Seja um voluntário

Por que precisamos de uma carta da ONU

A digitalização pode tanto conduzir a transformação para sustentabilidade quanto frustrá-la. Para que a humanidade aproveite as oportunidades, os formuladores de políticas devem agir.

António Guterres, o secretário-geral da ONU, continua reiterando que precisamos de transformações profundas para evitar desastres climáticos, bem como para combater a pobreza, reduzir as desigualdades e conter o nacionalismo galopante. Ele o fez, por exemplo, nas cúpulas da ONU sobre a crise climática e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) em Nova York em setembro. 

O líder da ONU tem muitos motivos para se preocupar. Uma montanha de publicações científicas aponta o perigo em que corremos. Provavelmente, os relatórios mais impressionantes e abrangentes foram produzidos pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). A comunidade científica tem deixado absolutamente claro que precisamos de mudanças profundas se quisermos alcançar a sustentabilidade.

Em retrospecto, é uma pena que a digitalização não tenha sido mencionada nos principais acordos de política internacional que os chefes de estado e de governo adotaram em 2015. Obviamente, ela terá uma influência na realização da Agenda 2030 da ONU, que inclui os 17 ODS, e o Acordo de Paris sobre Mudanças Climáticas. Inteligência artificial (IA), aprendizado de máquina, realidades virtuais e desenvolvimentos relacionados somam-se a uma revolução tecnológica que não pode ser ignorada.

A mudança digital terá impactos - alguns úteis, outros prejudiciais - em todos os ODS, variando da redução da pobreza à eficiência dos recursos, da governança aos sistemas de energia e mobilidade, do emprego às parcerias transnacionais. A tecnologia digital está acelerando mudanças sociais e econômicas fundamentais (Sachs et al, 2019).

Eric Schmidt, o ex-presidente-executivo do Google, disse que os sistemas baseados em IA podem, nos próximos cinco a dez anos, resolver quebra-cabeças científicos que valem um prêmio Nobel. Eles também poderiam ser o divisor de águas de que precisamos para facilitar a transformação em direção à sustentabilidade? Bem integradas, as duas megatendências de digitalização e transformação da sustentabilidade podem moldar o século 21 de uma forma positiva. Eles podem criar um modelo de prosperidade humana dissociado do consumo de recursos e das emissões. Ao mesmo tempo, pode recuperar o crescimento econômico e o progresso social.

O Conselho Consultivo Alemão sobre Mudança Global (Wissenschaftlicher Beirat Globale Umweltveränderungen - WBGU) publicou recentemente um relatório principal com o título: “Rumo ao nosso futuro digital comum” (ver Sabine Balk em D + C / E + Z e-Paper 2019/07, seção Monitor) Mostra duas coisas importantes e paradoxais:

  • As tecnologias digitais têm o potencial de facilitar transformações rápidas em direção a uma economia verde (ao promover a descarbonização em muitos setores, multiplicar a eficiência energética e de recursos e melhorar a vigilância e proteção dos ecossistemas), mas
  • A digitalização cada vez mais rápida não trouxe, até agora, a reviravolta de sustentabilidade de que precisamos. Em vez disso, está aprofundando e ampliando padrões de crescimento insustentáveis.

O Painel de Cooperação Digital da ONU (2019) e o consórcio científico “The World in 2050” (2019) também chegaram a essas duas conclusões em publicações recentes. É evidente que não há automatismo entre a digitalização e as transformações da sustentabilidade. O elo que faltava é a governança. Os formuladores de políticas devem agir rapidamente para que a humanidade enfrente o desafio do clima, alcance os ODS e construa as pontes entre a inovação digital e as transformações da sustentabilidade. 

Revolução Tecnológica

Para ser claro: as transformações da sustentabilidade na era digital não são apenas sobre incentivos inteligentes que geram soluções tecnológicas rápidas. Muito mais está em jogo. Nossas sociedades estão passando por mudanças tão dramáticas quanto as mudanças que foram provocadas pela imprensa ou máquina a vapor em épocas anteriores. Estamos entrando em uma nova era da civilização humana. Entre outras coisas, as mudanças de paradigma afetarão os significados de “desenvolvimento humano” e “sustentabilidade”. 

Devemos levar em conta que a digitalização não é uma bênção em si. É ambivalente:

  • Por um lado, é um capacitador potencial de uma economia verde e de redes transnacionais com grande espaço para conectar pessoas ao redor do mundo e impulsionar uma cultura de cooperação global.
  • Por outro lado, a digitalização pode exacerbar as divisões sociais, agravar os riscos ambientais e desestabilizar as sociedades.

