Seja um voluntário

Relatório

LIRA: Avanço da Agenda 2030 nas cidades africanas por meio da co-produção de conhecimento

Um relatório sobre experiências urbanas lideradas por cientistas africanos em início de carreira no programa LIRA

O relatório descreve exemplos atuais de colaboração entre ciência, política e sociedade realizada por meio de pesquisa transdisciplinar em uma série de cidades africanas. Todos estão sendo implementados sob um programa de pesquisa conhecido como Liderando Pesquisa Integrada para a Agenda 2030 na África (LIRA 2030 África).

O relatório lança luz sobre o que é necessário para co-produzir conhecimento sobre o desenvolvimento urbano sustentável na África por meio da colaboração entre cientistas, atores políticos, profissionais urbanos, o setor privado e as comunidades, e quais oportunidades e desafios este processo engajado de produção de conhecimento cria. Sugere opções para a criação de ambientes propícios e para o aumento da capacidade dos cientistas africanos para realizar este tipo de pesquisa.

Os projetos apresentados neste relatório inspiram esperança para cientistas africanos em início de carreira de cruzar as fronteiras convencionais entre ciência, política e sociedade e fazer pesquisas que sejam inovadoras, engajadas, relevantes e que, em última análise, contribuam para a mudança social. O investimento em pesquisa transdisciplinar e treinamento é crucial para equipar a próxima geração de acadêmicos com as mentalidades e ferramentas necessárias para garantir que a ciência urbana esteja voltada para a mudança sistêmica e transformadora nas cidades africanas.

Baixe o relatório

Principais mensagens e recomendações

  • Os desafios urbanos exigem novos métodos de produção de conhecimento. Isso deve atravessar setores, disciplinas e culturas, e reconhecer a complexidade, incerteza e natureza contestada do desenvolvimento urbano. A coprodução de conhecimento é um processo enriquecedor. Ele oferece espaço para o diálogo, aprendizagem e colaboração entre as diferentes partes interessadas. As equipes de pesquisa que combinam cientistas de diferentes disciplinas acadêmicas com partes interessadas não acadêmicas estão mais bem equipadas para gerenciar a complexidade do mundo real. Essa abordagem também oferece novas possibilidades de envolvimento dentro e entre as instituições, ajudando a quebrar a mentalidade de silo e estimulando a transformação das estruturas e processos institucionais existentes nas universidades e outros parceiros. Por meio da coprodução de conhecimento, cientistas de diferentes disciplinas realizam pesquisas com profissionais e formuladores de políticas em todos os setores e escalas geográficas, e criam e testam soluções locais em conjunto para gerar mudanças transformadoras nas cidades.
  • A co-produção de conhecimento oferece benefícios para a implementação dos ODS em cidades africanas. Trabalhar com diferentes partes interessadas ajuda os pesquisadores a ter uma melhor compreensão das necessidades e interesses locais, a obter uma compreensão holística dos problemas e a co-produzir conhecimento e soluções locais. Ao promover novas parcerias locais em diferentes setores, a co-produção de conhecimento ajuda a ancorar os ODS no contexto local e aumenta a capacidade de resposta das comunidades à agenda global. Ao fornecer um espaço para as partes interessadas expressarem suas limitações e aspirações, promove uma melhor participação de grupos que geralmente são silenciados e formalmente excluídos na implementação dos ODS. Isso torna o processo de produção do conhecimento mais inclusivo. Ao reunir atores e setores em conflito, ajuda a identificar a interconexão entre os ODS e as formas de alcançá-los. Finalmente, a coprodução de conhecimento ajuda a alavancar a experiência, habilidades e recursos necessários para implementar os ODS.
  • A realização de todo o potencial do processo de coprodução de conhecimento requer pesquisadores:
    • Ser estratégico e realista sobre o envolvimento com a política e a sociedade, e pensar cuidadosamente sobre quem envolver e em que estágio do processo de pesquisa. Com base nas aprendizagens do LIRA até o momento, existem três fases principais de produção de conhecimento. Cada um ajuda a reunir diferentes tipos de conhecimento, promover a aprendizagem entre instituições e construir parcerias intersetoriais. Essas fases são o enquadramento conjunto das agendas de pesquisa; co-projetar métodos para geração e uso de conhecimento; e a cocriação de opções de políticas e ações para a mudança.
    • Dedicar um tempo no início do projeto identificando maneiras de trabalhar juntos, entendendo os interesses individuais no projeto e construindo confiança.
    • Criar espaço para a equipe do projeto e os parceiros refletirem sobre os métodos e processos de pesquisa e adaptá-los, se necessário, às condições em evolução.
    • Ouvir com atenção aqueles que irão agir sobre os resultados da pesquisa, a fim de compreender suas preocupações e aspirações e criar produtos de conhecimento úteis no mundo real.
    • Gerenciar de forma adequada as expectativas das partes interessadas, especialmente as das comunidades locais.
    • Refletir criticamente sobre as dinâmicas de poder existentes, sobre as posições e experiências de cada um e sobre as formas de interromper a reprodução de relações desiguais de poder.
  • A complexidade e singularidade das cidades africanas significa que mais estudos sobre cidades africanas da África são necessários. As questões urbanas em África são distintamente diferentes das de outras regiões, devendo ser feitas mais tentativas para apoiar o desenvolvimento de teorias e enquadramentos de investigação africanos, para compreender os problemas e soluções no seu contexto específico.
  • As instituições acadêmicas e agências de financiamento internacionais e nacionais devem considerar a criação de ambientes propícios na África para a co-produção de conhecimento envolvendo diferentes atores sociais. Os processos de política global, como a Agenda 2030, exigem contribuições mais fortes da ciência. Mas a coprodução de conhecimento ainda é mal recompensada por mecanismos de financiamento e estruturas acadêmicas. O compromisso com a pesquisa transdisciplinar pode ser arriscado para cientistas em início de carreira. Existem muito poucas oportunidades de desenvolvimento de carreira transdisciplinar em instituições centradas em disciplinas. Abordar esta questão exigiria mudanças estruturais dentro das instituições, mas também dentro do sistema prevalecente de incentivos acadêmicos e da cultura do 'publique ou pereça'. Reconhecer e recompensar os resultados não acadêmicos do trabalho de co-produção de conhecimento, como aprendizagem social e institucional, desenvolvimento de capacidade, envolvimento com a política e o público e construção de relacionamento, incentivaria a pesquisa voltada para soluções. Criar mais periódicos revisados ​​por pares com foco na publicação de pesquisas transdisciplinares também seria benéfico. Além disso, as barreiras administrativas que impedem as transferências de fundos entre instituições e através das fronteiras precisam ser removidas se os benefícios da colaboração, troca de conhecimento e aprendizagem entre universidades e cidades na África devem ser plenamente realizados. 

