Seja um voluntário

Os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável devem sustentar as pessoas e o planeta

Na esteira das reuniões da semana passada na ONU sobre a definição dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), um grupo de cientistas internacionais publicou uma chamada na revista Nature hoje, defendendo um conjunto de seis ODS que vinculam a erradicação da pobreza à proteção do suporte de vida da Terra. Os pesquisadores argumentam que, diante da crescente pressão sobre a capacidade do planeta de sustentar a vida, a adesão a definições desatualizadas de desenvolvimento sustentável ameaça reverter o progresso feito nos países em desenvolvimento nas últimas décadas.

Melbourne, Austrália, 21 de março de 2013 — Acabar com a pobreza e proteger o sistema de suporte à vida da Terra devem ser as duas prioridades dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, dizem os pesquisadores. A equipe identificou seis metas que, se cumpridas, contribuiriam para a sustentabilidade global e ao mesmo tempo ajudariam a aliviar a pobreza.

“As mudanças climáticas e outras ameaças ambientais globais se tornarão cada vez mais sérias barreiras para o desenvolvimento humano”. diz o autor principal, professor David Griggs, da Monash University, na Austrália. Os seres humanos estão transformando o sistema de suporte à vida da Terra – a atmosfera, oceanos, vias navegáveis, florestas, mantos de gelo e biodiversidade que nos permitem prosperar e prosperar – de maneiras “provavelmente minar os ganhos de desenvolvimento”, ele adicionou.

O co-autor Professor Johan Rockström, diretor do Stockholm Resilience Center disse: “Pesquisas crescentes mostram que estamos agora no ponto em que o funcionamento estável dos sistemas da Terra é um pré-requisito para uma sociedade global próspera e desenvolvimento futuro. "

A equipe afirma que o modelo clássico de desenvolvimento sustentável, de três pilares integrados – econômico, social e ambiental – que atende as nações e a ONU há mais de uma década, é falho porque não reflete a realidade. “À medida que a população global aumenta em direção a nove bilhões de pessoas, o desenvolvimento sustentável deve ser visto como uma economia que serve à sociedade dentro do sistema de suporte à vida da Terra, não como três pilares.” diz o co-autor Dr. Priya Shyamsundar da Rede Sul-Asiática para Desenvolvimento e Economia Ambiental, Nepal.

Os pesquisadores dizem que os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs), programados para expirar em 2015, ajudaram a concentrar os esforços internacionais em oito objetivos relacionados à pobreza. No entanto, apesar dos sucessos em algumas áreas – o número de pessoas que vivem com menos de um dólar por dia foi reduzido para mais da metade – muitos ODM não foram alcançados e alguns continuam em conflito entre si. Os ganhos econômicos, por exemplo, vieram à custa da proteção ambiental. Os políticos estão lutando para vincular as preocupações ambientais globais com o combate à pobreza.

O novo conjunto de objetivos – vidas e meios de subsistência prósperos, segurança alimentar, segurança hídrica, energia limpa, ecossistemas saudáveis ​​e produtivos e governança para sociedades sustentáveis ​​– visam resolver esse conflito. As metas abaixo de cada meta incluem atualizações e metas expandidas sob os ODMs, incluindo acabar com a pobreza e a fome, combater o HIV/aids e melhorar a saúde materno-infantil. Mas eles também definem um conjunto de “must haves” planetários: estabilidade climática, redução da perda de biodiversidade, proteção dos serviços ecossistêmicos, ciclo da água e oceanos saudáveis, uso sustentável de nitrogênio e fósforo, ar limpo e uso sustentável de materiais.

O co-autor Dr. Mark Stafford Smith, diretor científico do programa de pesquisa de adaptação climática do CSIRO na Austrália disse: “O ponto chave é que os ODS devem realmente contribuir para a sustentabilidade. Os ODS têm o potencial de garantir os ganhos espetaculares em desenvolvimento humano que alcançamos nas últimas duas décadas e ajudar o mundo a fazer a transição para um estilo de vida sustentável. Mas a ligação entre esses dois objetivos deve ser mais coerente”.

A nova pesquisa está ligada ao Future Earth, um novo programa de pesquisa internacional projetado para “desenvolver o conhecimento necessário para que as sociedades em todo o mundo enfrentem os desafios colocados pelas mudanças ambientais globais e identifiquem oportunidades para uma transição para a sustentabilidade global”. Vários autores estão intimamente envolvidos no desenvolvimento deste novo programa de pesquisa.

“Em última análise, a escolha dos objetivos é uma decisão política. Mas a ciência pode informar qual combinação de objetivos pode alcançar um futuro sustentável. E a ciência pode identificar metas e indicadores mensuráveis”, disse o Dr. Stafford Smith.

CONTACTOS

Denise Young, Conselho Internacional para a Ciência (ICSU)

T: + 33 1 45 25 57 77

M:+33 6 5115 1952

denise.young@icsu.org

Owen Gaffney, Programa Internacional de Geosfera-Biosfera

T: +46 86739556

M: +46 730208418

Owen.gaffney@igbp.kva.se

AUTORES DA NATUREZA PAPEL

David Griggs1, Mark Stafford-Smith2, Owen Gaffney3, Johann Rockström4, Marcus C. Ohman4, Priya Shyamsundar5, Will Stefan4,6, Gisbert Glaser7, Norichika Kanie8 & Ian Noble9.

1 Instituto de Sustentabilidade Monash, Universidade Monash, VIC 3800, Austrália.

2 CSIRO Climate Adaptation Flagship, PO Box 1700, Canberra, ACT 2601, Austrália

3 Programa Internacional Geosfera-Biosfera, Real Academia Sueca de Ciências, SE-104 05 Estocolmo, Suécia

4 Centro de Resiliência de Estocolmo, Universidade de Estocolmo, 10691 Estocolmo, Suécia.

5 Rede do Sul da Ásia para o Desenvolvimento e Economia Ambiental, Nepal

6 Fenner School of Environment and Society, The Australian National University, Canberra, ACT 0200, Austrália

7 Conselho Internacional para a Ciência, 75016 Paris, França

8 Instituto de Tecnologia de Tóquio e Instituto de Estudos Avançados da Universidade das Nações Unidas, Tóquio, Japão

9 Instituto de Adaptação Global, Washington, EUA

SOBRE O FUTURO DA TERRA

Future Earth é um programa de pesquisa internacional de 10 anos que fornecerá o conhecimento crítico necessário para que as sociedades enfrentem os desafios colocados pelas mudanças ambientais globais e identifiquem oportunidades para uma transição para a sustentabilidade global. Fornecerá ciência da mais alta qualidade, integrando, conforme necessário, diferentes disciplinas das ciências naturais, sociais (incluindo econômicas e comportamentais), engenharia e ciências humanas. Será co-projetado e co-produzido por acadêmicos, governos, empresas e sociedade civil, abrangerá ideias de baixo para cima da ampla comunidade científica, será orientado para soluções e incluirá projetos internacionais de Mudança Ambiental Global existentes e atividades de pesquisa relacionadas. Future Earth pretende estar totalmente operacional em 2014.

Este artigo é um exemplo inicial do trabalho orientado a soluções que a Future Earth realizará, com equipes interdisciplinares de cientistas se unindo através das fronteiras internacionais para ajudar a resolver problemas de sustentabilidade.

Ir para o conteúdo