Seja um voluntário

Projeto Ciência no Exílio entra em uma nova fase

O projeto Ciência no Exílio, organizado sob a égide da 'Ciência Internacional', está ganhando impulso após recentes workshops online.

Cientistas deslocados por conflitos e dificuldades precisam de apoio internacional. E um workshop recente agora mudou oficialmente uma nova iniciativa de cientistas em situação de risco, deslocados e refugiados para uma nova fase de engajamento público global.

Durante meses o projeto, agora chamado de Iniciativa Ciência no Exílio, está em fase de planejamento. O objetivo do workshop era dar início à próxima fase da iniciativa, com foco no início das atividades e no estabelecimento de objetivos de longo prazo. 

O workshop decorreu na plataforma Zoom, em três encontros - nos dias 30 de março, 1o de abril e 12 de abril - distribuídos por duas semanas para permitir tempo de discussão e reflexão. As reuniões incluíram apresentações, mesas redondas, discussões abertas e feedback coletado por meio de um software de votação. Incluiu cerca de 70 pessoas de países de todo o mundo: Austrália, Bangladesh, Bélgica, Canadá, China, Egito, França, Alemanha, Irã (República Islâmica do), Iraque, Itália, Nigéria, Noruega, África do Sul, Suíça, o Árabe Sírio República, Reino Unido, Estados Unidos e Iêmen. Uma ampla gama de partes interessadas participou - de indivíduos a representantes das Nações Unidas, outras organizações internacionais, organizações não governamentais, universidades, governos, instituições científicas e grupos da diáspora até os próprios cientistas em situação de risco, deslocados e refugiados.

A iniciativa está em seus estágios iniciais, mas ter uma estrutura estratégica e uma rede provisória para cientistas em situação de risco, deslocados e refugiados fornecerá a base através da qual ela pode crescer nos próximos anos.     

A iniciativa Ciência no Exílio foi estabelecida por meio de uma parceria entre UNESCO-TWAS, o International Science Council (ISC) e a InterAcademy Partnership (IAP), sob a égide de Ciência internacional, e o trabalho começou no lançar em 2020. A iniciativa visa criar uma rede de organizações afins trabalhando juntas para desenvolver uma plataforma e lançar uma campanha de advocacy, de modo a promover uma resposta coesa para o apoio a cientistas em situação de risco, deslocados e refugiados. Os participantes deste workshop estavam diretamente conectados aos parceiros organizadores da Science International, incluindo redes como TWAS Fellows, TWAS Young Affiliates, TWAS Regional Partners, academias membros do IAP e membros do ISC. 

“Precisamos entender dos próprios cientistas no exílio a melhor forma de apoiá-los. Este é um dever moral. E, como organizações científicas internacionais, devemos garantir que eles não se percam para a ciência e que possamos ajudar a reconstruir seu país no futuro, se assim decidirem. ”

Mathieu Denis, Diretor de Ciência, ISC.

“Este é um problema complexo com muitas nuances. Em todo o mundo, ainda há suspeita e resistência em acolher refugiados, mas também histórias de sucesso que devemos compartilhar ”, disse Peter McGrath, coordenador do programa UNESCO-TWAS de Diplomacia Científica e do IAP. “Devemos usar a Science International como alavanca para envolver a comunidade científica mais ampla, incluindo o envolvimento de mais organizações do Sul global, pois é aqui que vive a maioria dos cientistas em situação de risco, deslocados e refugiados.”

Os participantes disseram que o workshop os motivou a serem voluntários para a iniciativa, fazer parceria com organizações afins, construir uma rede com boas práticas e alcance global e aprender mais sobre os desafios enfrentados por refugiados e cientistas deslocados.

Saiba mais sobre Ciência no Exílio.


Foto por Júlia Joppien on Unsplash.

Ir para o conteúdo