Seja um voluntário

Acordo “Dados Abertos em um Mundo de Big Data” passa de 120 endossos

Um acordo para promover o acesso aberto a “big data” que são a base da pesquisa avançada recebeu 120 endossos, e a lista inclui organizações científicas proeminentes que apoiam os princípios de dados abertos por meio de compromissos dedicados.

O acordo, “Dados abertos em um mundo de Big Data”, foi desenvolvido por quatro organizações científicas internacionais e propõe 12 princípios para orientar o acesso aberto a big data com financiamento público. Os dados abertos são essenciais para garantir o rigor dos resultados da pesquisa, pois forneceriam aos pesquisadores em todo o mundo a oportunidade de replicar experimentos e observações – basicamente revisitando e verificando novamente os resultados da pesquisa e verificando as conclusões. Para os países menos desenvolvidos, os dados abertos oferecem uma oportunidade de participação mais completa no empreendimento global de pesquisa.

As quatro organizações científicas por trás da campanha são: a Conselho Internacional de Ciência (ICSU); a Parceria InterAcademy (PAI); a Conselho Internacional de Ciências Sociais (ISSC); e A Academia Mundial de Ciências para o avanço da ciência nos países em desenvolvimento (TWAS). Coletivamente, eles representam mais de 280 organizações científicas nacionais, regionais e globais em todo o mundo, com membros individuais nos mais altos níveis de pesquisa científica, política e educação.

Estas quatro organizações trabalham no âmbito de Ciência internacional, uma iniciativa conjunta para desenvolver e promover políticas fortes para a ciência em nível global. Para esta primeira campanha, os parceiros da Science International colaboraram com o CODATA, o Comitê de Dados do ICSU.

“O apoio da comunidade de pesquisa para a Science International e nossa campanha Big Data/Open Data mostra a importância deste tema para todos os domínios científicos. Em pouco mais de um ano. acadêmicos, pesquisadores e organizações internacionais endossaram os princípios estabelecidos em nosso Acordo – exigindo dados abertos como um pré-requisito fundamental para manter o rigor da investigação científica e maximizar o benefício público da revolução dos dados”, disse Heide Hackmann, Diretora Executiva da o Conselho Internacional para a Ciência.

As organizações que desejam endossar o acordo podem ainda faz isso online.

A lista de endossantes inclui uma ampla gama de diferentes instituições científicas de todo o mundo, desde academias e conselhos regionais e nacionais, até organizações científicas internacionais, universidades e instituições de pesquisa, bibliotecas, museus e grupos da sociedade civil.

A lista inclui muitas academias científicas regionais e nacionais, representando Bangladesh, Benin, Brasil, Caribe, Colômbia, Etiópia, Hungria, Malásia, Holanda, Nigéria, República da Coreia, África do Sul e Suíça. Os sindicatos científicos internacionais também endossaram o acordo, incluindo os sindicatos de matemática, química pura e aplicada, ciências do solo e toxicologia. Também entre os endossantes estão universidades, bibliotecas universitárias, institutos de pesquisa e grupos da sociedade civil.

A revolução do big data apresenta aos cientistas de todo o mundo um profundo desafio cultural: a necessidade de uma maior disposição para compartilhar suas informações mais detalhadas com outros pesquisadores e fazê-lo em grande escala. Limites no acesso a big data aumentam o risco de que o progresso diminua em áreas tão diversas quanto pesquisa avançada em saúde, proteção ambiental, produção de alimentos e desenvolvimento de cidades inteligentes.

Os 12 princípios propostos no acordo orientariam a prática e os profissionais de dados abertos. Os princípios se concentram nos papéis desempenhados por cientistas, editores, bibliotecas e outros, bem como nos requisitos técnicos para dados abertos – por exemplo, exortar cientistas financiados publicamente a disponibilizar esses dados abertamente a outros o mais rápido possível, de maneira que lhes permita ser reutilizado e reaproveitado.

Esses 120 endossos demonstram o interesse em abrir os bancos de dados do mundo para que cientistas de todo o mundo possam analisá-los no decorrer da resolução de desafios de pesquisa.

Líderes das quatro organizações lançou uma campanha global para endossos do acordo na primeira reunião da Science International em dezembro de 2015 no Science Forum South Africa em Pretória. Desde então, as organizações por trás da Science International têm incentivado a discussão e adoção dos princípios do acordo por seus respectivos membros e outros órgãos científicos.

Desde então, organizações com uma ampla variedade de interesses apoiaram o acordo, muitas detalhando seus planos futuros em apoio aos seus princípios.

Por exemplo, Informações Mundiais do Solo ISRIC, um centro global de dados do solo, está planejando uma ampla gama de conjuntos de dados abertos e serviços da web que serão úteis para resolver a insegurança alimentar, mudanças climáticas, degradação ambiental, escassez de água e ameaças à biodiversidade. O União Matemática Internacional está planejando usar seu Comitê de Informação e Comunicação Eletrônica para chamar a atenção para a importância entre os matemáticos de dados abertos. Os matemáticos são especialmente cruciais para desenvolver maneiras de analisar e organizar grandes quantidades de dados, como mineração de dados.

Rede de Academias de Ciências em Países da Organização da Conferência Islâmica (NASIC) planejou uma discussão sobre dados abertos em sua conferência de outubro de 2016 na Malásia. O Comitê de Pesquisa Espacial (COSPAR) está planejando anunciar seu endosso ao acordo para sua comunidade científica de quase 10,000 pessoas. O Conselho Latino-Americano de Ciências Sociais (CLACSO) concordou em promover os princípios do acordo em toda a região e publicou uma tradução espanhola do acordo.

Terra do Futuroa plataforma internacional de pesquisa em sustentabilidade, disse que continuaria trabalhando com o governo intergovernamental Grupo de Observações da Terra (GEO) para apoiar os princípios de dados abertos. E a Biblioteca Estadual e Universitária de Göttingen, Alemanha, comprometeu-se a completar uma plataforma para incentivar pesquisadores universitários a publicar abertamente seus dados de pesquisa. Editora científica de acesso aberto Imprensa onipresente, com sede no Reino Unido, disse que continuará crescendo e expandindo a plataforma de data journals, adicionando novos recursos e conectando-se a uma comunidade mais ampla.

Ir para o conteúdo