Seja um voluntário

A pesquisa Polar aumenta a compreensão do nosso clima e ambiente global

O maior projeto de pesquisa coordenado já realizado nas regiões do Ártico e da Antártida rendeu um tesouro de informações que moldará nossa compreensão das regiões polares, oceanos globais, clima e mudanças climáticas nas próximas décadas, de acordo com um resumo da pesquisa divulgada hoje.

28 de março de 2011—'Entendendo os Desafios Polares da Terra' foi apresentado na Semana da Cúpula da Ciência do Ártico em Seul, República da Coréia. O resumo preparado pelo Comitê Conjunto do Conselho Internacional para a Ciência (ICSU) e da Organização Meteorológica Mundial (OMM) apresenta as descobertas do Ano Polar Internacional – um esforço de pesquisa maciço envolvendo cerca de 50,000 participantes de mais de 60 nações entre março de 2007 e março de 2009.

A pesquisa forneceu evidências convincentes dos efeitos generalizados das mudanças climáticas nas regiões polares em um momento em que o ambiente global está mudando mais rápido do que nunca na história da humanidade. A neve e o gelo estão diminuindo, afetando os meios de subsistência humanos, a vida vegetal e animal, a circulação atmosférica e oceânica, de acordo com o resumo.

Partes do Ártico e da Península Antártica estão aquecendo duas vezes mais rápido do que em outras partes da Terra. O aquecimento na Antártida é muito mais difundido do que se pensava antes do Ano Polar Internacional. Os mantos de gelo da Groenlândia e da Antártida estão perdendo massa, contribuindo para o aumento do nível do mar. As mudanças drásticas no Oceano Ártico são evidenciadas pela extensão mínima recorde de gelo marinho no verão em 2007, que foi seguida por outros dois verões de baixo gelo no Ártico, de acordo com o resumo.

“O Ano Polar Internacional revigorou a ciência polar, levou a um nível de ação sem precedentes e atraiu a atenção global para as regiões polares em um momento crítico na mudança da relação entre a humanidade e o meio ambiente”, disseram o secretário-geral da OMM, Michel Jarraud, e a presidente do ICSU, Catherine. Bréchignac em seu prefácio conjunto ao resumo de 720 páginas. As duas organizações co-patrocinaram o Ano Polar Internacional.

Compilado por cerca de 300 autores e revisores, o resumo revela como a pesquisa estabeleceu conjuntos de dados de linha de base em larga escala que podem ser usados ​​para avaliar e prever mudanças futuras em áreas como ambientes polares e oceanos, biodiversidade e processos ecossistêmicos. Avançou observações coordenadas por satélite de camadas de gelo polar e novos sistemas de medição para permafrost e atmosfera polar.

Algumas descobertas principais:

  • Estudos do Ano Polar Internacional documentaram as principais conexões entre os pólos e os processos oceânicos e atmosféricos globais. As mudanças no Oceano Ártico são transmitidas através dos mares subárticos, afetando a circulação oceânica no Atlântico Norte. As evidências revelaram interações em larga escala sem precedentes, levando a um Ártico mais quente e a condições mais frias em latitudes médias (que incluem muitas áreas povoadas).
  • O Ano Polar Internacional forneceu novos dados sobre o papel das placas tectônicas nos principais corredores polares para a circulação oceânica. Como resultado, o mapa tectônico da Antártida está sendo redesenhado.
  • Usando a Antártida como um ponto de vista único, com base nos dados do Telescópio Polar Sul, os astrônomos detectaram uma classe anteriormente desconhecida de aglomerados de galáxias. Essa descoberta amplia significativamente nosso conhecimento sobre a abundância de aglomerados de galáxias no universo e sua idade.
  • O Ano Polar Internacional aumentou a compreensão dos processos microbiológicos e liberação de gases de efeito estufa na atmosfera a partir de solos que sofrem degradação do permafrost. Isso, combinado com uma rede atualizada de estações para medições de permafrost, melhorará o monitoramento de mudanças futuras.
  • Verificou-se que os sistemas biológicos em ambas as regiões polares estavam mais intimamente ligados entre si do que o esperado. Isso é apoiado pela identificação de mais de 1000 espécies de animais marinhos anteriormente desconhecidas - das quais 250 foram identificadas como comuns a ambas as regiões polares - e pela notável semelhança dos sistemas microbianos entre os pólos.
  • A descoberta de novos microrganismos polares fornece informações fundamentais sobre seus habitats polares e sua evolução sob um clima em mudança.

