Seja um voluntário

Estratégia, planejamento e revisão

Um Plano Científico para Pesquisa Integrada sobre Risco de Desastres

Resumo Os impactos dos riscos naturais continuam a aumentar em todo o mundo; a frequência dos desastres registados que afectam as comunidades aumentou significativamente de cerca de 100 por...

Resumo

Os impactos dos desastres naturais continuam a aumentar em todo o mundo; a frequência de desastres registrados afetando comunidades aumentou significativamente de cerca de 100 por década no período 1900-1940, para 650 por década na década de 1960 e 2000 por década na década de 1980, e chegou a quase 2800 por década na década de 1990.

Centenas de milhares de pessoas morrem e milhões ficam feridas, afetadas ou deslocadas a cada ano por causa de desastres, e a quantidade de danos materiais tem dobrado a cada sete anos nos últimos 40 anos. Embora terremotos e tsunamis possam ter impactos horríveis, a maioria das perdas por desastres decorre de riscos relacionados ao clima, como furacões, ciclones, outras grandes tempestades, inundações, deslizamentos de terra, incêndios florestais, ondas de calor e secas. As evidências atuais demonstram que as mudanças no clima global continuarão a aumentar a frequência e a gravidade dos perigos relacionados ao clima.

A globalização, o crescimento populacional, a pobreza generalizada, particularmente em áreas perigosas, e as mudanças climáticas farão com que o risco associado aos desastres naturais seja ainda maior no futuro, com mais pessoas e comunidades em risco. Nas regiões urbanas, os complexos sistemas de infraestrutura que possibilitam a vida e a atividade econômica, a concentração e centralização das funções econômicas e políticas, a segregação social e as complexas inter-relações espaciais e funcionais, tudo isso contribui para a vulnerabilidade das populações às perturbações causadas pelos perigos.

A Avaliação da Área Prioritária do ICSU sobre Meio Ambiente e sua Relação com o Desenvolvimento Sustentável (2003) e a Análise Prospectiva do ICSU (2004) propuseram 'Riscos naturais e induzidos pelo homem' como uma importante questão emergente. O sumário executivo da Avaliação da Área Prioritária do ICSU sobre Capacitação em Ciência (2005a) afirmou que um grande desafio é 'um problema de desenvolvimento... a lacuna cada vez maior entre o avanço da ciência e tecnologia e a capacidade da sociedade de capturá-los e usá-los'.

É a avaliação do Grupo de Planejamento do ICSU que, apesar de todas as atividades existentes ou já planejadas sobre desastres naturais, um programa integrado de pesquisa sobre redução de risco de desastres, sustentado por uma década ou mais e integrado em todos os perigos, disciplinas e regiões geográficas, é um imperativo. A natureza de valor agregado de tal programa dependeria do estreito acoplamento das ciências naturais, socioeconômicas, da saúde e da engenharia. O Grupo de Planejamento recomenda que o Programa de Pesquisa seja denominado Pesquisa Integrada sobre Risco de Desastres – abordando o desafio dos perigos ambientais naturais e induzidos pelo homem (sigla: IRDR).

O Plano Científico do Programa IRDR proposto se concentraria em perigos relacionados a eventos desencadeadores geofísicos, oceanográficos e hidrometeorológicos; terremotos; vulcões; inundações; tempestades (furacões, tufões, etc.); ondas de calor; secas e incêndios; tsunamis; erosão costeira; deslizamentos de terra; aspectos das mudanças climáticas; clima espacial e impacto de objetos próximos da Terra. Os efeitos das atividades humanas na criação ou aumento de perigos, incluindo práticas de uso da terra, seriam incluídos. O Programa IRDR lidaria com epidemias e outras situações relacionadas à saúde apenas quando fossem consequências de um ou mais dos eventos mencionados. Riscos técnicos e industriais e guerra e atividades associadas não seriam incluídos per se. O foco na redução de risco e a compreensão dos padrões de risco e decisões de gerenciamento de risco e sua promoção exigiriam a consideração de escalas desde o nível local até o internacional.

