Seja um voluntário

Presidente do Conselho Científico Internacional, Sir Peter Gluckman, dirige-se aos Ministros da UE

Bruxelas, Bélgica | 15 de fevereiro de 2024

Sir Peter Gluckman, Presidente do Conselho Científico Internacional, dirigiu-se aos Ministros da União Europeia presentes no Jantar de Gala para o “Diálogo multilateral sobre princípios e valores para a cooperação internacional em investigação e inovação”. O diálogo, realizado em Bruxelas, Bélgica, em 15 e 16 de Fevereiro, promove a cooperação da UE Abordagem Global para Pesquisa e Inovação lançado em 2021. O discurso abordou questões como os desafios para a produção científica e a confiança na ciência, a descolonização da ciência e a evolução da ciência para o século XXI.

Sir Peter abordou os seguintes pontos-chave:

  • Prioridades Estratégicas do ISC: O ISC concentra-se em melhorar o papel da ciência na tomada de decisões, promover a liberdade científica e fomentar a cooperação internacional, ao mesmo tempo que enfatiza a distinção crítica entre ciência e sistemas científicos em meio a desafios globais.
  • Natureza Única da Ciência: Sir Peter destaca que a ciência é uma forma de conhecimento sistematicamente organizada, testada empiricamente e em evolução, que deve interagir com outros sistemas de conhecimento para contribuir efetivamente para o bem público.
  • Descolonizando Sistemas Científicos: Reconhecer e respeitar a diversidade na organização e utilização da ciência global é essencial para uma cooperação internacional eficaz e para abordar a descolonização dos sistemas científicos sem comprometer os princípios científicos.
  • Enfrentando os desafios da produção científica e da confiança: O discurso destaca a importância da investigação disciplinar (modo 1), mas também defende abordagens transdisciplinares e envolvidas nas partes interessadas (modo 2) para melhor abordar questões globais complexas, juntamente com um compromisso de lançar um esquema de financiamento piloto para apoiar esta investigação.
  • Ciência em evolução para desafios globais: É necessária uma evolução no sistema científico, equilibrando a investigação tradicional com abordagens transdisciplinares para promover a cooperação internacional e enfrentar os desafios globais, destacando o papel da ciência no apoio à diplomacia multilateral.       

Leia o discurso na íntegra

Obrigado pela honra de discursar esta noite como presidente do Conselho Científico Internacional, a principal ONG que representa a comunidade científica global, em todos os domínios, tanto básicos como aplicados, e que inclui todas as ciências naturais e sociais. Composto por academias nacionais, organismos disciplinares internacionais e outras organizações científicas, está ativo em praticamente todos os países, independentemente da geopolítica, e está sediado em Paris, com pontos focais regionais em África, Ásia-Pacífico e América Latina.

As suas prioridades estratégicas articulam-se bem com a discussão de amanhã: como melhorar o uso da ciência na tomada de decisões tanto a nível nacional como multilateral, como promover a liberdade científica e a cooperação científica internacional responsável de uma forma que traga benefícios para todas as partes: muitas das prioridades do ISC A família de organizações afiliadas tem esse papel central. Em terceiro lugar, centramo-nos na reflexão sobre as questões relacionadas com a evolução da ciência e dos sistemas científicos. 

Há 18 meses, ao abrir este projeto, falei da importância crítica de distinguir entre ciência e sistemas científicos; algo que é ainda mais importante à medida que crescem os debates sobre a descolonização e as tentativas políticas de minar a confiança na ciência. Se quisermos promover a cooperação científica internacional, esta distinção deve ser compreendida e respeitada. A ciência é indiscutivelmente a única linguagem universal e é definida por um conjunto de princípios. Dado que a ciência moderna é uma actividade global crítica para praticamente todos os desafios que temos de enfrentar, é importante que tenhamos entendimentos ampla e globalmente aceites sobre como cooperar e fornecer a ciência necessária.

A ciência é definida por características que a tornam uma forma distinta de conhecimento: uma forma sistematicamente organizada e racionalmente explicável, testada em relação à realidade e ao escrutínio dos pares. As afirmações de conhecimento são testadas em relação à lógica e à realidade. Como resultado, a ciência se autocorrige e evolui. 

