Seja um voluntário

Novo contrato entre ciência e sociedade é fundamental para garantir a sustentabilidade

Amplo consenso em torno dos desafios globais induzidos pelo homem significa pouco, a menos que a ciência tenha um papel mais ativo nos debates sobre sustentabilidade

Rio de Janeiro (18 de junho de 2012)—Garantir um futuro sustentável diante dos desafios interconectados e induzidos pelo homem enfrentados pelo sistema Terra requer urgentemente novos conhecimentos e uma nova relação entre ciência e sociedade, de acordo com cientistas renomados reunidos no Rio de Janeiro. Janeiro para o Fórum de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Sustentável.

“Evidências científicas mostram de forma convincente que nosso modo de desenvolvimento está minando a resiliência de nosso planeta”, disse Yuan Tseh Lee, presidente do Conselho Internacional de Ciência (ICSU). “Devemos encontrar um caminho diferente para um futuro seguro e próspero. Com todo o conhecimento e criatividade que temos, é absolutamente possível. Mas estamos ficando sem tempo. Precisamos de liderança real, soluções práticas e ações concretas para colocar nosso mundo em um caminho sustentável”.

Os desafios interligados do sistema Terra, que estão na mesa de negociações no Rio, foram muito debatidos no Fórum. Quinhentos cientistas de mais de setenta e cinco países debateram temas que variam de 'Bem-estar humano e tendências populacionais' a 'Segurança alimentar, hídrica e energética', e de 'Ambiente urbano e bem-estar' a 'Conhecimento indígena'. O objetivo do Fórum foi apresentar as evidências científicas mais recentes sobre as mudanças ambientais globais e identificar formas de fortalecer a contribuição da ciência para as decisões políticas que garantam um futuro mais justo e sustentável.

Houve um amplo consenso entre os participantes de que estamos vivendo em uma época de desafios ambientais, sociais, financeiros, geopolíticos e tecnológicos globais sem precedentes. Como resultado, há uma pressão renovada para que a ciência seja mais relevante e eficaz na informação de políticas e implementação.

Há uma oportunidade para um novo contrato entre a ciência e a sociedade para informar as políticas relacionadas ao desenvolvimento sustentável e construir a resiliência da sociedade aos riscos ambientais, disseram os participantes. Os cientistas precisam se envolver diretamente com a sociedade para garantir a compreensão compartilhada das novas realidades que moldam nosso mundo e ajudar a traduzir o conhecimento em ação para o desenvolvimento sustentável. É necessário um diálogo bidirecional entre a ciência e a sociedade, para garantir que as prioridades de pesquisa sejam informadas pelas necessidades da sociedade.

Isso exigirá nada menos que um novo paradigma na forma como a ciência se relaciona com a sociedade.

O Fórum, co-organizado pelo ICSU com vários parceiros, é a etapa final de um processo de quase dois anos que reuniu evidências científicas para informar as negociações da conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável da próxima semana, popularmente conhecida como Rio+20.

O Fórum analisou os maiores desafios enfrentados pela capacidade de carga de nosso planeta: como garantir o abastecimento de alimentos e água para a população global, como fornecer energia em uma economia verde, como se adaptar a um mundo de maior risco de mudanças climáticas e desastres, como para garantir o bem-estar urbano e meios de subsistência sustentáveis ​​que sejam mais equitativos e como repensar os modelos sociais e econômicos.

Respondendo a esses desafios, uma nova iniciativa de pesquisa de sustentabilidade global de 10 anos foi lançada no Fórum. O 'Future Earth', patrocinado cientificamente por uma aliança de parceiros internacionais da ciência global, financiamento de pesquisa e órgãos da ONU, fornecerá uma plataforma de ponta para coordenar pesquisas científicas projetadas e produzidas em parceria com governos, empresas e, mais amplamente, sociedade.

Esta iniciativa interdisciplinar é estabelecida em conjunto e cientificamente patrocinada por uma aliança que inclui o Conselho Internacional para a Ciência (ICSU), o Conselho Internacional de Ciências Sociais (ISSC), o Fórum Belmont, o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), a Organização das Nações Unidas para a Educação, Organização Científica e Cultural (UNESCO), a Universidade das Nações Unidas (UNU) e fortemente apoiada pela Organização Meteorológica Mundial (OMM).

“A evidência científica para a ação é clara e forte. Nossas únicas opções são mitigar, adaptar e prosperar”, disse Lee. “O novo conhecimento da ciência deve desempenhar um papel crítico na busca de soluções por meio de pesquisa integrada, pensamento holístico orientado a sistemas e um compromisso mais forte em nome da ciência com a comunicação, educação e engajamento. Iniciativas como Future Earth são um passo crítico na direção certa”, disse Lee.

Ir para o conteúdo