Seja um voluntário

INGSA 2024: Conselheiros científicos do mundo unidos

Enquanto o INGSA se prepara para celebrar a sua conferência do 10º aniversário no Ruanda, Rémi Quirion e David Budtz Pedersen reflectem sobre o papel da investigação, do conhecimento e da experiência no avanço de soluções baseadas em evidências. Das alterações climáticas às pandemias e à inteligência artificial, são necessários especialistas e investigadores como conselheiros dos governos.

A nível global, os líderes mundiais apelam aos investigadores para ajudarem a enfrentar os principais desafios sociais. Enquanto isso, a crise de informação aumenta. Isto exige novas iniciativas e uma cooperação internacional reforçada.

De muitas maneiras, a comunidade global é desafiada pelo que parece ser um paradoxo. Não passa um dia sem alertar os cidadãos sobre a ameaça da desinformação. Novas tecnologias, como a inteligência artificial, podem produzir grandes quantidades de imagens e textos falsos e espalhá-los por amplas redes sociais. Os líderes populistas são conhecidos por distorcer os factos e usar meias verdades para convencer os eleitores, explorando emoções e identidade. Isso cria confusão e distrai a atenção.

O Fórum Econômico Mundial anunciou no seu relatório de risco no início de 2024 que a desinformação constitui “a maior ameaça à democracia até à data”. Especialmente num ano com eleições importantes, como as eleições presidenciais dos EUA e as eleições para o Parlamento Europeu, há motivos para preocupação. A pressão está a aumentar nas plataformas de redes sociais, onde chatbots, influenciadores e “especialistas” alternativos podem facilmente enganar os cidadãos com afirmações sensacionais mas duvidosas.

Mas este é apenas um lado da história. Estudos mostram que os cidadãos de todo o mundo exigem mais informações factuais do que nunca. Isto reflecte-se em inquéritos em que os cidadãos demonstram um claro interesse em meios editoriais de alta qualidade e em aconselhamento científico na tomada de decisões políticas. Quando a pandemia da COVID-19 atingiu a comunidade global, foram as autoridades médicas e as comunidades de especialistas que a população recorreu para consulta. Não é mídia social.

Uma análise realizada pelo projecto “Conhecimento e Democracia” na Dinamarca mostrou recentemente que uma grande maioria dos cidadãos deseja que os investigadores desempenhem um papel mais activo nos debates públicos e se envolvam mais activamente com a sociedade. O que parece ser um paradoxo superficialmente acaba sendo uma causa e efeito naturais. Quando os cidadãos e os políticos são desafiados por uma superabundância de desinformação, parecem exigir aconselhamento, comunicação e provas de maior qualidade para a tomada de decisões.

Veja o ISC na conferência do INGSA

Conselho Científico Internacional e INGSA

Conheça os Delegados do ISC, leia a mensagem do CEO e conheça os relatórios e materiais do ISC que podem auxiliar consultores científicos em todos os níveis.

Não há dúvida razoável de que as políticas baseadas em evidências e uma maior presença de consultores científicos na tomada de decisões públicas valem o investimento. A nossa resposta à actual crise de informação não deve ser a censura ou a exigência de “verdades públicas” autorizadas, divulgadas por agentes autorizados dos meios de comunicação estatais. Em vez disso, a resposta à crise global da informação deve consistir em melhorar a qualidade e a integridade da informação. Uma forma de o conseguir é dar aos investigadores e peritos um papel mais proeminente nos processos de tomada de decisão política, não como decisores, mas como conselheiros.

Agora, poder-se-ia pensar que mecanismos para promover as competências dos investigadores para comunicar e aconselhar os decisores políticos seriam um problema de luxo em democracias avançadas como a Dinamarca e o Quebeque.

Mas isso está longe de ser o caso.