No campo social e humano, a pesquisa polar proporcionará benefícios de longo prazo para muitas partes interessadas, incluindo residentes polares e povos indígenas. Aumentou a compreensão de como o conhecimento indígena pode ser combinado com dados instrumentais no monitoramento das mudanças no gelo polar, neve e cobertura vegetal, migrações de animais marinhos e terrestres, padrões comportamentais de animais polares, pássaros e peixes.

O Ano Polar Internacional criou um momento crítico na forma de novos financiamentos substanciais para pesquisa polar e programas de monitoramento, novas tecnologias de observação e previsão. Ajudou a consolidar uma nova abordagem transdisciplinar que inclui biologia, saúde humana, ciências sociais e humanas, além de meteorologia, glaciologia, oceanografia, geofísica, geologia e outros campos tradicionais de pesquisa polar.

Por último, mas não menos importante, o Ano Polar Internacional formou uma nova geração de cientistas e líderes determinados a levar este legado para o futuro. Ele ofereceu uma janela inspiradora para as capacidades da ciência interdisciplinar e internacional moderna.

Notas para editores:

O relatório resumido, “Entendendo os Desafios Polares da Terra” será apresentado na Arctic Science Summit Week 2011, organizada pelo Korea Polar Research Institute em Seul, República da Coréia, de 28 de março a 1º de abril. O tema principal da Cúpula é “O Ártico: Nova Fronteira para as Ciências Globais”

Também será submetido à reunião ministerial do Conselho do Ártico em Nuuk, Groenlândia, em maio de 2011; na 34ª Reunião Consultiva do Tratado da Antártida em Buenos Aires, Argentina, em junho de 2011. Pesquisadores e formuladores de políticas da Polar se reunirão novamente em abril em Montreal, Canadá, em abril de 2012 para uma conferência final do IPY sobre 'Conhecimento para Ação'.

A versão digital do resumo do Comitê Conjunto do Ano Polar Internacional será divulgada pela Universidade do Ártico e usada como material de curso básico para muitas universidades e faculdades locais dentro dos sistemas da Universidade do Ártico e do Instituto Antártico Internacional. O texto completo do volume de resumo está disponível em (favor fornecer WMO e http://www.icsu.org/publications/reports-and-reviews/ipy-summary). O volume publicado produzido pelo Canadian Circumpolar Institute em Edmonton, Canadá em colaboração com a Universidade do Ártico será lançado em maio de 2011

O Ano Polar Internacional (IPY) 2007–2008 seguiu os passos de seus antecessores, o primeiro Ano Polar Internacional 1882–1883, o segundo Ano Polar Internacional 1932–1933 e o Ano Geofísico Internacional 1957–1958.

Para mais informações, favor contatar:

Na OMM, Comunicações e Relações Públicas:

Carine Richard-Van Maele, Chefe, Tel: +(41 22) 730 8315; +(41 79) 406 47 30 (célula); o email: cpa@wmo.int

Clare Nullis, Assessora de Imprensa, Tel: +(41 22) 730 8478; o email: cnullis@wmo.int

No Conselho Internacional para a Ciência (ICSU):

Sra. Jacinta Legg, Oficial de Comunicações Científicas, Tel: +33 (0)1 45 25 57 77, Email: jacinta.legg@icsu.org
www.icsu.org

Ir para o conteúdo