Seja um voluntário

Repensar o desenvolvimento humano significa repensar o que entendemos por 'valor'

Mariana Mazzucato explora como uma abordagem orientada para missões deve ser usada para resolver problemas 'perversos', inclusive revigorando o debate sobre valor e criação de valor.

Quando se trata de enfrentar os principais desafios que enfrentamos hoje – a atual pandemia de COVID-19 e sistemas de saúde inadequados, níveis crescentes de desigualdade em nossas economias e catástrofe climática – muitas vezes nossas soluções e políticas são inadequadas porque não têm propósito (ou desenvolvimento humano) no centro.

Uma das principais maneiras pelas quais nossas economias e soluções de políticas públicas são enviesadas contra o desenvolvimento humano é como tendemos a entender 'valor' em nossas economias. A forma como a palavra 'valor' está sendo usada na economia moderna tornou mais fácil para as atividades de extração de valor mascararem-se como atividades de criação de valor. A extração de valor não cria nada de novo: simplesmente movimenta dinheiro. Não faz crescer a economia, não leva à inovação e contribui para uma maior desigualdade.

Passamos de um sistema onde o preço era determinado pelo valor, para um onde o valor é determinado pelo preço. Se o valor é definido pelo preço – em outras palavras, definido pelas supostas forças de oferta e demanda – então, enquanto uma atividade busca um preço, ela é vista como criadora de valor. Se você ganha muito, você deve, portanto, ser um criador de valor.

A crise do COVID-19 revelou o que é uma ficção. Por exemplo, os trabalhadores que mantiveram nossos países em funcionamento durante o bloqueio e nos curaram durante a pandemia são os menos pagos, mais precários e (até agora) os menos valorizados em nossas economias. Eu diria que os trabalhadores-chave constituem nossa economia essencial.

Outro exemplo de extração de valor são as empresas farmacêuticas que vendem medicamentos a preços desproporcionais e, em alguns casos, predatórios. Essa ideia de 'preço baseado em valor', em que o preço é baseado em quanto alguém está disposto a pagar, torna-se perversa quando você o aplica a medicamentos que salvam vidas, incluindo um potencial Vacina para o covid-19. Tive, portanto, o prazer de prestar o meu apoio ao Pool de acesso à tecnologia da Organização Mundial da Saúde, que tornará uma vacina COVID-19 acessível e acessível a todos.

Ao revigorar o debate sobre valor e criação de valor em todos os níveis – até como a economia é ensinada nas universidades, como fazemos na Instituto de Inovação e Propósito Público da UCL – podemos mudar nossas economias para apoiar o propósito público e o desenvolvimento humano.

Outra maneira fundamental de dar vida a abordagens intencionais ao desenvolvimento humano é na formulação de políticas. O Estado tem um papel empresarial fundamental desempenhar o papel de moldar mercados e projetar políticas que abordem grandes desafios e criem valor público. Os mercados sozinhos, por exemplo, não abordarão as mudanças climáticas ou a desigualdade. Os Estados precisam aproveitar esses 'problemas perversos' como oportunidades para estabelecer missões ousadas e ambiciosas para as quais as políticas, setores e financiamentos são orientados a cumprir. UMA verdadeira abordagem orientada para missões significa não ser limitado pelas finanças, mas sim adotar novos métodos de orçamentação baseados em resultados. As missões podem criar novos mercados e repercussões dinâmicas nas economias – oportunidades que podem se pagar muitas vezes.

O desenho de missões sociais deve envolver um amplo grupo de interessados ​​tanto na definição quanto na implementação. Essas missões devem inspirar o público, trazer novas vozes à mesa e ser voltadas para gerar valor para toda a comunidade.

Por exemplo, a missões verdes pode moldar o crescimento econômico em uma direção sustentável, trazendo empregos e melhorias nos padrões de vida, e construindo a resiliência vital que precisaremos para enfrentar a emergência climática iminente. Vimos também que os governos que tomaram abordagem orientada para a missão para enfrentar a crise do COVID-19 se saíram melhor que outros.

A aplicação da lógica de austeridade à administração e serviços públicos resultou em subinvestimento e falta de compreensão do que é realmente valioso na economia e nos tornou mais vulneráveis ​​e menos resilientes e menos capazes de responder a crises e pandemias. Ao mudar a conversa sobre valor e reorientar nossas economias para o propósito público, podemos enfrentar os principais desafios que o desenvolvimento humano enfrenta.


Mariana Mazzucato é Professor de Economia da Inovação e Valor Público na University College London e é o Diretor Fundador da Instituto de Inovação e Propósito Público. Ela é autora de O Estado Empreendedor: Desmascarando os Mitos do Setor Público vs. Privado (2013) e O valor de tudo: fazer e receber na economia global (2018).

Imagem da capa: por Manhã Brew on Unsplash

Ir para o conteúdo