Em todo o mundo, incluindo a América do Sul, a África, a Ásia e o Médio Oriente, há necessidade de soluções baseadas em evidências e de cooperação em matéria de aconselhamento científico. Isto é especialmente verdade em áreas como vacinas, saúde, clima, energia, agricultura e alimentação. Nestas áreas, as evidências e a investigação podem salvar vidas e garantir um futuro justo e sustentável. O facto de os governos mundiais ouvirem os investigadores e serem informados pelo conhecimento baseado na investigação pode ser o factor determinante crucial quando os governos tomam decisões sobre acção climática, protecção ambiental, crescimento económico, regulação da inteligência artificial e preparação para novas epidemias.

A história fala por si. Demorou demasiado tempo para que a comunidade global mobilizasse conhecimentos e evidências para combater a epidemia do VIH na década de 1990. Demorou demasiado tempo para criar a consciência necessária sobre os efeitos negativos do tabaco e do álcool. E embora todos estejam exaustos de ouvir falar disto, está a demorar demasiado tempo a implementar medidas eficazes de política climática, mesmo que o consenso científico tenha sido estabelecido há anos.

O que estes exemplos nos dizem é que não só precisamos de produzir mais e melhor ciência, como também os nossos ambientes de investigação devem estar mais bem equipados para aconselhar os políticos e os governos do mundo. O valor do conhecimento só é percebido quando ele é traduzido e divulgado entre cidadãos, empresas, autoridades, pacientes e qualquer pessoa que precise tomar decisões com base no conhecimento mais recente e confiável.

Quando os políticos, o governo e os cidadãos têm acesso a aconselhamento baseado em investigação, a oportunidade de encontrar soluções mais eficazes é simplesmente maior. Portanto, é importante que os investigadores se envolvam com os políticos. Mas também que os governos possam ouvir melhor os peritos independentes e os comités consultivos que podem ajudar a aumentar a qualidade da tomada de decisões.

Como catalisador deste desenvolvimento, foi fundada em 2014 uma associação internacional para profissionais de aconselhamento científico, conhecida como Rede Internacional de Aconselhamento Científico Governamental (INGSA). Desde a sua criação, a associação atraiu 5000 membros de 130 países, tornando-a uma organização científica verdadeiramente internacional. No próximo mês, a associação convocar para o seu aniversário de 10 anos em Kigali, Ruanda, para uma conferência que reúne pesquisadores, especialistas, líderes governamentais, fundações e universidades. O objetivo da conferência é fortalecer o apelo global por intervenções e soluções políticas baseadas em evidências.

Especificamente, acreditamos que é necessário que os líderes mundiais desenvolvam instrumentos e mecanismos que possam permitir aos cientistas explicar, traduzir e comunicar melhor o conhecimento em benefício dos debates políticos e democráticos em áreas como o clima, a biodiversidade, a democracia digital e a gestão de recursos. economia.

Isto se aplica a todos os lugares. Na Dinamarca, temos um elevado nível de ensino superior e a nossa função pública está bem equipada para utilizar o conhecimento científico. Em Quebec, demos um passo além e institucionalizamos o aconselhamento científico com o cargo de Cientista Chefe. Mas embora estas estruturas sejam importantes, não são suficientes. É necessário mais trabalho para colocar a investigação em contacto com a sociedade. Requer uma cultura política e exige conhecimentos especializados, bem como líderes que não tenham medo de interagir com ideias disruptivas, mas que possam ver o potencial da utilização da melhor ciência quando é necessário tomar decisões difíceis.


Aviso Legal: As informações, opiniões e recomendações apresentadas neste artigo são de responsabilidade dos colaboradores individuais e não refletem necessariamente os valores e crenças do Conselho Científico Internacional.

Rémi Quirion é professor e cientista-chefe de Quebec. Ele é o presidente da Rede Internacional de Aconselhamento Científico Governamental (INGSA). David Budtz Pedersen é professor de comunicação científica na Universidade de Aalborg e membro ativo do INGSA.

Ir para o conteúdo