Os aumentos nos custos dos desastres estão ocorrendo em países desenvolvidos e em desenvolvimento, o que sugere que a redução dos riscos de desastres não é simplesmente uma questão de crescimento e desenvolvimento econômico. Há um grande déficit na pesquisa atual sobre como a ciência é usada para moldar a tomada de decisões sociais e políticas no contexto de perigos e desastres. Essas questões também destacam a necessidade de informações mais sistemáticas e confiáveis ​​sobre tais eventos. Um objetivo do Programa seria gerar novas informações e dados e deixar um legado de conjuntos de dados e informações globais coordenados e integrados entre perigos e disciplinas, com níveis de acesso sem precedentes.

O IRDR deixaria o legado de uma capacidade aprimorada em todo o mundo para lidar com perigos e tomar decisões informadas sobre ações para reduzir seus impactos, de modo que em dez anos, quando ocorrerem eventos comparáveis, haveria uma redução na perda de vidas, menos pessoas adversamente impactos e escolhas mais sábias feitas por governos, setor privado e sociedade civil.

O Programa IRDR teria três objetivos de pesquisa, sendo que o primeiro trata da caracterização de perigos, vulnerabilidade e risco. A identificação e avaliação de riscos de desastres naturais em escalas global, regional e local, e o desenvolvimento da capacidade de prever eventos perigosos e suas consequências seriam, necessariamente, interdisciplinares. A compreensão dos processos naturais e atividades humanas que contribuem para a vulnerabilidade e resiliência da comunidade será integrada para reduzir o risco. Esse objetivo abordaria as lacunas de conhecimento, metodologias e tipos de informações que estão impedindo a aplicação efetiva da ciência para evitar desastres e reduzir riscos.

O segundo objetivo de pesquisa envolve a compreensão da tomada de decisão em contextos de risco complexos e mutáveis. Compreender a tomada de decisão eficaz no contexto da gestão de risco – o que é e como pode ser melhorada – exige uma ênfase em como as decisões humanas e os fatores pragmáticos que restringem ou facilitam essas decisões podem contribuir para que os perigos se tornem desastres e/ou possam mitigar seus efeitos.

O terceiro objetivo de pesquisa, sobre redução de riscos e redução de perdas por meio de ações baseadas em conhecimento, exigiria a integração dos resultados dos dois primeiros e só poderia ser alcançado através da implementação e monitoramento de decisões informadas de redução de risco e através de reduções na vulnerabilidade ou exposição. Processos de ajuste ou adaptação humana podem ser usados ​​para reduzir a vulnerabilidade e aumentar a resiliência.

Três temas transversais apoiariam esses objetivos: capacitação, incluindo capacidade de mapeamento para redução de desastres e construção de capacidade autossustentável em vários níveis para diferentes perigos; o desenvolvimento de estudos de caso e projetos de demonstração; e avaliação, gestão de dados e monitoramento de perigos, riscos e desastres.

O Grupo de Planejamento identificou os principais programas e projetos que já existem na área de desastres naturais e desastres e, por meio de um extenso processo de consulta, o Programa exploraria mais essas e outras atividades e entraria em acordos sobre como elas podem se tornar componentes do todo como parceiros na pesquisa.

Durante os primeiros três anos, o Programa estabeleceria uma equipe de co-patrocinadores e faria acordos com os programas existentes para realizar pesquisas com resultados e responsabilidades compartilhados. Um Comitê Científico, mandatado pelos co-patrocinadores e com o apoio de um Escritório Internacional de Projetos, teria a responsabilidade de construir os vínculos formais com os parceiros de pesquisa. As organizações colaboradoras, trabalhando por meio de um Fórum Consultivo, se tornariam atores importantes no Programa.

Além disso, novos projetos seriam iniciados para colocar em prática, em sentido prioritário, os elementos necessários para cumprir plenamente os objetivos em um prazo de dez anos. Recomenda-se que o Comitê Científico, quando estabelecido, crie dois grupos de trabalho para ajudar no escopo do programa e estabelecer as bases sólidas para o desenvolvimento do programa. Estes seriam grupos de trabalho para investigações forenses de eventos de desastres recentes e para uma rede de pesquisa de riscos de longo prazo.


Ir para o conteúdo