Para controlar os perigos, devemos, portanto, aprender rápido. O WBGU identificou vários riscos sistêmicos na era digital. Eles incluem o seguinte:

  • As tecnologias digitais dependem de recursos específicos e alto consumo de energia. A menos que descarbonizemos os sistemas de energia e construamos economias circulares, o crescimento impulsionado digitalmente ultrapassará as barreiras planetárias. Os pontos de inflexão do sistema terrestre (como o derretimento do escudo de gelo da Groenlândia) serão alcançados.
  • Impulsionada por big data, a inteligência artificial e o aprendizado de máquina irão perturbar os mercados de trabalho. Não apenas os operários serão despedidos, mas também os profissionais altamente qualificados, incluindo advogados, contadores e engenheiros. Nenhuma nação possui um sistema de proteção social projetado para lidar com esses desafios. Nossas economias e sistemas educacionais estão mal preparados.
  • As ferramentas digitais tornam possível rastrear todos, enquanto a análise de big data e sistemas de pontuação social podem ser usados ​​para entender e manipular o comportamento humano individual e coletivo. A democracia, a liberdade e a dignidade humana estão em risco quando a mudança digital atende a impulsos autoritários.
  • Os sistemas científicos nacionais também precisam se adaptar. As oportunidades da revolução digital são profundas. As tecnologias digitais estão criando um novo 21st infra-estrutura do século para compreender a complexidade da mudança transformadora e responder em conformidade. No entanto, os sistemas nacionais de ciência estão lutando para adaptar suas infra-estruturas, prioridades e processos a essas novas oportunidades e desafios. A menos que eles se interconectem a este mundo emergente da ciência com muitos dados, eles serão incapazes de progredir, estagnando no isolamento. Ainda outra lacuna de conhecimento está começando a se abrir entre o norte global e o sul global. Devemos interromper essa tendência porque isso não afetará apenas os países em desenvolvimento. Isso vai prejudicar toda a comunidade internacional.
  • A combinação de IA, análise de big-data, pesquisa do genoma e ciências cognitivas é perigosa ainda de outra maneira: ela abre a porta para que os seres humanos se tornem “aprimorados” em termos físicos, cognitivos ou psicológicos. Sem dúvida, haverá tentativas de “otimizar” o homo sapiens. O Antropoceno é a era do planeta sendo moldado pelos humanos. No Antropoceno Digital, os humanos estão se tornando capazes de se transformar. Certamente precisamos de barreiras éticas, mas ainda não as temos. Esta questão se estende muito além do horizonte da Agenda 2030.

Devemos nos preparar

Por várias razões, não estamos suficientemente preparados para enfrentar os desafios listados acima. A ciência como um todo ainda não está explorando as ferramentas da revolução digital. A ciência da sustentabilidade e a pesquisa sobre inovações digitais não estão suficientemente vinculadas. O conhecimento do impacto da dinâmica digital sobre os órgãos públicos (incluindo, é claro, organizações multilaterais como a ONU) ainda é pouco desenvolvido. A forma como a sustentabilidade e as transformações digitais estão ligadas também não foi suficientemente estudada. Não temos um discurso público sobre como seria uma era digital sustentável e centrada no homem, e tal discurso não deve envolver apenas os legisladores, mas também as empresas, a sociedade civil e a academia.

Sem dúvida, é necessária uma ação rápida. Devemos aproveitar as oportunidades, direcionando inovações tecnológicas poderosas para a sustentabilidade.

Portanto, o WBGU uniu forças com outras organizações científicas, incluindo o Conselho Internacional de Ciências, a Terra do Futuro, a Universidade das Nações Unidas, bem como vários parceiros da Ásia e da África. Nos eventos da ONU em Nova York em setembro, lançamos um rascunho de uma carta da ONU para uma era digital sustentável. É chamado de “Nosso Futuro Digital Comum”E pode servir de base para o debate global, envolvendo cientistas, tomadores de decisão, ativistas comunitários e cidadãos de todo o mundo. Esse debate deve então levar à ação.

O estatuto global deve conter três elementos:

  • A digitalização deve ser projetada de forma a atender aos ODS e ao Acordo de Paris.
  • Além disso, os riscos sistêmicos precisam ser evitados.
  • Cada nação deve se preparar para uma era digital sustentável, e isso implica em reformas nos setores da educação, em pesquisas intensivas sobre questões relevantes e na adoção de barreiras éticas.

A projecto de carta foi publicado em vários sites. Isto é aberto para comentários e discussão. Baseia-se nas Declarações de Direitos Humanos, na Agenda 2030 e no Acordo de Paris sobre o Clima. Dado, além disso, que a digitalização e a sustentabilidade têm uma relevância abrangente, faria sentido realizar uma cúpula mundial sobre “Nosso Futuro Digital Comum” em 2022 - 30 anos após a Cúpula da Terra no Rio de Janeiro.


Publicado originalmente em Desenvolvimento e Cooperação em D + C

heide hackmann é o diretor executivo do Conselho Internacional de Ciências: heide.hackmann@council.science

Dirk Messner copreside o Conselho Consultivo Alemão sobre Mudança Global (Wissenschaftlicher Beirat Globale Umweltveränderungen - WBGU) e é diretor da Universidade das Nações Unidas: messner@ehs.unu.edu


Referências

IPCC, 2018: Aquecimento global de 1,5 C. Genebra.
IPCC, 2019: O oceano e a criosfera em um clima em mudança. Genebra.
Sachs, J., Schmidt-Traub, G., Mazzucato, M., Messner, D., Nakicenovic, N., Rockström, J., 2019: Seis transformações para atingir os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Nature Sustainability, vol. 2, setembro, 805-814.
O mundo em 2050, 2019: A revolução digital. Viena, IIASA.
WBGU, 2019: Em direção ao nosso futuro digital comum. Berlim, WBGU.
Painel de alto nível da ONU sobre cooperação digital, 2019: A era das interdependências digitais. Nova York, ONU.

Ir para o conteúdo