Seja um voluntário

Relatório

Dados abertos em um mundo de Big Data

O 'Big Data' surgiu como uma grande oportunidade para a descoberta científica, enquanto os 'dados abertos' aumentarão a eficiência, a produtividade e a criatividade da empresa pública de pesquisa e neutralizarão as tendências à privatização do conhecimento. Além disso, a publicação aberta simultânea dos dados que sustentam os artigos científicos pode fornecer a base da 'autocorreção' científica. Para que organizações, indivíduos e sociedade maximizem os benefícios do big data, no entanto, dependerá da extensão em que houver acesso aberto a dados científicos com financiamento público.

Essas iniciativas colaborativas reuniram representantes de alto nível de três organizações científicas internacionais: o International Science Council (ISC), a InterAcademy Partnership (IAP) e a World Academy of Sciences (TWAS).

O tema da primeira iniciativa colaborativa desta série foi 'Big Data / Open Data'. Por meio da iniciativa, uma equipe internacional e interdisciplinar desenvolveu um acordo sobre os valores dos dados abertos na cultura científica emergente de big data. O acordo resultante - Dados abertos em um mundo de Big Data - propõe um quadro internacional de princípios. Isso reflete nossa convicção de que, em uma era de pesquisa de big data, os dados abertos são essenciais para permitir testes e replicações independentes e rigorosos das descobertas e para apoiar a participação total de países de baixa e média renda no empreendimento de pesquisa global.

Após a publicação do acordo, as organizações parceiras - sob a bandeira de 'Science International' - iniciaram uma campanha em busca de endossos organizacionais para os princípios estabelecidos no acordo “Dados Abertos em um Mundo de Big Data”.

Um Acordo Internacional

Nesse sentido, há um número crescente de pedidos de vários atores, tanto dentro como fora da comunidade científica, e de órgãos intergovernamentais como o G8, a OCDE e a ONU, para acesso aberto a dados científicos financiados publicamente, especialmente em relação aos dados de particular importância para os grandes desafios globais.

A plena exploração de "big data", no entanto, também dependerá da medida em que os sistemas científicos nacionais sejam capazes de desenvolver a capacidade de usá-lo, de evitar a criação de novas "divisões de conhecimento" e de decidir quais dados podem ser gerados aberto para uso e reutilização.

O acordo propõe 12 princípios para orientar a prática e os profissionais de dados abertos, focados nos papéis desempenhados por cientistas, editores, bibliotecas e outras partes interessadas e nos requisitos técnicos para dados abertos. Também avalia os “limites da abertura”.


Baixe o Acordo:


Ir para o conteúdo