Seja um voluntário

O investimento em pesquisa transdisciplinar e treinamento para as futuras gerações de cientistas africanos é crucial para o avanço do desenvolvimento sustentável nas cidades africanas

Os desafios do desenvolvimento urbano sustentável nas cidades africanas podem ser melhor enfrentados através de uma abordagem inovadora que cruza as fronteiras entre ciência, política e sociedade, de acordo com um novo relatório publicado hoje pelo Conselho Internacional de Ciência (ISC).

O relatório está disponível para download em acesso aberto SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.


O relatório 'Advancing the 2030 Agenda in African cities through co-produção de conhecimento', esclarece o que é preciso para co-produzir conhecimento urbano por meio de pesquisa transdisciplinar (TD) em diferentes disciplinas científicas e com atores sociais.

Foi elaborado por uma equipe de cientistas africanos em início de carreira financiados pelo Liderar a Pesquisa Integrada para o programa Agenda 2030 em África (LIRA2030), que é gerido pelo ISC em conjunto com a Network of African Science Academies (NASAC) e com o apoio financeiro do Agência Sueca para o Desenvolvimento Internacional (ASDI).

Ao compartilhar as descobertas iniciais de alguns dos projetos de pesquisa do programa, o relatório fornece exemplos concretos de como cientistas, comunidades e formuladores de políticas estão trabalhando juntos para implementar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU nas cidades da África.

“A África está se urbanizando em um nível sem precedentes, levantando alguns dos maiores desafios, mas também oferecendo enormes oportunidades para avançar no desenvolvimento equitativo e sustentável no continente e globalmente. Responder com impacto a essas oportunidades exigirá a mobilização efetiva de diversos tipos de conhecimento e a integração desse conhecimento na tomada de decisões e na prática em todos os níveis de governança. Os projetos LIRA apresentados neste relatório demonstram o valor do diálogo intersetorial, aprendizado e ação para promover mudanças transformadoras nas cidades africanas. Investir em uma nova geração de líderes científicos africanos para levar esse trabalho adiante é imperativo.”

Heide Hackmann, CEO do International Science Council.

“A capacitação e o aprendizado são um empreendimento para toda a vida. Envolve não apenas aprender coisas novas ou novas maneiras de fazer as mesmas coisas, mas também “desaprender” velhas maneiras de fazer as coisas. Este relatório nos lembra que chegou a hora de colocar essa capacidade em prática, desaprendendo as formas convencionais de fazer ciência na África. Por meio da transdisciplinaridade, nossos cientistas em início de carreira conseguiram mover a pesquisa do laboratório para novos espaços da política e da sociedade. Eles coproduziram conhecimento com comunidades e formuladores de políticas para se tornarem atores relevantes de mudança social na narrativa de urbanização da África. Agora isso é impacto!”

Jackie Kado, Diretor Executivo da NASAC.

Lançado enquanto o mundo enfrenta uma pandemia global sem precedentes, o relatório lança luz sobre o tipo de pesquisa e ação necessária para lidar melhor com ameaças complexas.

“Os desafios sociais – e hoje, a pandemia do COVID19 – nos chamam a derrubar os muros que há muito separaram as diferentes tribos de ciência, política e prática, conversar uns com os outros sem orgulho ou preconceito e apoiar decisões políticas com evidências e dados, se quisermos enfrentar juntos a velocidade única de desdobramento dos desafios globais. Este relatório inovador contém projetos que permitiram aos pesquisadores na África e da África a transição do foco na excelência individual na pesquisa científica para a crença na ponte entre diferentes fontes de conhecimento para um envolvimento mais profundo com os desafios sociais, para que possamos liderar a mudança para as universidades como solucionadores de problemas e trazer mudanças sociais em nossas cidades”.

Kareem Buyana, Makerere University, Uganda, e coautor do relatório.

“O maior valor da abordagem TD para minha pesquisa tem sido a recentralização do “serviço” como a razão de ser da ciência, seja esse serviço à prática ou serviço à nossa imaginação coletiva da sociedade. Ao reconhecer que diversas fontes de conhecimento são muitas vezes invisíveis, a abordagem DT desafiou a sabedoria convencional, ultrapassando os limites para desenvolver novas metodologias e parcerias inovadoras que sejam inclusivas e equitativas e que contribuam com conhecimento contextualmente relevante. A pandemia de Covid-19 demonstrou a realidade das desigualdades na saúde e da baixa resiliência nas cidades de todo o mundo. Ele destacou a miopia de não considerar as implicações das cidades que construímos para a saúde das pessoas e do planeta. As respostas a esta pandemia também mostraram a importância da integração do contexto para a efetiva implementação das medidas de controle de saúde pública. Ao aumentar o grupo de pesquisadores treinados em abordagens TD, espero que a ciência e os líderes sociais de amanhã estejam melhor posicionados para integrar as diversas fontes e sistemas de conhecimento em estratégias para prevenir e enfrentar os complexos desafios globais que estão por vir.”

Tolu Oni, da Universidade de Cambridge, Reino Unido, e coautor do relatório.

No entanto, o relatório enfatiza que uma série de mudanças fundamentais nas práticas das instituições acadêmicas e de financiamento são necessárias para permitir que os cientistas na África respondam aos desafios e oportunidades do desenvolvimento urbano sustentável. Mais importante ainda, conclui que a construção de capacidade científica, especialmente da próxima geração de acadêmicos, para coproduzir conhecimento sobre desenvolvimento urbano sustentável deve ser um processo contínuo e de longo prazo, com mecanismos de financiamento flexíveis e reconhecimento adequado para os pesquisadores envolvidos.

O relatório está disponível para download em acesso aberto SUA PARTICIPAÇÃO FAZ A DIFERENÇA.

Sobre o programa LIRA2030

reprodução de vídeo

O programa Leading Integrated Research for Agenda 2030 in Africa (LIRA 2030 Africa) procura desenvolver a capacidade da próxima geração de cientistas africanos para liderar um repensar inovador dos futuros urbanos no continente, juntamente com as comunidades, políticas e práticas locais. O programa é gerido pelo Conselho Internacional de Ciência (ISC) em conjunto com o seu Escritório Regional para África e em parceria com a Rede de Academias de Ciências Africanas (NASAC). O programa é apoiado pela Agência Sueca de Cooperação Internacional para o Desenvolvimento (Sida).

Sobre o Conselho Internacional de Ciência

O International Science Council (ISC) é uma organização não governamental com uma associação global única que reúne 40 uniões e associações científicas internacionais e mais de 140 organizações científicas nacionais e regionais, incluindo academias e conselhos de pesquisa. O ISC foi criado em 2018 como resultado de uma fusão entre o International Council for Science (ICSU) e o International Social Science Council (ISSC). O ISC trabalha em nível global para catalisar e reunir conhecimentos científicos, conselhos e influência em questões de grande preocupação para a ciência e a sociedade.

Sobre a NASAC

A Network of African Science Academies (NASAC) foi criada em 13 de dezembro de 2001 em Nairobi, no Quênia, e é atualmente a rede afiliada africana da InterAcademy Partnership (IAP). A NASAC é um consórcio de academias de ciências baseadas no mérito e aspira a fazer com que a 'voz da ciência' seja ouvida pelos decisores políticos e políticos em África e em todo o mundo. Seus membros são compostos por 28 academias de ciências no continente. A NASAC dedica-se a aumentar a capacidade das academias nacionais de ciências existentes e a encorajar os cientistas africanos a estabelecerem novas academias em países onde não existem.

Ir para o conteúdo