacionais pedem uma nova abordagem para garantir que os desafios ao acesso e gerenciamento de dados não retardem o progresso científico

Mudanças complexas na produção, distribuição e arquivamento de dados – e questões que levantam sobre quem paga pelos dados, quem os preserva e quem tem acesso a eles – devem levar a uma iniciativa internacional que garanta que cientistas atuais e futuros em todo o mundo tenham as informações de que precisam, de acordo com a um novo relatório sobre desafios à gestão e acesso a dados apresentado hoje ao Conselho Internacional para a Ciência (ICSU).

O relatório – escrito por um painel de especialistas nomeado pelo ICSU – foi formalmente apresentado hoje na 28ª Assembléia Geral do ICSU em Suzhou, China. Apela à criação de um fórum internacional de dados e informações científicas para promover uma abordagem mais coordenada à recolha e distribuição de dados. Esse fórum também poderia desempenhar um papel fundamental para garantir que os cientistas dos países em desenvolvimento tenham acesso equitativo a dados e informações científicas.

“A coleta, análise e distribuição de dados foram profundamente e positivamente alteradas pelos avanços quânticos em hardware, software e conectividade de computadores, e o resultado é que os cientistas podem ter acesso a dados de mais alta qualidade do que nunca”, disse Roberta Balstad, diretora de Centro da Universidade de Columbia para a Rede Internacional de Informações sobre Ciências da Terra e presidente da Avaliação de Área Prioritária do ICSU (PAA) em Dados e Informações.

“Mas essas novas tecnologias de dados e informações também trazem uma série de desafios”, acrescentou. “Por exemplo, nem sempre temos as estruturas legais e regulatórias necessárias para obter todos os benefícios dos dados científicos. Falta-nos uma abordagem coerente para preservar e arquivar a incrível riqueza de informações que estão sendo produzidas. E quanto mais o acesso a reservatórios de dados de longo prazo se torna central para o empreendimento científico moderno, mais ele exacerba as desigualdades entre cientistas em nações ricas e pobres.”

Balstad e seus colegas do painel do PAA acreditam que o ICSU, com seus membros internacionais e multidisciplinares, “deve assumir um papel de liderança na identificação e abordagem de questões críticas de política e gestão relacionadas a dados e informações científicas e que crie uma nova estrutura global para dados e gestão da política de informação”.

O painel examinou uma série de questões que afetam a geração, a qualidade e o acesso dos dados. Por exemplo, seu relatório observa que, embora o financiamento do setor público para coleta de dados tenha sido “um fator importante” impulsionando o progresso científico nos últimos 50 anos, as decisões sobre dados são frequentemente fragmentadas e tomadas sem consulta à comunidade científica. O resultado em “casos extremos” pode ser ações motivadas por fatores políticos, administrativos ou orçamentários que prejudicam séries de dados cientificamente valiosas.
Enquanto isso, o painel alerta que, como o setor privado desempenha um papel maior na coleta e divulgação de dados, existe o risco de que a demanda do mercado, e não as prioridades científicas, determine o que é coletado e preservado e quem tem acesso. O painel observa que o interesse comercial na coleta de dados pode levar a taxas de licença e de usuário e reivindicações de propriedade intelectual sobre dados que se tornam impedimentos à pesquisa.

O relatório recomenda que os dados produzidos comercialmente ou por meio de parcerias público-privadas sejam fornecidos para fins de pesquisa e educação gratuitamente ou a um custo nominal. O preço e outras barreiras de acesso a dados científicos pesam mais sobre pesquisadores de países pobres. Eles geralmente carecem de serviços acessíveis de internet de alta velocidade e tecnologias de ponta para digitalização de dados ou recursos para gerenciamento de dados a longo prazo.”

“Um grande problema para os cientistas de países de baixa renda é a falta de acesso a publicações científicas, tanto como meio de aprender sobre pesquisas em outras partes do mundo quanto como saída para seus próprios resultados de pesquisa”, observa o relatório. Os cientistas são frequentemente cobrados não apenas para ver, mas também para publicar artigos. O painel observa que essas acusações prejudicam tanto os cientistas em países em desenvolvimento quanto aqueles em nações mais ricas, que se beneficiariam de uma melhor troca de informações e colaboração.

Outros desafios relacionados a dados identificados pelo painel incluem a necessidade de desenvolver critérios, estruturas e modelos comuns que possam orientar as instituições na “preservação permanente de dados e informações científicas” para que o que é acumulado hoje esteja disponível para as gerações futuras. Há também a necessidade de identificar e resgatar dados que estão “em risco”, como dados que não estão disponíveis em formato digital, estão armazenados em mídia defeituosa ou são gerados por software obsoleto, outro problema que se faz sentir de forma mais aguda em países em desenvolvimento.

No geral, o painel conclui que “ao focar a atenção no gerenciamento de dados e informações a longo prazo, o ICSU estará prestando um serviço valioso à comunidade científica agora e construindo uma base duradoura para melhorias na pesquisa científica e na educação que serão benéficas para a comunidade científica. sociedade como um todo."


Ir para o conteúdo