    Os mecanismos de financiamento também devem incluir recursos para atividades que podem não estar diretamente vinculadas à pesquisa. Isso pode incluir capacitação para pesquisa transdisciplinar, engajamento público e político, comunicação e rede - e construção de comunidade. Cursos de co-produção de conhecimento, de aplicação da pesquisa, de construção da comunicação, bem como de habilidades de facilitação e negociação, devem ser considerados como parte da graduação e da pós-graduação. Isso prepararia a próxima geração de cientistas para atuar como corretores de conhecimento e liderar o envolvimento com diferentes partes interessadas, eliminando a divisão entre ciência, política e sociedade e promovendo a colaboração intersetorial em torno dos desafios urbanos.
  • Construir capacidade científica - especialmente de acadêmicos da próxima geração - para co-produzir conhecimento sobre desenvolvimento urbano sustentável é um processo sustentado de longo prazo. No entanto, a abordagem atual para financiar pesquisas e capacitação é de curto prazo e baseada em projetos. Não apóia o acúmulo e a aplicação de conhecimentos sobre sustentabilidade. Nem permite que os resultados do conhecimento coproduzido sejam rastreados. Também evita que as relações e parcerias criadas entre a ciência, a política e a sociedade sejam sustentadas ao longo do tempo. Isso diminui o impacto dos investimentos feitos na construção de confiança e parceria, e deixa os participantes com a sensação de não realizar plenamente o que pretendiam fazer. Sem o financiamento de longo prazo para a pesquisa transdisciplinar, os pesquisadores e outras partes interessadas podem voltar às suas disciplinas e domínios assim que o projeto terminar. Isso torna uma abordagem integrada para resolver os desafios do desenvolvimento urbano africano difícil de alcançar.

Vídeos de projetos

reprodução de vídeo

Baixe o relatório
Ir para o conteúdo