Por que isso importa? A ciência, mesmo com as suas características distintivas, não existe isolada de outros sistemas de conhecimento, sejam eles provenientes da religião, do conhecimento local ou indígena, ou do conhecimento tácito de diferentes profissões, incluindo a política. Mas para ser útil deve viver respectivamente e, esperançosamente, em diálogo com eles. Garantir que a ciência possa contribuir para o bem público depende da sua integridade e de fornecer respostas relevantes para problemas reais – se talvez perversos. Isto também exige que a ciência não afirme que pode responder a tudo ou tomar decisões em nome da sociedade. É a sociedade, e não a ciência, que deve determinar o uso da ciência e da tecnologia.

Mas a forma como os sistemas científicos são organizados dentro de uma sociedade é influenciada pela cultura, história e contexto. Existem enormes diferenças em todo o mundo na forma como a ciência é organizada e usada. É assim possível falar em descolonizar os sistemas científicos sem ameaçar os princípios que definem a ciência. É fundamental para uma cooperação científica multilateral eficaz que compreendamos estas variações nos sistemas científicos, apesar da universalidade da ciência. A cooperação científica pode falhar quando os cientistas do Norte Global que operam em contextos distantes não conseguem reconhecer estas diferenças. 

Este projeto concentrou-se principalmente na produção de ciência confiável, uma área na qual o ISC há muito lidera através do seu Comitê sobre a Liberdade e Responsabilidade da Ciência. Mas há um desafio mais profundo: as mudanças nas percepções da ciência como valiosa e confiável. Pode ser minado por políticos, grupos de interesse, desinformação ou por comunicação científica deficiente ou arrogante.

Apesar dos grandes investimentos na ciência, o progresso nos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável tem sido decepcionante. O ISC passou muito tempo consultando e pensando sobre esta realidade. A maior parte da investigação apoiada e incentivada por financiadores, universidades e universidades é de natureza modo 1, ou seja, onde cientistas em grande parte disciplinarmente isolados são financiados para produzir conhecimento de uma forma linear: os resultados primários são académicos ou tecnológicos.

Mas os problemas graves que todos enfrentamos exigem uma abordagem diferente. Quer se trate de alterações climáticas, desenvolvimentos tecnológicos como a IA, alterações sociológicas ou demográficas, saúde mental ou desvantagens intergeracionais, há uma compreensão crescente de que estes são sistemas complexos que requerem intervenções complexas que necessitam de um tipo diferente de investigação denominada investigação de modo 2 e, em abordagens particularmente transdisciplinares. Nessa investigação, as partes interessadas, sejam elas os decisores políticos, as empresas ou a sociedade civil, precisam de estar plenamente envolvidas desde o início com cientistas de múltiplas disciplinas, incluindo cientistas naturais e sociais, que podem deixar a sua arrogância disciplinar de lado. Isto inclui informar tanto as questões como a metodologia de investigação, tornando muito mais provável a produção de conhecimento prático e confiável. Mas leva tempo para construir confiança e tempo para fazer isso. Os actuais processos de financiamento e avaliação não incentivam tais abordagens.

O ISC defende que em todos os níveis da ciência, do local ao global, ao mesmo tempo que protege a ciência disciplinar e interdisciplinar do modo 1, novas ferramentas sejam empregadas para apoiar a ciência transdisciplinar do modo 2. Existem excelentes exemplos emergentes, mas estes são em grande parte financiados fora dos mecanismos convencionais. A cooperação global dos financiadores é necessária para desenvolver estas modalidades. Mas o mundo não pode esperar e o ISC lançará o seu próprio esquema de financiamento piloto ainda este ano para demonstrar o que pode ser alcançado. Congratulamo-nos com parceiros que o façam. 

Embora o conhecimento prático que emerge dessa ciência seja fundamental para enfrentar desafios em todas as escalas, do local ao global, a posição única da ciência como universal proporciona benefícios adicionais de apoio à diplomacia multilateral. Também aqui a UE, enquanto interveniente global na definição da política de investigação, pode demonstrar liderança.

O actual sistema científico deve agora evoluir – ao mesmo tempo que sustenta os esforços nos modos tradicionais, deve apoiar novos modos de fazer ciência para um progresso real em muitas questões dos bens comuns globais. Combatê-los, mesmo a nível local, deve envolver uma maior cooperação científica internacional. Não podemos nos dar ao luxo de falhar.

Senhor Peter Gluckman

ONZ KNZM FRSNZ FMedSci FISC FRS

Presidente

Conselho Internacional de Ciência


Ir para o conteúdo